Navigation

Câncer deve matar 18 mil suíços este ano

Mais de 56.000 novos casos de câncer serão diagnosticados na Suíça em 2018, diz um relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Este conteúdo foi publicado em 13. setembro 2018 - 17:00
O câncer de pulmão provavelmente matará 3.500 pessoas na Suíça em 2018 KEYSTONE/DPA/Felix Hörhager

Mais de 18.000 mortes são esperadas, e quase 10.300 das vítimas serão homens, de acordo com dados da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), que reporta à OMS com sede em Genebra. Um em cada dez homens e um em cada 7.4 mulheres provavelmente morrerão de câncer antes dos 75 anos.

O câncer de pele não melanoma é responsável por quase um em cada cinco casos. O câncer de pulmão, o mais mortal, deve matar 3.500 pessoas este ano. A população suíça é de cerca de 8,5 milhões.

Mais de 30.000 homens e 26.000 mulheres serão diagnosticadas com câncer até o final deste ano. Um em cada três homens e mais de 25% das mulheres provavelmente serão afetados antes de completar 75 anos. Cerca de 103.000 homens e mais de 98.000 mulheres que moram na Suíça foram diagnosticados nos últimos cinco anos.

O câncer em outros países

O relatório da OMS abrange 185 países. Em todo o mundo, o número de casos de câncer deverá aumentar em 61% em 20 anos - para quase 30 milhões de novos casos e mais de 16 milhões de mortes.

Quase metade dos casos de câncer são observados na Ásia. A Europa, que abriga 9% da população mundial, é responsável por quase um quarto dos casos e por mais de 20% das mortes. O continente americano segue com 21% dos casos e um pouco menos de 15% da mortalidade. Na Ásia e na África, a proporção de mortes em comparação ao total global é maior que a dos casos, devido ao acesso limitado a diagnósticos e cuidados.

No Relatório de Saúde da OMS de 2018, também divulgado esta semana, a Suíça e o Luxemburgo empataram em primeiro lugar como os países com maior expectativa de vida: 83 anos de idade.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.