Navigation

Janela n°13: cantão de Berna

Sirens of Lesbos

Não faltam superlativos para descrever a música das Sereias de Lesbos (Sirens of Lesbos), recém-chegados à cena musical suíça - e internacional.

Este conteúdo foi publicado em 13. dezembro 2020 - 09:00

"A trilha sonora de um sonho", diz a rádio GRRIF. Ou "um irresistível caldeirão de sons", de acordo com o Spotify. No entanto, eles não são tão novos. Sua história remonta a 2013, quando, por desafio, os Sirens of Lesbos decidiram compor um hit de sucesso em homenagem a Ibiza, a ilha de todos os prazeres. E deu certo.

Long Days, Hot Nights foi então transmitida na rádio BBC, lançando imediatamente a banda no cenário internacional. Seguiram-se vários sucessos, principalmente voltados para os clubes, mas a direção que a banda tomou não satisfazia mais aos seus membros.

Em 2018, eles lançaram We'll be fine, que orientou sua carreira em um caminho mais "nu-soul" e multicultural. As sereias de Lesbos são de origem tcheca, sudanesa, eritreia e inglesa.

No entanto, eles não se consideram "world music". A banda utiliza elementos e instrumentos encontrados na música com que cresceram, "mas nós tentamos integrá-los de uma forma moderna que nos corresponda", disse a cantora Jasmina recentemente no canal France24Link externo.

Para ter uma ideia do "nu-soul", e do som das Sirens of Lesbos, ouça Cobra, faixa de seu novo álbum SOL:

Conteúdo externo


A arte em todos os seus estados

Este ano, a SWI swissinfo.ch decidiu dedicar seu Calendário de Advento ao mundo da cultura - e à cultura suíça em particular. Concertos cancelados, museus fechados, apresentações proibidas - a crise do coronavírus atingiu duramente os artistas em todos os campos.

A fim de apoiá-los à nossa maneira e permitir que você descubra seus mundos encantados e variados, lhes convidamos a abrir uma nova janela a cada dia, que revelará uma personalidade particular. Alguns são mais populares do que outros, mas todos têm em comum que são contemporâneos e reconhecidos internacionalmente em sua arte.

Siga-nos durante o mês de dezembro e conheça aqui uma rapper do Valais, um dançarino da Basileia, um escritor da Thurgau (Turgóvia), um trompetista de Friburgo...

E é bom lembrar: nossa seleção não tem a intenção de apresentar "o melhor" da arte suíça. Nós simplesmente desejamos oferecer a você uma paleta o mais rica possível. E esteja à vontade para nos apresentar ou recomendar novos artistas de sua preferência.  👇

End of insertion


Participe da discussão

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?