Navigation

Brasileiros brilham em competição internacional de balé

O italiano Marco Masciari levou o grande prêmio da competição Gregory Batardon

Os vencedores do concorrido Prix de Lausanne foram anunciados no fim de semana: o jovem italiano Marco Masciari levou o principal prêmio, mas dois brasileiros, oriundos da mesma escola de Goiânia, estão entre os oito principais agraciados.

Este conteúdo foi publicado em 10. fevereiro 2020 - 18:58

O Prix de Lausanne, que este ano foi realizado extraordinariamente em Montreux, é uma das competições mais cobiçadas do mundo para jovens dançarinos. 77 jovens talentos (47 dançarinas e 30 dançarinos), com idades entre 15 e 18 anos, de 25 países participaram desta 48ª edição.

Ninguém vem ao Prix de Lausanne em busca de troféus: o grande incentivo da competição é que os vencedores ganham bolsas para continuar seus estudos de dança nas mais prestigiosas academias do mundo.

Durante quase uma semana, os candidatos refinam suas variações clássicas e contemporâneas sob o olhar atento de professores de renome, selcionados para a final por um júri de nove membros, presidido por Frédéric Olivieri.

Por incrível que pareça, o Prix de Lausanne, objetivo de jovens dançarinos principalmente da Ásia, Europa e América do Sul, não atrai talentos da própria Suíça. A única participante local deste ano nem chegou às finais, e o prêmio exclusivo para dançarinos suíços foi para o romeno Matei Holeleu, que frequenta uma academia de dança em Basileia.

Uma das grandes apostas deste ano, a portuguesa Catarina Pires, 17, voltou de Montreux apenas com o prêmio do público, apesar de sua belíssima interpretação.

Conteúdo externo

De Goiânia para o mundo

Os dois brasileiros entre os oito vencedores – João Vitor Santana, 17, e Vitor Vaz da Silva, 14 - vêm da mesma escola, o Instituto Tecnológico de Goiás (ITEGO) em Artes Basileu França, criada em 1967 na primeira escola pública estadual de arte no estado de Goiás.

Conteúdo externo

João Vitor Santana levou o terceiro lugar na competição. Original de Barra Bonita, interior de São Paulo, Santana contou à swissinfo.ch que teve de superar diversas barreiras para seguir seu sonho na dança, discriminado por vir de uma família pobre e por ser baixo. A mãe, empregada doméstica, viu que o menino adorava dançar e deu o empurrão necessário para João vencer o medo e praticar a dança seriamente. “Foi a dança que me salvou. Acreditando que dançar poderia mudar minha vida, me decidi pelo balé há quatro anos.”

O prêmio foi lançado em 1973 pelo industrial Philippe Braunschweig e sua esposa Elvire Braunschweig-Krémis. Seu objetivo era apoiar financeiramente os dançarinos iniciantes de escolas regionais menores e fornecer treinamento profissional. Dançarinos que possuem um contrato profissional, ou que já tiveram um contrato profissional no passado, não podem participar.

Os 8 vencedores do Prêmio Prix de Lausanne 2020

Marco Masciari - Itália

Ava Arbuckle - Estados Unidos

João Vitor Santana - Brasil

Lin Zhang - China

Chaeyon Kang - Coréia do Sul

Matei Holeleu - Romênia

Vitor Augusto Vaz - Brasil

Yuyan Wang - China

Outros prêmios:

Prêmio Melhor Jovem Talento: Ava Arbuckle - Estados Unidos

Prêmio de Dança Contemporânea: Marco Masciari - Itália

Melhor Prêmio Suíço de Candidato: Matei Holeleu - Romênia

Prêmio Favorito do Público da Web: Yuyan Wang - China

Prémio Favorito do Público: Catarina Pires - Portugal

End of insertion

Artigos citados

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.