Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Trabalhando uma imagem internacional

Federer sendo maquiado para um comercial da Emmi, a maior empresa de laticínios da Suíça.

(RDB)

Que lembranças traz o nome Roger Federer? Para um especialista em marketing "agradabilidade e confiabilidade como características suíças" podem se tornar um problema de marketing.

Apesar da discrepância entre conquistas desportivas e valor de mercado, alguns poucos contratos milionários de patrocínio colocam Federer na lista dos grandes salários. Porém quando se trata de lidar com dinheiro, o tenista suíço é um caso muito especial.

Tony Godsick, vice-presidente da agência IMG, é responsável pelo marketing internacional de Roger Federer. Seu principal objetivo é aumentar a presença global do tenista suíço e fazer com que o dinheiro entre no caixa.

Godsick não fornece números, mas não esconde que os rendimentos de Federer são "substancialmente os maiores da história do tênis" e que o seu nome está aparecendo em cada vez mais revistas de moda, negócios ou suplementos de jornais.

Na sua opinião, se Roger Federer conseguir conquistar o "Grand Slam" (ver quadro à direita), não seria uma injustiça colocá-lo entre os maiores atletas de todos os tempos "como Muhammad Ali ou Michael Jordan".

Mas Beat Ritschard, chefe do escritório suíço da agência Octagon, especializada em marketing esportivo e organização de eventos, acredita que Federer terá dificuldade em chegar aos patamares financeiros de Ali ou Jordan, pois ele ainda tem muito a trabalhar.

"Eu penso que Federer foi, por muitos anos, um nome sem a merecida valorização no mercado. Mas agora ele está tentando recuperar o terreno perdido", declarou Ritschard à swissinfo. "Alguns dos seus contratos são provavelmente muito locais para alguém como o tenista. Eu sei que ele está à procura de outro grande parceiro internacional de negócios".

Federer trabalha com a IMG desde que ele se tornou jogador profissional em 1998. Porém em meados de 2003 ele decidiu ter um controle maior sobre seus negócios e fundou a empresa Roger Federer Management, onde estão intimamente ligados seus pais e a namorada. Dois anos depois ele pediu a IMG cuidar mais uma vez do seu marketing internacional.

Curva de ganhos

Ritschard acredita que a imagem de Federer sempre foi excelente, do ponto de vista do tênis. De qualquer maneira, sua imagem pública fora das quadras e seu marketing sofriam de falta de contatos e do desejo do atleta de focalizar apenas sobre seu jogo. Além disso, a falta de aconselhamento profissional fora do círculo familiar é também vista como uma das maiores deficiências.

"O desenvolvimento da sua imagem parece nunca ter estado em foco. Na realidade ela nunca foi desenvolvida nos últimos anos", declara. "Uma agência global como a Octagon ou a IMG teria pelo menos tentado torná-lo mais conhecido do ponto de vista comercial e reforçado seu nome como marca".

Apesar das críticas, Ritschard avalia que Federer conseguiu balancear suas atividades dentro e fora das quadras. O resultado à longo prazo pode ser visto de forma positiva.

"Muitas pessoas diziam que ele não tinha um marketing muito inteligente e que não conseguia se vender. Isso pode ser correto do ponto de vista financeiro. Mas por outro lado, essa postura pode ter ajudado Federer, nos últimos três anos, a se tornar o melhor jogador do mundo. Nesse caso, eu só posso dizer que a estratégia é muito inteligente".

Superioridade de Federer

"Os contratos internacionais de Roger Federer valem trazem provavelmente entre dois e cinco milhões de dólares ao ano, sem contar o que ele ganha também através dos contratos dos fabricantes de equipamentos esportivos de tênis. Se incluirmos os contratos com a Nike, Wilson e outros com empresas suíças, então podemos chegar ao montante de 12 milhões de dólares ao ano", detalha Ritschard, que vê na troca da Maurice Lacroix pela Rolex nos ano passado como um "novo começo" para Federer no crucial mercado americano.

Em junho de 2006, a Rolex assinou com o atleta suíço o que e acredita ser o mais bem pago contrato de um fabricante de relógios já realizado com um atleta: rumores falam em US$ 15 milhões por uma década, embora outros falarem ser muito menos do que isso. Em contrapartida Federer tem de utilizar Rolex durante as apresentações dos troféus, mas não durante o jogo.

No ano passado, IMG também conseguiu firmar o mais lucrativo contrato de um fabricante de raquetes da história. Através do acordo, a Wilson paga 2 milhões de dólares por ano ao atleta fique entre os melhores do mundo.

Em janeiro de 2007 foi a vez da Gillette trocar seu garoto-propaganda David Beckham nas suas campanhas internacionais de propaganda por Federer, Tiger Woods e Thierry Henry. Gillette justificou o negócio da escolha dos três símbolos não apenas pelo seu sucesso esportivo, mas pelo fato de cada um dos atletas "simbolizar os verdadeiros valores do esporte e serem exemplos também fora do campo".

Federer também está bem envolvido no lançamento da sua própria linha de cosméticos RFCosmetics, que surgiu no mercado em outubro de 2003. Por 176 francos (US$ 145) o consumidor pode comprar o "Number One+", um set que inclui eau de toilette, bálsamo pós-barba, desodorante, sabão líquido e quatro bolas de tênis.

Lucros líquidos

Mas enquanto Roger Federer continua trabalhar seu caminho no ranking dos milionários do patrocínio, nenhum atleta de tênis pode batê-lo quando o assunto é prêmio em dinheiro.

Em novembro de 2006, ele se tornou o primeiro jogador de tênis a ganhar sete milhões de dólares em prêmios durante uma só temporada. Ao venceu Andy Roddick no Copa de Masters em Shanghai, na China, o atleta pode encerrar o ano com um acréscimo de US$ 8,3 milhões à sua conta bancária.

Mas o que significa para Federer ser um homem rico? "Dinheiro para mim é apenas um extra, pois a minha verdadeira paixão é jogar", contou o suíço durante uma entrevista dada para o site Tennis-X.com.

"Sempre sonhei em ser um tenista profissional. Quando eu comecei a participar dos campeonatos e ganhar meus primeiros dólares, foi uma alegria para mim".

swissinfo, Thomas Stephens

Breves

Em 2006, Roger Federer teve uma temporada de ganhos recordes: no total, ele recebeu US$ $8.343.885 (10 milhões de francos) e aproximadamente US$ 20 a 25 milhões através dos diferentes patrocinadores.

Em comparação, como publicou a revista Forbes no sua mais recente listagem dos mais bem pagos atletas do mundo, o golfista americano Tiger Woods é o número um em dinheiro: só em 2005 ele ganhou US$ 87 milhões.

André Agassi foi o melhor pago tenista da lista, tendo ganho US$ 26,2 milhões. Maria Sharapova ganhou US$ 18,2 milhões.

Atualmente Federer tem nove patrocinadores: Nike, Gillette, Wilson, NetJets e Rolex internacionalmente (embora Rolex seja uma companhia suíça), e empresas domésticas como Emmi, Jura, Nationale Suisse e a Swiss.

Aqui termina o infobox

Prize money

Prêmios em dinheiro obtidos durante a carreira (atualização: 1 de maio de 2007):
1. Pete Sampras – US$ 43.280.489
2. Andre Agassi – US$ 31.152.975
3. Roger Federer – US 30.136.828

Prêmios em dinheiros obtidos em 2007 (atualização: 1 de maio de 2007):
1. Roger Federer – US$ 1.560.370
2. Rafael Nadal – US$ 1.161.595
3. Novak Djokovic – US$ 1.046.115

Aqui termina o infobox

Apostas

Aberto da França: antes de Federer perder para Guillermo Cañas em março, corretores da Inglaterra haviam apostado no tenista suíço como favorito para ganhar o Aberto da França, na frente do bicampeão do torneio, Rafael Nadal. Depois da derrota, a cotação de Federer desceu e Nadal se tornou o favorito. A vitória de Nadal sobre Federer na final do Masters de Monte Carlo faz do tenista o nome com mais pretensões de levar o troféu para casa.

Wimbledon: os corretores apostam alto aqui, colocando Federer em uma relação de 1 para 3 de vitória no seu quinto consecutivo título (explicação: apostar 3 francos no suíço significa que se ele ganhar, o apostador recebe o dinheiro investido, mas um franco). Nadal, como especialista de quadra de terra está na segunda posição das apostas, com 8-1. As casas da aposta oferecem 5-2 se Federer ganhar em Wimbledon sem perder um set.

Grand Slam: Federer está cotado em 3-1 para ganhar o "Grand Slam" (em tênis, ganhar o Grand Slam é vencer os seguintes torneios na mesma temporada: Aberto da Austrália, Roland Garros, Wimbledon e Aberto dos Estados Unidos. Cada um desses campeonatos isoladamente também é conhecido como um torneio do Grand Slam). Caso o suíço ganhe três títulos, a cotação é de 3-1 também. Se ganhar dois títulos, a cotação é de 2-1 e 9-1 se ganhar apenas um.

Aqui termina o infobox


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×