Navigation

Skiplink navigation

Quando a Suíça abriu seus braços aos prisioneiros

Uma cidade suíça entrou para a história cem anos atrás ao receber milhares de prisioneiros de guerra. Retornar ao lugar é uma experiência emocional para alguns dos seus descendentes. (Julie Hunt, swissinfo.ch)

Este conteúdo foi publicado em 22. junho 2016 - 11:00
Julie Hunt, Château d'Oex, swissinfo.ch

Com base em acordos com as nações beligerantes, que pagaram os custos, 68 mil prisioneiros doentes e feridos da Grã-Bretanha, Alemanha, Bélgica, Canadá e da Índia ficaram internados por vários meses em sanatórios e hotéis na Suíça.

Muitos deles estavam localizados em estações turísticas alpinas, apoiando assim uma indústria ociosa devido a I. Guerra Mundial. O programa ressaltava a utilidade da política de neutralidade da Suíça.

Um dos centros mais importantes para soldados britânicos estava em Châteux d’Oex, no sudoeste da Suíça. Setecentos prisioneiros de guerras britânicos doentes e feridos chegaram aqui no final de maio de 1916.

A cidade marcou o centenário com eventos, dos quais participaram descendentes desses soldados. A swissinfo.ch encontrou alguns deles. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo