Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

cultura Novos vinhos suíços misturam tradição e paixão

O vinho orgânico está ganhando popularidade e na Suíça, alguns viticultores como Jean-Denis Perrochet também estão combinando isso com os processos tradicionais que estão nas famílias há gerações.

Jean-Denis Perrochet ganhou fama fazendo vinhos biodinâmicosLink externo suíços e por seu compromisso apaixonado em promover a viticultura orgânica. Em 2012, ele e sua esposa e filho começaram a produzir vinho biodinâmico por causa do que ele acredita ser sua saúde e benefícios ecológicos.

Situado a uma curta distância da cidade de Neuchâtel, o enólogo e sua família colhem no Domaine de La Maison Carrée uvas suíças Chasselas antes que as temperaturas frias atinjam as vinhas que rodeiam o vilarejo de Auvernier.

Ao usar os mesmos processos e equipamentos que estão em sua família há sete gerações, Perrochet acredita que seu negócio se beneficiou do conhecimento de seus ancestrais que começaram a fazer vinho em 1827. Esse equipamento inclui uma antiga prensa vertical mostrada na galeria de fotos, que está em operação desde 1872 e é necessária para uma prensagem suave das uvas Chasselas de Auvernier.

Cultivar o vinho de forma tradicional e biodinâmica é a paixão de Perrochet - trabalhar em conjunto com os efeitos dos ritmos da lua e aplicar preparações tradicionais de ervas à videira são elementos-chave desta abordagem: “Embora esta forma de fazer não a torne mais simples, mas mais emocionante! Para nós, esse caminho é o futuro de nossa terra e seu cultivo, para nossas vinhas e sua manutenção.”

Mercado de nicho

A Suíça exporta apenas 2% do total do vinho que produz. O vinho orgânico ainda é uma indústria de nicho no país, mas o aumento da consciência ambiental está tornando o vinho orgânico uma escolha mais popular. As vendas de vinho orgânico no comércio varejista cresceram 8,4% em 2017 e atingiram um valor de aproximadamente CHF36 milhões (US$ 36,6 milhões).

A família Perrochet produz cerca de 70.000 garrafas por ano. Cerca de 50% das suas vendas são realizadas no Cantão de Neuchâtel, na região oeste da Suíça, 30% são vendidas na parte de língua alemã da Suíça e 20% na parte francófona. Eles exportam 1-2% para o Japão, os EUA e a Escandinávia.