Navigation

Escolas suíças permanecem abertas enquanto debate sobre propagação do vírus continua

Uma criança no vestiário de uma escola em Viena; as escolas na Áustria só estão abertas para o acolhimento de crianças. Keystone / Herbert Neubauer

A Áustria fechou todas as escolas para conter o rápido crescimento dos casos de coronavírus, mas a vizinha Suíça não tem planos de seguir o exemplo. As autoridades suíças basearam esta decisão em parte na crença de que as crianças não são vetores da pandemia, embora a pesquisa sobre o assunto esteja dividida.

Este conteúdo foi publicado em 23. novembro 2020 - 15:30
SWI swissinfo.ch/SRF

O chanceler austríaco Sebastian Kurz ordenou que todas as escolas passassem ao ensino à distância em meados de novembro, como parte de um novo confinamento nacional que durará pelo menos duas semanas e meia. As creches e escolas primárias permanecerão abertas somente para quem precisa deixar seus filhos.

Na Suíça, as escolas permanecem abertas, após terem sido fechadas durante a primeira onda na primavera. Como os casos de coronavírus aumentaram no país, chegando a mais de 10.000 novos casos por dia no início de novembro, novas questões estão sendo levantadas sobre a escolha de permanecerem abertas. 

"A Suíça quer evitar o fechamento das escolas, colocando em quarentena os alunos ou turmas afetadas", disse Beat A Schwendimann, membro da diretoria da Federação de Professores SuíçosLink externo, à SWI swissinfo.ch, acrescentando que era importante que as pessoas afetadas recebessem o equipamento informático e o material didático de que necessitavam para o ensino à distância.

As autoridades suíças afirmaram durante toda a pandemia que é melhor para a educação das crianças se elas pudessem frequentar a escola pessoalmente.

"A decisão de fechar escolas novamente cabe ao departamento cantonal de educação ou ao Conselho Federal", disse Schwendimann.

Na Suíça, a educação é um assunto cantonal (portanto, os cantões normalmente decidiriam sobre o fechamento de escolas), e a intervenção do Conselho Federal (governo suíço) para fechar escolas em todo o país na primavera foi sem precedentes.

No final de outubro, o governo federal endureceu as medidas nas escolas suíças, incluindo máscaras para professores e alunos acima de 12 anos. Qualquer outra restrição foi deixada aos cantões separadamente.

Qual é o papel das crianças?

Uma questão-chave que impulsiona as decisões sobre o fechamento de escolas é até que ponto as crianças disseminam o vírus. As autoridades suíças há muito comunicaram que não consideram as crianças como vetores primários.

Os pesquisadores também têm se debruçado sobre o assunto. Susi Kriemler, responsável pelo estudo Ciao Corona, no cantão de Zurique, sobre o papel das crianças em idade escolar na pandemia, disse recentemente à televisão pública suíça SRFLink externo que os resultados até o momento mostram que as crianças mais novas geralmente não têm sido o problema, apesar de infectarem ocasionalmente colegas ou um dos pais.

"No momento, parece que os adolescentes são mais afetados. Seu comportamento e talvez também sua imunidade sejam diferentes", disse a professora da Universidade de Zurique.

Os resultados interinos do estudo de anticorpos, publicados em setembro, ajudam a justificar a permanência das escolas abertas por enquanto, disse ela. Esses resultados mostraram dois pontos de interesse: que 2,8% das crianças testadas no cantão de Zurique apresentavam anticorpos contra o novo coronavírus SARS-CoV-2 - mais ou menos a mesma porcentagem que uma amostra selecionada aleatoriamente de adultos.

Os sintomas, como a tosse, não foram muito específicos, pois ocorreram na mesma taxa tanto em crianças infectadas quanto em crianças sem coronavírus. Mas, em geral, não houve agregação de infecções por Covid-19 nas escolas do cantão de Zurique na primeira onda, concluiu o estudo.

A Ciao Corona testou 2.500 alunos em todo o cantão de meados de junho a meados de julho de 2020 para ver se eles tinham sido infectados anteriormente - e, portanto, desenvolveram anticorpos para o coronavírus - durante o início da pandemia. Outros testes, retirados de amostras de saliva e sangue, estão sendo realizados agora e na primavera de 2021.

Mais crianças positivas, poucas ficam doentes

Mas alguns cientistas conhecidos na Suíça dizem que poderia haver um grande número de casos não registrados nas escolas. A virologista Isabella Eckerle, de Genebra, pediu, por isso, mais testes de coronavírus e máscaras para os alunos do ensino fundamental.

A epidemiologista Olivia Keiser disse à SRF que havia vários indicadores que sugeriam que o papel das crianças na pandemia era subestimado. "As escolas estavam frequentemente fechadas na primeira onda. Desde então, a porcentagem de crianças que tiveram testes positivos aumentou", disse ela.

O especialista em doenças infecciosas do Hospital Infantil de Zurique, Christoph Berger, confirmou que mais crianças haviam sido infectadas na segunda onda. Mas apenas muito poucas delas ficaram doentes.

"As crianças disseminam vírus, mas como quase não apresentam sintomas, eles não são transmitidos", disse ele à SRF. Os vírus são transmitidos principalmente pela tosse ou espirros, segundo ele.

Berger acredita que as escolas e creches devem permanecer abertas. "Isto é importante para crianças e adultos. Mas devemos assegurar que os pais não infectem seus filhos. Mas as crianças entre as crianças não são um problema".

Entretanto, o médico disse que se a segunda onda continuasse, as máscaras poderiam fazer sentido para as crianças mais novas. "Toda máscara impede que uma infecção seja transmitida", disse ele.

Medidas mais rígidas nas escolas

As medidas contra o coronavírus nas escolas foram reforçadas desde o final de outubro, em meio a uma onda de casos de Covid-19 no país.

Cada cantão tem regras diferentes em vigor. Mas os professores de todos os níveis do país já estão usando máscaras, assim como os alunos com mais de 12 anos, explicou Schwendimann, da Federação dos Professores Suíços.

Atualmente, alunos com menos de 12 anos continuam isentos do uso de máscaras na Suíça.

"Além disso, medidas de distanciamento social e desinfecção das mãos estão em vigor. É difícil impor o uso de máscaras para alunos mais jovens", disse Schwendimann.

Fechamento de escolas na França, Itália e Alemanha

A situação é mista nos outros países vizinhos da Suíça. Na França, alguns professores entraram em greve no início deste mês, exigindo medidas mais rigorosas de segurança e higiene nas escolas. Lá, as máscaras são obrigatórias para todos os professores e para os alunos a partir dos seis anos de idade.

A Alemanha entrou em um isolamento parcial em 2 de novembro, mas as escolas e creches permaneceram abertas; na Itália todos os alunos mais velhos do ensino médio frequentam o ensino à distância.

End of insertion

Adaptação: Fernando Hirschy

Partilhar este artigo