Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Perfil "Nós somos todos iguais, mas também completamente diferentes"

Manarekha tem oito anos de idade. Mas a menina, que vive em uma família adotiva no Ticino, tem dificuldades para falar e calcular. Não é fácil para a família lidar com essa deficiência cognitiva. No entanto, a família encontra muito apoio através da escola. swissinfo.ch retrata a garota, sua vida cotidiana e sua família.

Crianças e professor em uma atividade escolar

Uma escola especial para crianças com deficiências e outras sem.

(Ester Unterfinger/swissinfo.ch)

São 7 horas da manhã. Manarehka esfrega os olhos. Ela ainda está cansada. "Quem terminou seu leite primeiro?", Ela é estimulada por seu pai. "Apresse-se, porque o ônibus da escola está prestes a passar. Mais um gole - e depois escovar os dentes." É a vida cotidiana em uma pequena casa em Vacallo, uma comuna (município) no cantão do Ticino, perto da Itália. A família Di Costantino-Laudi está na sala de estar para o café da manhã. Babita, a mãe, e Massimo, o pai, a filha adolescente Iris e a pequena Manarekha.

A menina tem oito anos de idade, seus olhos são brilhantes, suas pernas se movem constantemente debaixo da mesa, enquanto ela tenta atrair a atenção com as mãos. "Agora vou no micro-ônibus. Primeiro aperto o cinto, depois escuto música. Tão lindo!" Sua voz é estridente, as palavras se sobrepõem. "Às vezes você tem que ser criativo para entender o que ela quer dizer", diz a mãe.

Monny - é assim que eles a chamam na família - tem uma deficiência cognitiva. "Nós não sabemos exatamente o que é, tudo o que sabemos é que sua compreensão é mais lenta em comparação com os colegas, então ela precisa de educação de reforço direcionada na escola".

Manarekha encontrou esse apoio em uma classe especial de Stabio - cerca de 10 quilômetros de Vacallo. A escola lançou o projeto piloto "Classe acolhedora" este ano. Oito crianças com compreensão limitada estão integradas na escola normal aqui. Dependendo do seu respectivo potencial, eles participam das aulas regulares da primeira classe de ensino primário.

Os pais adotivos consideram a experiência até então como positiva. A mãe Babita diz: "É bom saber que ela tem cuidados especiais dos professores e, ao mesmo tempo, está em contato com outras crianças." Para Manarekha, a vida passada na Suíça tinha sido tudo, menos fácil.

Da Índia à Suíça

Manarekha nasceu no sudeste da Índia. No verão de 2015, ela veio para a Suíça, após quase cinco anos do processo de adoção. Babita ainda lembra as fortes emoções no primeiro encontro: o instituto degradado na Índia, os rostos esperançosos das crianças nas janelas, e a menina que pulava incansavelmente na varanda. "Ela nos foi descrita como uma garota normal e tranquila, mas percebemos imediatamente que algo estava errado." A alegria rapidamente se transformou em espanto, e o espanto em preocupação.

Babita e Massimo sempre pensaram em uma adoção. "Eu mesma sou da Índia, e fui adotada", diz Babita. Ela teve a sorte de crescer no Ticino e de se formar. "Eu pude ser feliz, por isso me pareceu certo tornar isso também possível para outra criança."

Com a viagem à Índia, Babita não só teve a intenção de adotar uma própria filha, como também de descobrir sua própria origem. Pois não muito longe do orfanato em que Manarekha vivia, era o orfanato onde ela mesma crescera. Ela visitou este orfanato e encontrou seu nome em um documento antigo, com um adendo: "Pais: desconhecidos. Destino: Suíça." Isso desencadeou fortes emoções. Um ciclo foi fechado, outro se abriu.

No entanto, os primeiros meses na Suíça com Manarekha colocaram a família à prova. A menina se revolta, chora, chuta e morde. "Ela agia quase como um animal preso em uma gaiola", lembra a mãe adotiva. Acima de tudo, ela rejeitou totalmente Iris, a irmã de 14 anos. "Ela não aceitava minha presença, ficava furiosa quando eu abraçava a mamãe", diz Iris. E é quase embaraçoso dizer o que ela sentiu: "Eu me senti excluída de minha própria família; foi difícil para mim, aceitar isso. Eu imaginei um começo bem diferente com a minha irmã adotada." Durante muito tempo ela só viu os lados negativos. Nos últimos tempos, no entanto, a comunicação com a irmã tem funcionado melhor.

Iris e Manarekha

Iris e Manarekha precisaram de tempo até estabelecer uma relação.

(Ester Unterfinger/swissinfo.ch)

Apoio através da escola especial

Os pais de Manarekha não perceberam imediatamente que sua filha adotiva tinha dificuldades cognitivas. Certos comportamentos foram explicados porque ela foi submetida à violência e privações na infância. Essas histórias anteriores foram vivenciadas apenas gradualmente, em conversas pessoais e confidenciais. Isso deu uma imagem mais clara de sua infância. Ela morava na rua com outras crianças, e não tinha o suficiente para comer. "Ainda há sinais de violência em seu corpo", diz Babita.

Um ano após sua chegada na Suíça, Manarekha está matriculada na primeira classe da escola primária em Vacallo, juntamente com crianças de seu local de residência. Seu italiano é frágil. Ela tem problemas para se concentrar. "Ela sempre disse que não entende. Mas ela se esforça muito. Ela é forte!", diz o pai, Massimo.

Por recomendação do professor da classe e do diretor da escola, Manarekha foi submetida a um teste cognitivo. Os resultados apontam claramente: Monny tem oito anos, mas as habilidades cognitivas estão no nível de uma criança de quatro ou cinco anos de idade. "Por isso houve a sugestão de integrar a nossa filha em uma escola especial. A administração da escola esperava obviamente que reagiríamos com estranheza, mas ficamos calmos e começamos a discutir a proposta. Ficamos quase aliviados ao compreender que alguém estava querendo ajudar nossa filha ".

Abordagem inclusiva

O cantão de Ticino é pioneiro na integração de alunos com dificuldades cognitivas. O sistema escolar é influenciado pela abordagem inclusiva da vizinha Itália. O projeto piloto lançado na escola Stabio este ano, que Manarehkha está agora visitando, vai além da abordagem atualmente em vigor. Existe uma troca entre alunos com e sem dificuldades cognitivas. Em sala de aula, o potencial de cada aluno está no centro das atenções.

O tratamento respeitoso de alunos deficientes ou com dificuldades de aprendizagem não é necessariamente um dos pontos fortes da nossa sociedade. Iris sabe disso muito bem. Porque ela ouviu os comentários de seus colegas de escola sobre crianças que frequentam a escola especial. "Eu não tenho nenhum problema em admitir que minha irmã está frequentando uma classe especial da escola, mas eu não digo isso. As pessoas realmente não sabem sobre o que se trata, eles acham que são crianças estranhas ...", diz Iris.

Manarekha, sua mãe e seu pai

Manarekha com a mãe, Babita, e o pai, Massimo. 

(Ester Unterfinger/swissinfo.ch)

Aqui ninguém é estranho, mas diferente. Assim está escrito em um quadro colorido, na sala de aula de Manarekha: "Somos todos iguais e todos diferentes." Um projeto piloto como o de Stabio é uma primeira abordagem, para que esse conhecimento se torne mais natural no futuro.

A família Di Costantino-Laudi ainda não pensa muito no futuro. No momento, o presente apresenta desafios suficientes. A prioridade é dar a Manarekha um certo grau de independência, para que ela se desenvolva bem sozinha na vida.

Uma equipe multidisciplinar

O projeto "Welcome Class" (Classe acolhedora) foi lançado em setembro de 2017 em Stabio, no cantão de Ticino. Quatro professores estão envolvidos: Paola Klett Sala é a professora da primeira classe da escola primária, com 12 alunos. Luca Canova (trabalhando em tempo integral), Patricia Castoldi-Ineichen (trabalhando meio período) e Erika Guglielmo Ripamonti (trabalhando meio período) estão juntos à frente da classe de escola especial, com oito alunos. A equipe também inclui dois estagiários.

Aqui termina o infobox


Adaptação: Flávia C. Nepomuceno dos Santos

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.









swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×