Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Seguro médico obrigatório Planos de saúde suíços devem subir bem acima da inflação

O custo do seguro médico na Suíça deve subir 3% tanto este ano como no próximo, adverte a agência reguladora dos planos de saúde, Santésuisse. O aumento, mais uma vez, é muito acima da previsão de aumento dos preços dos bens de consumo de 0,9% para 2019.

Person holding packets of medicaments

O alto preço dos medicamentos na Suíça tem sido parcialmente responsabilizado pelo aumento dos custos do seguro médico

(© Keystone / Gaetan Bally)

O órgão destacou, no começo da semana, as principais razões para os aumentos esperados nos planos de saúde. Ele prevê um aumento de 6% dos tratamentos de fisioterapia, a mesma porcentagem na demanda para cuidados com os idosos e lares de idosos e 5% extra nos diagnósticos médicos realizados em laboratórios.

Além disso, as seguradoras esperam que os custos aumentem a um nível semelhante para os tratamentos ambulatórios hospitalares.

"Contramedidas eficazes" são necessárias para cobrir esses custos extras, declarou a SantésuisseLink externo. E isso significa cobrar mais das pessoas por seus seguros. Segundo a agência, o aumento de 1% nos planos de saúde obrigatórios em 2017 não foi suficiente.

O órgão levantou mais uma vez a questão do alto custo dos medicamentos na Suíça. Os medicamentos genéricos estão causando uma dor de cabeça particular, sendo duas vezes mais caros na "ilha dos preços altos" em comparação com mercados comparáveis no exterior.

O custo dos medicamentos deve subir em geral 3% nos próximos dois anos.

Santésuisse pediu a criação de um índice de preços de referência para comparar os preços dos medicamentos na Suíça com os de outros países. A organização espera que isso ajude a aliviar os preços exorbitantes pagos por medicamentos na Suíça.



swissinfo.ch/fh

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.