Uma eleição que vai entrar na história

​​​​​​​

As candidatas do Partido Verde comemoram suas vitórias Keystone / Eddy Risch

De mudanças maciças no poder partidário para uma proporção recorde de mulheres, aqui estão as razões pelas quais as eleições parlamentares suíças de domingo podem ser consideradas históricas.

De acordo com o analista político Claude Longchamp, um partido nunca ganhou tantos assentos adicionais em uma eleição como os verdes de esquerda ganharam no domingo, com 17. O recorde anterior era de 15, estabelecido pelo Partido Popular Suíço de direita em 1999.

O Partido Popular perdeu 12 assentos no domingo, também um recorde - é a pior derrota na história das eleições suíças.

Domingo foi a primeira vez que tantos assentos - 58 - mudaram de partido. Em 2015, por exemplo, apenas 30 cadeiras mudaram. Após as manifestações climáticas e a histórica greve das mulheres em junho, a paisagem partidária suíça está mais volátil do que nunca.

Em outro registro histórico, 85 mulheres foram eleitas para a Câmara dos Deputados ontem, elevando a proporção de mulheres na maior câmara parlamentar para um recorde de 42%. A Suíça tem agora a 12ª maior proporção de mulheres na Câmara dos Deputados em todo o mundo. Na Europa, encontra-se atrás da Suécia e da Finlândia.

Os socialistas e os democratas-cristãos (centro) estão mais fracos do que nunca, e os radicais liberais de centro-direita estão apenas ligeiramente melhores do que após o seu pior resultado em 2011.

Os Verdes e os Verdes Liberais, com os seus 28 e 16 lugares respectivamente, atingiram sua melhor marca histórica. Em conjunto, ganharam 21% do eleitorado. Em comparação, o Partido Verde alemão ganhou 20,5% nas recentes eleições europeias.


No entanto, a participação dos eleitores não registrou qualquer recorde, muito pelo contrário - este ano, apenas 45,1% dos eleitores foram às urnas, contra 48% em 2015.





Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo