Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Centenário de Ferdinand Hodler Exposição celebra o maior ícone da pintura suíça

Em 19 de maio de 1918, o pintor suíço Ferdinand Hodler falecia em seu apartamento à beira do lago de Genebra. Uma nova e importante exposição celebra o trabalho e os ideais estéticos do "Paralelismo", período final da carreira de um dos maiores artistas da Suíça.

Para marcar o centenário da morte do artista, o Museu de Arte e História de Genebra uniu forças com o Kunstmuseum de Berna para mostrar 100 de seus trabalhos de 1890 em diante. A exposição Hodler / Parallelism, que acontece de 20 de abril a 19 de agosto em Genebra, será depois transferida para Berna, de 14 de setembro a 13 de janeiro de 2019.

"Nosso desafio com esta exposição foi encontrar um novo ângulo", disse Jean-Yves Marin, diretor do museu de Genebra, a repórteres na quinta-feira. Desde o início da década de 2000, Hodler tem sido o foco de grandes exposições, na Suíça (2003, 2006, 2008 e 2011) e em Paris (2007).

“Quando você pergunta às pessoas em Genebra sobre Hodler, alguns dizem que ele era um paisagista, outros o descrevem como pintor de retratos, enquanto outros dizem que ele é um pintor de cenas históricas. Mas ele era tudo isso e muito mais”, disse Marin.

A infância pobre

Hodler nasceu em um distrito pobre da capital suíça, Berna, em 1853. Aos 14 anos, tendo perdido ambos os pais, ele começou a trabalhar em um estúdio de artistas em Thun, que produzia fotos para turistas. Quando tinha 18 anos, mudou-se para Genebra e frequentou a Academia de Artes, onde recebeu um treinamento clássico e passou grande parte de sua vida.

Até o final de sua vida, ele produziu mais de 2.200 pinturas, milhares de esboços e foi considerado um dos principais artistas da Suíça.

Seus primeiros trabalhos foram principalmente retratos e paisagens realistas, inspirados no Oberland Bernense e nos lagos Thun e de Genebra. Ele desenvolveu uma abordagem única para pintura de paisagem através de seu conhecimento da natureza, mineralogia e geologia, que estudou na universidade, e fazendo milhares de esboços, que ele desenvolveu em seu estúdio usando sua memória e imaginação.

No final do século XIX, seu trabalho evoluiu para combinar influências contemporâneas, como o simbolismo e o art nouveau, explorando temas da natureza, amor, morte, fé e esperança.

Simetria, ordem e unidade

Hodler chamou seu novo estilo simples de “paralelismo”, com composições que procuravam refletir a simetria, a ordem, os ritmos, e a unidade que ele sentia serem inerentes à natureza.

A partir de 1900, seu trabalho pendeu ainda mais para o expressionismo, com cores fortes e figuras geométricas. No final de sua vida, ele retornou aos seus assuntos favoritos: paisagens montanhosas e lacustres, e mulheres.

Hodler estava em contato próximo com as revoluções artísticas de seu tempo. Ele também ganhou inúmeros prêmios por suas pinturas, incluindo uma medalha de ouro na Feira Mundial de 1900 em Paris. Por muitos anos, suas pinturas históricas e sua reputação como pintor patriótico obscureceram o papel principal que ele desempenhou na transição da arte européia do século XIX para o modernismo.

"A dificuldade com esta exposição é que todos sabem tudo sobre Hodler, então tivemos que renovar nossa visão do artista", disse a curadora da exposição, Laurence Madeline.

“Esta é a primeira vez que eu criei uma exposição que não conta uma história ou simplesmente vai de A a Z. Este é outro tipo de exposição que aborda as pinturas de Hodler e o espírito de seu trabalho e vai na direção de o que ele estava tentando fazer - ir diretamente para os aspectos mais essenciais e abrir nossos olhos para a natureza como ele a via.”

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.