Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Bienal Suíça defende uma arquitetura mais humana em Veneza

Por , Veneza


A Suíça na Bienal de Veneza

A Suíça na Bienal de Veneza

(swissinfo.ch)

A 13a Bienal de Arquitetura de Veneza entra em cartaz trazendo um balanço geral das construções, desta vez sob a ótica do tema “Terreno Comum”. Neste ano ela foi idealizada por um curador inglês, o arquiteto David Chipperfield.

O pavilhão nacional da Suíça apresenta a exposição “E agora juntos”. Ela foi elaborada pelo arquiteto Miroslav Šik, de origem checa e professor da Politécnica de Zurique (ETH).

Tanto o tema central quanto a proposta suíça criticam a arquitetura individualista e defendem o diálogo entre as partes envolvidas, ou seja, entre os arquitetos e os habitantes de uma cidade, respeitando o contexto histórico na elaboração dos projetos, mas sem deixar de agregar valor e incrementar a qualidade de vida.

O grande desafio é a dissimulação da arquitetura dentro do tecido urbano. Miroslav Šik aproveita a oportunidade para revisitar o seu projeto Arquitetura Análoga de 1986-87, segundo o qual a arquitetura do cotidiano deveria ser uma arte popular ao invés de elitista. Para ele, a arquitetura participativa deve ser promovida e a isolada deve ser demolida. “Nos últimos 20 anos tivemos o crescimento de arquiteturas esculturais, lembro a de Bilbao, lindas formas, mas elas pecam pela falta de diálogo com o entorno. Eles saem nas revistas, mas não se integram com os arredores. A nova geração cresceu neste mundo. Não vai ser fácil para eles. Eu sou arquiteto e professor. Parece que tudo já foi feito. Eu espero que eles lutem para não repetir esse modelo”, disse o professor à swissinfo.ch

Tradição e inovação

Miroslav Šik segue os passos de seu mestre, o arquiteto italiano Aldo Rossi, de quem foi aluno na Politécnica de Zurique, onde hoje é professor. Ele usa a mesma técnica de “colagem” do antigo professor para ilustrar “E agora juntos”, nas instalações do pavilhão suíço. O curador transformou as paredes em gigantescos murais com fotografias de construções realizadas nos últimos quinze anos no país.

Diferentes obras “dialogam” entre si e revelam as forças de tensão que as mantém fiéis a um estilo arquitetônico que adapta o passado às exigências do presente. Elas foram projetadas em cidades diferentes mas têm harmonia graças à presença de  conceitos semelhantes como a sintonia com a paisagem dos arredores ou a adaptação ao que já existia antes, além de uma grande atenção ao volume entre as construções. “Eu digo sempre que cada prédio tem que se relacionar com a sua vizinhança. É um problema de querer que isso ocorra. Use a cor, o volume, enfim, temos muitos instrumentos para realizar este desejo”, explica Miroslav Šik à swissinfo.ch.

As construções escolhidas foram concebidas por duas duplas de  arquitetos. Axel Fickert e  Kaschka Knapkiewicz, de Zurique, trazem o conjunto residencial Klee. Quintus Miller e Paola Marana, de Basileia, apresentam suas ideias em prédios residenciais e de escritórios e hotéis históricos. As obras revelam como é possível interagir e integrar a memória urbana coletiva de uma cidade com a recuperação de áreas e construções abandonadas. A receita parece simples: fidelidade ao passado e inovação, mas não é.  “Não é uma questão simples, a produção de algo novo. A história deve ser melhor ensinada e estudada. Hoje, só a consciência do que existia ontem não é suficiente” diz à swissinfo.ch Kaschka Knapkiewicz.

Vários espaços

A presença da Suíça nesta Bienal não se restringe à exposição no pavilhão nacional. Ela se espalha por Veneza como as águas dos canais. Nos galpões do Arsenale estão nomes de conhecidos da arquitetura suíça. Eles foram  convidados pelo curador da Bienal, David Chipperfield.

Junto com arquitetos de outros países, os suíços apresentam projetos afins mesmo tendo sido elaborados para realidades bem diferentes. “Queremos realçar o território comum compartilhado pela profissão, mesmo diante de uma aparente diversidade na produção arquitetônica”, afirma David Chipperfield. Entre os participantes estão nomes conhecidos como Mario Botta, Valerio Olgiati, Herzog&De Meuron.

Os suíços também foram convidados para a mostra paralela Traces of Centuries & Future Steps, preparada pela organização não governamental GlobalArtAffairs Foudantion, com sede na Holanda. Os arquitetos e escritórios da Suíça Men Duri Arquint, Barbara Holzer & Tristan Kobler; Graeme Mann & Patricia Capua Mann + Ueli Brauen & Doris Wälchli, Luca Selva fazem parte de um grupo pouco conhecido de 60 arquitetos, de 26 países.

Todos os trabalhos estão expostos no “palazzo” Bembo, a poucos passos da praça San Marco. Em comum eles possuem a capacidade de salientar pontos de vista originais, de trabalhar fora de suas fronteiras culturas diferentes.

Em outro “palazzo”, Trevisan degli Ulivi, é local de debates das questões teóricas que permeiam a profissão, dando vida ao Salon Suisse, criado pelo curador inglês Robert Guy Wilson, designado pela Pro Helvetia,

Há uma longa lista de convidados como Miroslav Šik, Adam Caruso, Quintus Miller para debater o “toque suíço” na arquitetura A ideia é promover o diálogo entre o público e os arquitetos.

Tudo isso, tendo em comum a ideia de preservar a identidade local e experimentar novas técnicas, materiais e modelos de vanguarda.

Professores da ETH ganham o Leão de Ouro

Alfredo Brillembourg e Hubert Klumpner, dois professores da Politécnica de Zurique (ETH) ganharam o Leão de Ouro da Bienal de Veneza 2012, pela contribuição "Torre David/Grande Horizonte". Eles examinam como 750 famílias se instalaram em um edifício inacabado em Caracas.

A iniciativa os ocupantes da torre David pode ser considerada “uma inspiração reconhecendo a força das sociedades informais”, escreve o site da Bienal.

A construção da Torre David, um prédio de 45 andares na capital venezuelana foi interrompida pela crise econômica dos anos 1990. Hoje, 750 famílias ocupam o prédio, onde instalaram água e eletricidade, descreve a ETH, quinta-feira (30/8).

Fonte: ATS

Aqui termina o infobox

Saiba mais

Miroslav Šik nasceu em Praga, em 1953. Ele imigrou para a Suíça em 1968.  Entre 1973 e 1979 estudou com o professor italiano Aldo Rossi (1931-1997) quando ele dava aulas na Politécnica de Zurique (EHT).

Miroslav Šik é professor ordinário da EHT desde 1999.

Entre os seus projetos mais importantes estão o centro católico de Santo Antônio, em Egg, o alojamento para idosos, Neustadt, em Zug e a casa dos músicos de Zurique.

O evento paralelol oficial da Bienal, BSI Swiss Architectural Award 2007-2012, promove uma mesa redonda – presidida pelo arquiteto Mario Bota -  com os vencedores das duas primeiras edições, incluindo o último vencedor, o Studio Mumbai (selecionado entre 26 candidatos de 12 países), que levou o prêmio de 100 mil francos.

O debate será no dia 22 de setembro, às onze horas, na Fundação Querini Stampalia, Castello, 5252, no Campo Santa Maria Formosa).

Duas universidades suíças participam desta Bienal: Escola Politécnica Federal de Zurique (ETH) e a Universidade de Berna.

Aqui termina o infobox

swissinfo.ch


Links

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

×