Navigation

Genebra internacional

Genebra continua o centro do mundo?

A Genebra Internacional é um importante centro multilateral. No entanto, o sistema multilateral tem enfrentado forte pressão nos últimos tempos, especialmente por parte do antigo governo americano de Donald Trump, mas também devido à pandemia de Covid-19 que levou a mudanças dramáticas na forma de trabalhar em Genebra Internacional. As coisas voltarão ao "normal", ou a diplomacia digital se tornará o "novo normal"? 

Este conteúdo foi publicado em 04. maio 2021 - 10:00
Skizzomat (ilustração)

Os corredores e salas de conferência do Palais des Nations, a sede europeia das Nações Unidas em Genebra, costumavam ficar agitados com as delegações e a imprensa de todo o mundo. Mas durante o primeiro semi-confinamento na Suíça, na primavera de 2020, ele se transformou em um "Palácio sem Nações", permanecendo quase vazio. Muitas de suas atividades ainda estão sendo conduzidas online. É o caso de muitas das instituições internacionais de Genebra. A forma como funcionários, organizações e Estados tratam suas questões pode ser totalmente transformada no futuro pós pandemia.

Além das organizações da ONU e missões governamentais de todo o mundo, a Genebra Internacional também hospeda muitas ONGs internacionais e instituições acadêmicas. Essas organizações criam um "eco-sistema fértil" para a pesquisa internacional e a tomada de decisões, dizem as autoridades. Enquanto algumas ONGs e até mesmo a ONU podem estar ameaçadas pelos efeitos colaterais da pandemia, o governo suíço está apoiando novas e futuristas "plataformas" para Genebra. Estas incluem a Iniciativa Digital Suíça e o Antecipador de Ciência e DiplomaciaLink externo de Genebra, que pode ser encontrado no prédio do "Campus BiotechLink externo" que abriga as startups voltadas para o futuro. 

A OMS no olho da tempestade 

A pandemia de Covid-19 colocou em evidência a Organização Mundial da Saúde (OMS), um órgão da ONU fundado em 1948 e também sediado em Genebra. Alguns criticaram seu tratamento da crise, e ela está enfrentando reivindicações de reforma. 

Mas a OMS também tem estado no centro de uma nova iniciativa para levar as vacinas Covid-19 aos países em desenvolvimento, o pool de vacinas COVAX. A COVAX é codirigida pela OMS, a Gavi (a Aliança de Vacinas) e a Coalizão para Inovações de Preparação para Epidemias (CEPI). Apesar de enfrentar muitos desafios, a COVAX começou a lançar vacinas para os países mais pobres no primeiro trimestre de 2021. 

Outra instituição de Genebra criticada por Trump e agora no centro de uma luta pela renúncia de patentes de vacinas contra a Covid-19 é a Organização Mundial do Comércio (OMC). Este órgão também está enfrentando apelos para uma reforma. 

Problemas de financiamento

As pressões financeiras são uma enorme preocupação para as organizações internacionais em Genebra. A situação se agravou devido à pandemia do coronavírus, que testou os limites do sistema multilateral. Agências das Nações Unidas, organizações internacionais e ONGs têm se esforçado para reagir às restrições. Enquanto isso, o destino das ONGs com problemas financeiros não está claro, e dependerá em grande parte dos doadores, segundo o cantão.

A tendência a longo prazo pode ser que as grandes agências internacionais transfiram certos recursos caros de Genebra para a periferia ou locais mais baratos, mas o fator de atração da cidade permanece forte por outras razões. 

Uma delas é que doadores, tomadores de decisão e especialistas já estão presentes na cidade. Genebra não é apenas a sede da ONU na Europa e de 39 organizações internacionais, mas também de 431 organizações não governamentais e 177 missões diplomáticas, de acordo com o site oficial da Genebra InternacionalLink externo. Há também institutos de pesquisa e 19 plataformas que reúnem a experiência internacional de Genebra.  

Mais recentemente, equipes de investigadores da justiça internacional e especialistas da ONU se reuniram em Genebra para coletar e preservar provas, preparar possíveis processos por crimes contra a humanidade cometidos em países como a Síria, Birmânia e agora no Sri Lanka. 

Paralelamente a Suíça ajudou a montar vinte plataformas de coordenação para explorar as redes locais da cidade. Uma delas é a Rede Ambiental de Genebra, o Lab SDG e a Plataforma de Manutenção da Paz de Genebra, que reúne atores relevantes dos setores público e privado, sociedade civil e universidades.

A Universidade de Genebra, por sua vez, criou o Centro de Negócios e Direitos Humanos, o primeiro centro de formação de executivos especializado no diálogo e pesquisas relacionadas aos direitos humanos.

Paz, direitos humanos e a justiça internacional continuam os principais focos. De Genebra, o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (UNHRC, na sigla em inglês) é parte do corpo de apoio à Assembleia Geral das Nações Unidas.

Já o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (OHCHR) é um órgão das Nações Unidas que, graças ao apoio de inúmeras ONGs e acadêmicos, se dedica à promoção e proteção dos direitos humanos no mundo.

“Enquanto a ONU e o sistema internacional estiverem abertos à sociedade civil, haverá esse efeito de atração aqui em Genebra”, diz Beauvallet.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.