Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Escândalo da renovação do Kremlin dá indiciamentos.

Para os contratos de renovação do Kremlin - foto - teriam sido pagos milhões em subornos.

(Keystone)

O juiz de instrução de Genebra, Daniel Devaud, indiciou um advogado e dois gerentes de fortuna da mesma cidade. Eles são acusados de lavagem de dinheiro e envolvimento em organização criminosa, crimes relacionados com a renovação do Kremlin.

Os três indiciados estão sob suspeita de ter ajudado a dissimular subornos pagos pelas empresas de construção Mabetex e Mercata - sediadas em Lugano, Suíça - para conseguirem os contratos no Kremlin. Os três rejeitam a acusação.

O patrão de Mercata, Victor Stolpovskikh, devia ser indiciado na segunda-feira, 26 de junho, justamente por lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa. Mas ele não se apresentou à audiência marcada pelo juiz Daniel Devaud.

O patrão de Mabetex, Behgiet Pacolli, convocado na terça-feira 27 de junho pelo juiz foi também indiciado. O juiz negou-se a especificar os motivos que seriam lavagem de dinheiro e envolvimento em organização criminosa.

As contas das duas empresas, Mabetex e Mercata, foram bloqueadas na Suíça pelo juiz Devaud. Desde abril de 1999, o juiz se interessava à movimentação financeira relativa a essas duas empresas de construção.

A justiça genebrina traçou a pista de cerca de 70 milhões de dólares de comissões que teriam sido pagas por Mercata e Mabetex a cerca de 20 membros da administração do ex-presidente Bóris Iéltsin.

Um dos principais funcionários visados é Pavel Borodine, ex-intendente do Kremlin. Comissões de 4 milhões teriam sido pagas a líderes russos, em particular Borodine e seu assessor Andrei Savtchenko, bem como ao ex-vice-primeiro-ministro, Oleg Soskovets.

Por outro lado, o ex-primeiro-ministro russo, Viktor Tchernomyrdin, desmentiu qualquer envolvimento no caso Mabatex. Ele tinha sido acusado pela imprensa russa.

swissinfo com agências.


Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.