Requerentes de asilo encontram cada vez mais trabalho na Suíça

Mais de um terço de todos os requerentes de asilo e refugiados na Suíça estão empregados atualmente, segundo dados da Secretaria de Estado para Migração (SEM). Mas a maioria dos empregos é precária e a grande maioria continua a receber benefícios do governo.

Este conteúdo foi publicado em 29. abril 2019 - 08:15
Requerentes de asilo limpam um parque em Biasca, cantão do Ticino, em 2017 Keystone / Francesca Agosta

Em um ano, a taxa de emprego para requerentes de asilo na Suíça aumentou de 27% em março de 2018 para 32% hoje, de acordo com uma reportagem dos jornais Ostschweiz e Zentralschweiz am Sonntag que citam dados recentes da SEM.

Isso se traduz em um adicional de 5.000 requerentes de asilo no emprego em um ano.

Entre aqueles que foram admitidos provisoriamente no país, a taxa de emprego aumentou de 31% para mais de 37% em um ano.

A SEM diz que esse crescimento é essencialmente o resultado de mais medidas de integração. O órgão destaca a introdução dos chamados cursos de pré-aprendizado de um ano para refugiados e requerentes de asilo selecionados em 18 dos 26 cantões para ajudar na sua integração. O objetivo é preparar as pessoas com potencial para o mercado de trabalho com um aprendizado completo.

Mas procedimentos simplificados de contratação para os empregadores e uma maior disposição das autoridades municipais em ajudar os requerentes de asilo a encontrar trabalho também estão fazendo a diferença.

No entanto, a maioria dos postos de trabalho oferecidos é mal remunerada e não permite que os requerentes de asilo se tornem financeiramente independentes. Em 2017, 86% dos requerentes de asilo e refugiados receberam ajuda financeira do Estado.



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo