Navigation

Skiplink navigation

Por que edifícios altos são uma raridade na Suíça?

Roland Schmid / 13 Photo

Em comparação com outros países, existem poucos edifícios residenciais com grande número de andares na Suíça. Os projetos iniciais nos anos 1960 e 70 caíram rapidamente em descrédito, e a construção de novos prédios foi lentamente retomada somente a partir dos anos 2010.

Este conteúdo foi publicado em 15. julho 2020 - 11:43

Basta um olhar pelas cidades e aglomerados urbanos da Suíça para constatar que praticamente nenhum prédio tem mais de quatro ou cinco andares. Isto contrasta com os EUA e outros países fora da Europa, onde as linhas de horizonte marcadas por prédios dispararam verticalmente no início do século 20.

"Não tínhamos que construir tão alto porque, ao invés, utilizamos muito espaço", diz Martin Vinzens, o maior urbanista suíço. "Naquela época, havia pouca apreciação da paisagem ou do solo como um recurso ". Vinzens é o chefe da Seção de Assentamentos e Paisagens da Agência Federal Suíça de Urbanismo.

"Além disso, pensava-se que prédios mais baixos tinham comprovado seu valor, por exemplo, por permitirem construções mais baratas ou com bom acesso a espaços externos, e por permitirem tomar conta das crianças brincando ao ar livre". Por último, mas não menos importante, os edifícios mais altos teriam um grande impacto negativo sobre a área circundante por causa das sombras que eles lançam, razão pela qual os projetos de construção envolvendo arranha-céus geralmente encontraram resistência dos bairros vizinhos.

"Bel-Air", em Lausanne, com uma altura de 68 metros, é considerada o primeiro arranha-céu da Suíça. Arquiteto: Alphonse Laverrière, 1929-1932 Keystone / Luca Zanier

As cidades históricas não devem ser violadas

Sandro Lang é advogado e planejador urbano formado do município de Baar, no cantão de Zug. Ele dedicou sua tese de mestrado ao tema dos arranha-céus, e acredita que a baixa altura dos edifícios se deve também a razões históricas, restrições legais e considerações econômicas: “As duas guerras mundiais impediram a construção de arranha-céus na Europa em geral, porque a construção de prédios altos é cara”.

Ao contrário dos EUA, a maioria das cidades europeias também tinha centros urbanos medievais, o que também era levado em consideração: "As pessoas não queriam colocar edifícios altos ao lado das belas cidades antigas", diz Lang.

Foi somente nos anos 50 que os edifícios altos começaram a aparecer na Suíça. "Quando as pessoas puderam se deslocar das conurbações para a cidade, os prédios residenciais de alto nível surgiram na periferia e as pessoas propalavam as vantagens vida cercada pelo verde", diz Lang.

Das Wohnen in einem Hochhaus war eine bis dahin unbekannte Wohnform, die Hochhäuser im Heiligfeld waren die ersten ihrer Art in Zürich. Architekt: Albert Heinrich Steiner, 1950 - 1952 Werner Friedli / Eth-Bibliothek

Aversão a prédios altos

De acordo com Lang, os urbanistas e investidores imobiliários há muito se agarram às tradições e não consideram os prédios altos uma forma adequada de moradia. "Os suíços são mais propensos a serem moradores de casas unifamiliares". É por isso que não houve aceitação".

Vincenzo também confirma que havia uma certa aversão a prédios altos na Suíça. "As pessoas achavam os edifícios altos feios, anônimos e restritivos. Alguns exemplos dos primeiros edifícios provavelmente não foram tão bem-sucedidos. E as pessoas diziam: "Nós não queremos isso em nosso país".

Nos anos 1960 e 1970, vários edifícios residenciais altos também foram construídos na Suíça, por exemplo, o Tscharnergut em Berna-Bethlehem, os arranha-céus Hardau em Zurique ou a Cité du Lignon em Vernier, um subúrbio de Genebra.

No início, estes edifícios altos eram considerados modernos, mas depois caíram em descrédito. Enquanto os apartamentos em grandes torres são prestigiosos e caros em alguns outros países, na Suíça foram considerados apartamentos sombrios para pessoas de baixa renda, similar aos edifícios de apartamentos pré-fabricados na Alemanha.

O conjunto habitacional Hardau compreende um total de quatro edifícios altos com uma altura máxima de 95,4 metros. Até hoje caracterizam o espaço urbano de Zurique. Arquiteto: Max P. Kollbrunner, 1976-1978 Keystone / Steffen Schmidt
O conjunto habitacional "Le Lignon", no cantão de Genebra, é o edifício mais longo da Suíça, com mais de um quilômetro de comprimento. Originalmente projetado para 10 mil residentes de classe média, hoje acomoda cerca de 5.700. Arquiteto: Georges Addor, 1962 - 1971 Keystone / Martial Trezzini
O grande conjunto habitacional "Telli", em Aarau, consiste em quatro blocos, também é chamado de "represas". No total, 2.500 pessoas vivem em edifícios de até 50 metros de altura. Arquiteto: Hans Marti, 1971 - 1991 Markus Bertschi / 13 Photo

"As pessoas viam os edifícios altos como algo onde se poderia colocar muita gente, como algo barato", diz Vinzens. "Mesmo sabendo que edifícios residenciais altos não são tão baratos". De acordo com Vinzens, no início havia uma classe média urbana vivendo nos apartamentos. Isso só mudou mais tarde.

Uma cultura como nos EUA, onde os ricos compram apartamentos caros em edifícios altos, não existia na Suíça no passado, de acordo com Vinzens. "Os ricos provavelmente disseram para si mesmos: tenho dinheiro suficiente, também posso comprar uma vila com um jardim ao redor e ter minha paz e sossego", diz Vinzens.

Solo escasso: edifícios altos como uma forma de adensamento urbano?

Entrementes, o solo também estava se tornando escasso na Suíça. Desde uma revisão da lei em 2014, quase nenhuma nova zona destinada a construções foi delimitada. Aumentar a densidade habitacional era, portanto, necessária.

Por que não construir então com mais altura? De fato, desde os anos 2010 houve um ressurgimento na construção de prédios altos nos centros urbanos da Suíça; sejam eles torres de escritórios ou edifícios residenciais de luxo.

As torres residenciais "HochZwei", são o novo símbolo de Lucerna Com, respectivamente, 77 e 88 metros, são atualmente os edifícios mais altos da Suíça central. arquitetos: Marques AG e Iwan Bühler GmbH, 2009 -2012 Herbert Zimmermann / 13 Photo
A Torre Jabee fica no cantão de Zurique e é atualmente o edifício residencial mais alto da Suíça (100 metros). Arquiteto: Mike Sattler, 2016 - 2019 Albinfo
O arranha-céu "Meret Oppenheim", na Basiléia, tem 81 metros de altura e abriga 150 apartamentos. Arquitetos: Herzog & de Meuron, 2016 - 2019 Keystone / Georgios Kefalas

"Se queremos alcançar mais densidade no mesmo espaço, e também quisermos algum espaço verde ao redor, então não temos escolha a não ser construirmos para cima", diz Vinzens. Mas a Suíça ainda está muito longe das condições americanas.

Em sua tese de mestrado, Lang chegou até à conclusão de que os arranha-céus são adequados como ferramenta de adensamento urbano apenas em grau limitado na Suíça. Em primeiro lugar, ainda há ceticismo entre a população. "Em segundo lugar, muitas vezes é preciso criar ambientes verdes ao redor dos edifícios altos, o que muitas vezes anula seu efeito de adensamento". Finalmente, na maioria dos lugares ainda é mais lucrativo construir horizontalmente.

O que é um edifício alto?

Não há uma definição definitiva do que seja um edifício alto de muitos andares. A maioria dos regulamentos de construção cantonais e também as normas suíças de proteção contra incêndios o definem como um edifício alto um prédio com mais de 30 metros de altura.

End of insertion
Partilhar este artigo