Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Seleção suíça já pensa na Copa no Brasil

A decepção do atacante Eren Derdiyok (sentado) na eliminação frente ao País de Gales.

(Keystone)

Eliminada da Eurocopa 2012 depois da derrota para o País de Gales, a seleção suíça de futebol e o técnico Ottmar Hitzfeld já pensam nas eliminatórias para a Copa de 2014, no Brasil.

A imprensa esportiva continua a ter confiança na jovem equipe que consideram promissora, mas menos no técnico alemão.

A decepção por ter sido eliminada da Europa 2012 está à altura das esperanças em uma equipe rejuvenescida durante as eliminatórias. O empate de 2 a 2 contra a Inglaterra em Wembley, em junho, era animador depois das derrotas iniciais em casa contra o Montenegro e a Inglaterra.

A vitória de 3 a 1 em setembro contra a Bulgária, com três gols de Xherdan Shaqiri, 20 anos, nova pérola do futebol suíço, trouxe novas esperanças de lutar pelo segundo lugar do grupo e disputar duas partidas de repescagem. A derrota para o País de Gales botou tudo a perder e quem vai para a repescagem é o Montenegro.

Mudanças demais

Memória viva do futebol suíço e colaborador da revista hop suisse, o jornalista Jacques Ducret estima que “a Suíça não teve sorte nessa aventura”. Começou de maneira desastrosa, depois houve a saída de dois titulares, Alexander Frei e Marco Streller, além de muitos jogadores machucados.  

“Quando vários jogadores deixam a seleção ou se machucam, não podemos contar com tantos jogadores como a Espanha, a Itália ou a França”, lembra Pierre-André Schürmann, ex-treinador da seleção Sub-21 e de vários times da primeira divisão.

O técnico alemão da seleção suíça, Ottmar Hitzfeld diz a mesma coisa : “Em um ano, perdemos seis ou sete jogadores. É evidente que Frei e Streller deixaram um vazio ao encerrarem a carreira na seleção”. No entanto, quando Shaqiri, Xhaka e Mehmedi brilharam em Wembley, todo mundo saudou a chegada dessa jovem e talentosa geração de jogadores. “Claro, os jovens estão chegando com coragem e ousadia. Mas a equipe talvez tenha pecado por falta de experiência no País de Gales”, analisa Pierre-André Schürmann.

“Eles tem futuro, isso é certo. Mas falta uma geração intermediária, sobretudo no ataque”, acrescenta Jacques Ducret. O jornalista esportivo critica também a ausência de um criador no meio-campo. “Há uns anos atrás, com Cabanas, Vogel e Wicky, havia uma certa complementariedade. Hitzfeld pratica um jogo muito fechado, principalmente no meio-campo. Ele nunca procurou outras soluções.”

Ottmar Hitzfeld visado

Jacques Ducret não é o único a criticar o prestigioso técnico alemão depois da derrota para o País de Gales na semana passada. “Ele tem uma aura muito grande na Suíça alemã, onde é quase intocável devido seu percurso na Bundesliga (campeonato alemão). Mas as críticas aparecem, principalmente no jornal Blick, um diário que tem influência. Ele começa a ser desmistificado.”

Jacques Ducret não fica atrás. Para ele, Ottmar Hitzfeld não é o homem certo: “Precisamos de um técnico ambicioso, que se implica a fundo, a exemplo de Pierluigi Tami, que levou a seleção Sub-21 à final da Eurocopa. Ottmar Hitzfeld está no fim da carreira se contenta com o que tem.”

Pierre-André Schürmann recusa-se a entrar na polêmica: “Um treinador questiona-se constantemente e não apenas depois de uma derrota. É preciso confiar no técnico e avançar”. Ele acha que é preciso analisar seriamente as razões do fracasso para recomeçar com uma boa base. “O selecionador sempre depende dos minutos de jogo dados pelos clubes estrangeiros aos jogadores da seleção”, lembra o treinador.

O objetivo é o Brasil

O próximo objetivo é muito claro: começar com o pé direito as eliminatórias para a Copa de 2014 no Brasil. “Temos onze meses para progredir”, afirma Ottmar Hitzfeld. “Jogar apenas amistosos não é um problema, a meu ver. Os jogadores não devem diferenciar um jogo amistoso de um jogo por pontos. Mais uma vez, vou exigir uma concentração máxima.”

A Suíça teve sorte no sorteio. Vai jogar contra a Noruega, a Eslovênia, a Albânia, Chipre e a Islândia. “Sempre é melhor cair num grupo mais fácil. Até lá temos de ter os automatismos porque o grupo mudou muito. O outro desafio será a preparação mental. Casa amistoso tem de ser abordado nas melhores condições possíveis”, explica Pierre-André Schürmann.

“A Suíça pode razoavelmente esperar se classificar para a Copa de 2014, com ou sem Hitzfeld”, opina Jacques Ducret. Os jogadores, de que se esperava uma classificação fácil para a Europa 2012, preferem acalmar o jogo. “Nosso grupo não será tão fácil como dizem. A seleção suíça tem um grande potencial, mas está em fase de reconstrução. Ele precisa agora trabalhar com os mesmos jogadores e jogar no mesma sistema. É a chave do sucesso no futebol”, disse o zagueiro Johann Djourou à agência de imprensa Sportinformation.

Europa 2012, groupe G

Resultados da Suíça:

 

Suíça - Inglaterra 1-3 (0-1)

Montenegro - Suíça 1-0 (0-0)

Suíça - País de Gales 4-1 (2-1)

Bulgária- Suíça 0-0

Ingleterra - Suíça 2-2 (1-2)

Suíça - Bulgária 3-1 (1-1)

País de Gales- Suíça 2-0 (0-0)

Suíça - Monténégro 2-0 (0-0) 

Classificação:

1. ANGLETERRE 8/18

2. Monténégro 8/12

3. Suisse 8/10

4. Pays de Galles 7/6

5. Bulgarie 7/5

Aqui termina o infobox


Adaptação: Claudinê Gonçalves, swissinfo.ch

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.