Navigation

Skiplink navigation

Estudo PISA revela que alunos suíços "continuam atrasados" em leitura

Os suíços de 15 anos estão abaixo da média internacional quando se trata de leitura, revela a última pesquisa educacional PISA. Os funcionários da educação suíça dizem que é preciso fazer mais para melhorar a situação "menos do que satisfatória".

Este conteúdo foi publicado em 03. dezembro 2019 - 10:32
swissinfo.ch
Estimular cedo a leitura para os alunos: uma iniciativa do cantão de Vaud para que os alunos do ensino primário Keystone / Laurent Gillieron

A avaliação PISA 2018 da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), publicada na terça-feira (3), constatou que os alunos na Suíça "não tiveram resultados significativamente diferentes" da média da OCDE em leitura. Com 484 pontos, eles ficaram abaixo da média de 487 pontos - e houve uma queda de oito pontos em relação ao último teste em 2015. 

+ Como os suíços se saíram na pesquisa PISA 2015 

Como única avaliação internacional sobre o desempenho dos alunos, o teste PISA é utilizado por muitos países como ferramenta de comparação na educação. O teste aborda cada vez um tema em especial, desta vez foi a leitura. 

De acordo com as notas por país para a Suíça, 76% dos alunos suíços atingiram pelo menos o Nível 2 (considerado a linha de base) de proficiência em leitura (média OCDE: 77%). Cerca de 8% dos alunos obtiveram os melhores resultados nos níveis 5 ou 6. Em comparação, em 20 outros sistemas de ensino, dos quais 15 eram países da OCDE, mais de 10% dos alunos tinham os melhores desempenhos.

O estudo de 2018 testou cerca de 600.000 alunos com cerca de 15 anos em 79 países, dos quais cerca de 6.000 (de 200 escolas) eram da Suíça.

A Estônia, o Canadá, a Finlândia e a Irlanda foram os países da OCDE com melhor desempenho em leitura. Singapura e partes da China também obtiveram pontuações altas. 


Conteúdo externo




Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo