Onda de infecção pode durar até o início do verão

A atual onda de infecções pelo coronavírus que varre a Suíça deve terminar só no início do verão, disse o Ministério da Saúde da Suíça na terça-feira.

O Ministro da Saúde suíço, Alain Berset, exortou os residentes a seguir os conselhos do governo, manter a distância, ficar em casa e permanecer "resilientes" e "unidos", apesar do bom tempo em vista para o feriado da Páscoa Keystone / Salvatore Di Nolfi

"Estamos contando com uma onda de epidemia que terá não só um aspecto de inchaço, mas também um aspecto que vai diminuir, e não vai durar anos, mas tem um horizonte temporal visível", disse Daniel Koch, responsável do departamento de doenças contagiosas do Ministério da Saúde, na terça-feira (31). "Estamos assumindo que esta onda vai acabar no início do verão".

Até 31 de março, 16.250 pessoas na Suíça revelaram positivas ao vírus e 395 morreram, de acordo com um resultado de estatísticas cantonais. Ticino, Vaud, Genebra e Basileia-Cidade são os cantões mais afetados.

A Suíça realizou até agora 123.000 testes e abriu uma unidade de teste “drive-through” em Lucerna, que pode ser estendida para outras partes do país.

Medidas devem continuar

O Ministro da Saúde, Alain Berset, advertiu que as medidas extraordinárias para combater o vírus permaneceriam em vigor por algum tempo, pois os grupos vulneráveis ainda precisam ser protegidos, mesmo quando o número de infecções começar a cair.

Uma "situação extraordinária" foi declarada pelo governo, que emitiu uma recomendação a todos os cidadãos para ficarem em casa, especialmente os doentes e os idosos, e proibiu reuniões de mais de cinco pessoas em todo o país.

Foi imposta uma proibição a todos os eventos privados e públicos e o fechamento de bares, restaurantes, espaços esportivos e culturais; somente as empresas que fornecem bens essenciais permanecem abertas. As escolas estão fechadas em todo o país. As medidas estão em vigor até 19 de abril.

Berset disse que era "ilusório" imaginar que a situação voltaria ao normal a partir de 20 de abril. Ele exortou as pessoas a seguir os conselhos do governo, manter a distância, ficar em casa e permanecer "resilientes" e "unidos", apesar do bom tempo em vista para a Páscoa.

"As medidas podem ser adaptadas a qualquer momento. Temos que nos manter flexíveis", disse.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo