Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Festival de cinema Os ventos de agosto do Brasil sopram também em Locarno

Cena de "Ventos de Agosto". 

Cena de "Ventos de Agosto". 

(pardolive.ch)

Entre ficção e documentário, aproximação antropológica e arte pura, o primeiro longa-metragem do jovem diretor brasileiro Gabriel Mascaro foi exibido sexta-feira em Locarno.

 “Para mim não existe contradição entre a ficção e a realidade, como também entre a vida e a morte. São componentes de um todo único”, afirma Mascaro em entrevista a swissinfo.ch.

"Minha intenção, em todo caso, foi chegar perto de uma visão de convergência entre a vida e a morte, convencido de que fazem parte da mesma experiência do cinema.”

Gabriel Mascaro, sexta-feira em Locarno. 

(swissinfo.ch)

Para comprovar essa hipótese, o diretor e uma pequena equipe de cinco pessoas passou algumas semanas, em meados de 2012, no povoado de Patacho, no litoral de Alagoas, na época dos violentos ventos atlânticos, marco e pretexto para o roteiro do filme que teve estreia mundial em Locarno.

O roteiro é simplesmente o cotidiano

Shirley, encenada por Dandara De Morais, abandona a cidade grande e chega ao povoado para cuidar da avó que vive sozinha.

Tratorista em uma plantação de coco, encontra Jeison -Geová Manoel Dos Santos-, que trabalha na mesma plantação e que nas horas livres pratica pesca submarina em apneia.

As tempestades tropicais de agosto castigam regularmente o litoral, no momento em que um especialista de ventos – interpretado pelo próprio Mascaro – chega ao povoado para localizar a zona de convergência intertropical e escutar o som do vento.

O descobrimento de um esqueleto antigo no fundo do mar e a norte acidental do recém chegado levam os jovens Shirley e Jaison a se confrontarem à dualidade entre vida e morte, luto e lembranças, vento e mar. 

Só uma atriz profissional 

Gabriel Mascaro nasceu em 1983 e é formado em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco. Alguns de seus trabalhos experimentais foram apresentados no Museu de Arte Contemporânea de Barcelona e no MoMa de Nova York.

Dandara de Morais nasceu em 1990. É bailarina desde o sete anos de idade.

O filme foi feito com modestos recursos materiais. Menos de 60 mil reais em sua fase de produção. Foi rodado em três semanas.

Com diversas subvenções foi feita a pós-produção. Essa fase durou quase 18 meses e incluiu refazer todo o som em estúdio.

Além de Locarno, Ventos de agosto será apresentado em outros festivais. Já foi pré-selecionado para 47ª edição do Festival de Brasília.

Aqui termina o infobox

Ventos de Agosto, cuja produção custou menos de 40 mil francos suíços, é uma realização coletiva interpretada por atores amadores. Com a exceção de Dandara de morais, a atriz principal, todos os protagonistas foram selecionados entre os moradores do povoado. Isso provocou um encontro intercultural forte ente a equipe chegada da cidade grande e os locais.  

Apesar desse encontro entre dois mundos, “não se pode falar de um filme

antropológico, explica Mascaro. “Do momento em que existem personagens externos que dão força à ficção, já se trata essencialmente de cinematografia e não de etnografia, mesmo se podem haver referências antropológicas na ideia de base”, acrescenta.

 “Foi uma experiência muito desafiadora. Eu fui morar com Maria – que no filme representa minha avó – em sua casa muito humilde. Sem água encanada nem banheiro, apenas com uma cama e um colchão”, explica Dandara De Morais ao swissinfo. ch.

“Passamos três semanas com os atores locais e desse intercâmbio ativo foi surgindo a versão final do filme. Tive muita liberdade em minha participação. Pude improvisar constantemente. Porém os outros, como não profissionais, tiveram que aprender de cor seus papéis para não perder o fio da meada e dar coerência ao roteiro”, continua.

O encontro e a convivência com Maria tiveram momentos fortes, insiste. “Foram criados em pouco tempo laços afetivos profundos. Ele me incorporou com uma verdadeira neta, me contava histórias da vida. Eu a penteava, ouvia, a mimava, o que permitiu criar uma grande confiança que se expressa em nossos diálogos no filme.”

Locarno é “algo incrível”

A apresentação do filme na competição internacional aparece hoje para Dandara De Morais “como um sonho que se tornou realidade, algo realmente incrível”, que marca o início de uma caminho que pode ser prometedor.

Com a perspectiva de uma distribuição no Brasil, em busca de compradores em outros países e selecionado para o próximo Festival de Brasília, o filme teve sua estreia em Locarno.

Tudo isso causa surpresa ao diretor e sua equipe. “Sempre quis ser atriz, porém nunca imaginei que em apenas dois anos ia passar de bailarina a protagonista de um filme e estar presente em tela tão prestigiosa como a que oferece este festival”, conclui. 


Adaptação: Claudinê Gonçalves, swissinfo.ch

×