Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Cultura Quando os marginais na literatura são os ricos



A Feira de Frankfurt faz uma homenagem ao Brasil em 2013.

A Feira de Frankfurt faz uma homenagem ao Brasil em 2013.

(Keystone)

Luiz Ruffato esteve de passagem pela Suíça para apresentar "Eles eram muitos cavalos", a sua obra traduzida em quatro idiomas, inclusive o alemão.

Entrevistado, o premiado escritor mineiro radicado em São Paulo, falou sobre o seu trabalho, as influências literárias e a dificuldades de um escritor no maior país da América do Sul.

Em um porão na parte antiga da cidade de Berna, um das pessoas presentes à leitura de Luiz Ruffato perguntou sobre o significado do nome do romance, publicado em 2001, que recebeu os prêmios APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e Machado de Assis da Fundação Biblioteca Nacional.

O escritor mineiro lembrou uma das grandes poetisas brasileiras. "Ele não tem nenhuma relação com o conteúdo do livro, mas sim é uma inspiração em uma poesia da Cecília Meireles que fala dos cavalos que morrem na guerra, lutando dos dois lados, e que ninguém sabe seu nome ou a sua origem".

Algumas horas antes, nos estúdios da swissinfo.ch em Berna, Ruffato havia relelado a abordagem social que faz em seu trabalho. "Quero passar os olhos em uma classe social que nunca foi privilegiada no Brasil, que é a classe média baixa". Essa postura permite a escolha dos personagens que permeiam o seu universo. "A literatura brasileira sempre tratou da classe média alta e de bandidos, mas nunca do trabalhador."

Filho de um pipoqueiro e uma lavadeira analfabetos, descendentes de colonos italianos na cidade de Cataguases, em Minas Gerais, o escritor contou as peripécias que passou até conseguir publicar o primeiro livro. Depois de estudar comunicação social na Universidade Federal de Juiz de Fora, ele chegou a São Paulo, onde rapidamente conseguiu o primeiro emprego em um jornal. Sem dinheiro, foi obrigado a dormir várias semanas em um terminal de ônibus.

Anos mais tarde, já com um ponto elevado na grande imprensa brasileira, ele decidiu abandonar a profissão para se dedicar exclusivamente à literatura. "Foi um escândalo entre os meus amigos, pois eles falavam que isso não daria em nada", conta.

E como ele despontou? A resposta não esconde um certo humor: "Graças às feiras literárias, pois estava sempre disponível de participar delas".

Escute a entrevista completa clicando na imagem na parte superior da coluna à direita.

Biografia

Luiz Ruffato (Cataguases, fevereiro de 1961) é um escritor brasileiro.

Formado em Comunicação pela Universidade Federal de Juiz de Fora, exerceu jornalismo em São Paulo.

Publicou Histórias de Remorsos e Rancores (1998) e Os sobreviventes em 2000, ambos coletâneas de contos.

Ganhou os prêmios APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e Machado de Assis da Fundação Biblioteca Nacional com o romance Eles Eram Muitos Cavalos, de 2001.

O livro foi publicado também em:

Itália (Milão, Bevino Editore, 2003),França (Paris, Métailié, 2005),Portugal (Espinho, Quadrante, 2006),Alemanha (Berlim, Assoziation A, 2012).

Em 2002, publicou As máscaras singulares (poemas) e Os Ases de Cataguases, contribuição para a história dos primórdios do Modernismo (ensaio).

Em 2005, iniciou a série Inferno provisório, projetada para cinco volumes, com os livros Mamma, son tanto felice e O mundo inimigo. Destes seguiram-se Vista parcial da noite e O livro das impossibilidades.

Esses romances foram premiados pela APCA como melhor ficção de 2005.

Em 2009, pela Companhia das Letras, lançou o romance Estive em Lisboa e lembrei de você (terceiro romance lançado pela Coleção Amores expressos).

Fonte: Wikipédia em português

Aqui termina o infobox

swissinfo.ch


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×