Navigation

Justiça decide que seguradoras devem cobrir parto

Partos devem ser tratados como emergência médica, segundo a Justiça. Keystone

Os custos do parto ou de um tratamento contra a AIDS devem ser reembolsados ​​aos segurados, mesmo que estejam em atraso com o pagamento dos seus prémios de seguro-saúde na Suíça.

Este conteúdo foi publicado em 06. maio 2018 - 12:47
swissinfo.ch com SDA-ATS

Um tribunal em St. Gallen na semana passada decidiu ampliar a noção de urgência para incluir esses casos.

Atualmente, nove dos 26 cantões do país mantêm listas negras controversas de pacientes que só têm direito a tratamentos de emergência.

O veredicto, relatado pelo jornal SonntagsZeitung, refere-se ao caso de uma paciente que deu à luz em um hospital público, mas sua companhia de seguros se recusou a reembolsar a fatura porque a mulher estava na lista negra.

O próprio hospital processou a companhia de seguros.

Não está claro se a companhia de seguros irá apelar contra a decisão.

Estima-se que 30.000 pessoas não pagam seus prêmios de seguro obrigatório, um aumento de quatro vezes em relação a 2014.

No ano passado, um paciente de AIDS na Suíça morreu pois sua companhia de seguros se recusou a reembolsar os custos de uma terapia, e o paciente não podia pagar o tratamento.

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.