Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Forum Global de Refugiados Iniciativa busca respostas para questões dos refugiados

Crianças refugiadas rohingya em uma escola financiada pela ONU em Klang, perto de Kuala Lumpur, Malásia

Crianças rohingya refugiadas assistem aula em uma escola financiada pela ONU em Klang, perto de Kuala Lumpur, Malásia (19 de fevereiro, 2019).

(Keystone / Ahmad Yusni)

O primeiro "Global Refugee Forum" abriu ontem em Genebra com o intuito de identificar soluções práticas para melhorar a vida dos refugiados e das comunidades de acolhimento. Mas a iniciativa ainda padece de algumas fraquezas em sua estrutura, apontam críticos.  

Cerca de 2.000 pessoas são esperadas para a conferência internacional na cidade suíça, que acontece de 16 a 18 de dezembro. O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, que abriga 3,5 milhões de refugiados, estará entre os VIPs ao lado de outras autoridades governamentais, funcionários de organizações internacionais, ONGs, empresas e fundações, e 60 refugiados.  

O evento de três dias Link externoacontece no final de uma década em que o número de deslocados à força atingiu níveis recorde - quase 71 milhões em todo o mundo -, dos quais 26 milhões são oficialmente refugiados, vítimas de violência e perseguição em países como Síria, Iraque e Mianmar.  

Organizado conjuntamente pelo UNHCR (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, na sigla em inglês) e pelo governo suíço, o fórum acontece um ano depois que os países adotaram o Pacto Global das Nações Unidas sobre RefugiadosLink externo, um marco não vinculativo que surgiu da Declaração de Nova York para Refugiados e MigrantesLink externo em 2016, juntamente com o mais controverso Pacto Global das Nações Unidas para MigraçãoLink externo.  

"A reunião de Genebra é uma oportunidade histórica para fazer um balanço e, mais importante ainda, para agir", disse Kelly ClementsLink externo, Alta Comissária Adjunta das Nações Unidas para os Refugiados. "Precisamos de melhores respostas para a forma como reagimos às deslocações forçadas".  

O UNHCR pretende que os participantes partilhem as melhores práticas em matéria de políticas de asilo e de refugiados e que anunciem compromissos sólidos - especialmente orçamentos e números de reinstalação. Os principais temas incluem as oportunidades de emprego e educação para os refugiados, o seu impacto ambiental, a energia e as infraestruturas, a proteção, a cooperação e a partilha de responsabilidades. 

Compartilhar os encargos 

Atualmente, 85% dos refugiados vivem em países de renda baixa ou média que os recebem em meio a várias adversidades; dez países, incluindo Uganda e Bangladesh, acomodam mais de 60% de todos os refugiados.  

"Os resultados que gostaríamos de ver [em Genebra] continuam fundamentados numa melhor partilha de responsabilidades e numa resposta compassiva e baseada nos direitos humanos às necessidades dos refugiados", disse Jennifer Foster, uma especialista em direitos dos refugiados e migrantes da Anistia Internacional.   

"Idealmente, teríamos compromissos firmes globalmente para fornecer apoio financeiro aos países anfitriões e para ampliar o acesso ao reassentamento de países terceiros e outros caminhos seguros e legais para o movimento de refugiados.   

Ela destacou o subfinanciado Plano de Resposta Conjunta para refugiados RohingyaLink externo, onde as crianças nos campos estão efetivamente sendo negadas uma educação devido às restrições impostas pelo governo de Bangladesh. O apoio financeiro também é extremamente necessário para ajudar o governo turco a apoiar os refugiados sírios, entre outros, e para ajudar os países que acolhem pessoas que fogem da Venezuela, acrescentou ela.  

O apoio suíço ao UNHCR 

A Suíça apoia regularmente o UNHCR . Em junho, o governo suíço anunciou uma promessa de doação de CHF125 milhões (US$126 milhões) para a agência da ONU para o período 2019-2022. Os especialistas humanitários suíços são muitas vezes destacados pelo UNHCR para missões de campo urgentes e o governo faz contribuições financeiras adicionais ad hoc, dependendo de crises humanitárias repentinas ou agravadas.   

Desde 2011, a nação alpina destinou mais de CHF 42 milhões para apoiar as atividades do UNHCR para as vítimas da crise síria, incluindo ajuda para 5,6 milhões de refugiados em países vizinhos e para 6,2 milhões de pessoas forçadas a deixar suas casas, mas ainda na Síria. 

Aqui termina o infobox

As boas práticas suíças 

A Suíça estará representada em Genebra pelo ministro das Relações Exteriores, Ignazio Cassis, que abrirá o programa de terça-feira.   

O governo suíço pretende compartilhar boas práticas em suas políticas de asilo e refugiados.   

"Muitas pessoas estão interessadas em nossa nova política de asilo, na forma como reunimos todos os principais atores para facilitar os procedimentos e acelerá-los, e também fornecer assistência jurídica para todos os requerentes de asilo", explicou Pietro Mona, embaixador da Suíça para o desenvolvimento, deslocamento forçado e migração.  

Os diplomatas suíços também se concentrarão em suas atividades de prevenção, proteção e educação para refugiados. Espera-se que eles definam novos compromissos de financiamento e reassentamento.   

Patrik Berlinger, chefe de política de desenvolvimento da Caritas Suíça, disse que os novos procedimentos de asilo e medidas de integração "curtos e justos" da Suíça funcionaram bem em geral. Mas ele insistiu que mais deve ser feito pelas mulheres e menores que buscam asilo.   

A Suíça deve apoiar uma "política de cooperação internacional forte e ambiciosa" apoiada por meios financeiros adequados e aumentar ainda mais o número de lugares de reassentamento oferecidos, disse o oficial da Caritas. O país deve também aderir ao Pacto Global para as Migrações, que "abrange os migrantes que não têm estatuto de refugiado, mas que ainda precisam de proteção, segurança e perspectivas", acrescentou ele.  

Em geral, o Pacto Global sobre Refugiados, que se baseia no direito internacional vigente, provou ser muito menos controverso do que o pacto de migração, que foi aprovado no Marrocos em 10 de dezembro de 2018 por 164 países - mas não pela SuíçaLink externo.   

A migração é encarada como um assunto muito mais complexo, disse Mona: "Falamos de 250 milhões de migrantes em todo o mundo, mas não há nenhum documento legalmente vinculativo que defina o que é um migrante... não é a mesma lógica ou abordagem".  

O pacto de refugiados foi aprovado pelo Conselho Federal suíço no ano passado, mas o pacto de migração continua sujeito a uma análise e debate detalhados no parlamento antes de qualquer futura aprovação.  

Pacto "magro" e não vinculante 

Por seu lado, o UNHCR insiste que o fórum e o seu pacto é um marco histórico - um "novo acordo para os refugiados".  

"O pacto de refugiados foi o incentivo ou impulso que a comunidade internacional precisou para iniciar um plano de como estabelecer parâmetros de referência que são necessários em 2019 para comparar com onde estaremos mais tarde, em 2023", disse Clements.  

Apesar das crises regulares, ela acredita que a situação dos refugiados mudou desde 2016. Os chamados Quadros Globais de Resposta a RefugiadosLink externo foram implementados em 15 contextos diferentes. O reforço das capacidades está a ser intensificado e muitos países estão adotando medidas do pacto de refugiados. 

O funcionário da ONU apontou desenvolvimentos positivos em países como Etiópia, Djibuti e na América Central, onde sete governos estão buscando uma abordagem regional harmonizada, por exemplo.  

O pacto para os refugiados vai, sem dúvida, mais longe do que as iniciativas globais anteriores, embora tenham sido identificadas sérias limitações. Alguns críticos lamentam que seja um instrumento não vinculante. Outros especialistas o descreveram como "magro", falhando em fornecer proteção sólida e confiável aos refugiados, e faltando um mecanismo para compensar adequadamente as comunidades anfitriãs.   

Berlinger sentiu que o pacto gozava de amplo apoio e encorajou a ação conjunta. Mas ele também admite que o acordo não responde a questões como o financiamento sustentável ou a resolução dos conflitos violentos subjacentes.  

Foster concorda: "Sem um requisito obrigatório para fornecer financiamento, reassentamento e apoio à proteção, os governos continuam a fugir da responsabilidade ao invés de compartilhá-la." 

Apoio da Suíça ao plano de reinstalação do UNHCR

Desde 2013, com o agravamento da crise humanitária na Síria, a Suíça participou várias vezes no programa de reinstalação do UNHCRLink externo para os refugiados mais vulneráveis, principalmente vítimas do conflito sírio.  

  • Entre novembro de 2013 e dezembro de 2015, foram admitidos na Suíça 502 refugiados provenientes do Líbano, Jordânia e Iraque.  

  • Outros 1.000 refugiados vítimas da guerra síria foram admitidos na Suíça no âmbito de uma operação que durou três anos. 

  • Entre dezembro de 2016 e primavera de 2019, 1.993 pessoas, principalmente famílias sírias do Líbano e da Jordânia, foram admitidas na Suíça. 

  • No verão de 2018, 80 pessoas especialmente vulneráveis que foram evacuadas da Líbia para o Níger foram admitidas na Suíça.

  • Em 2018, a Suíça comprometeu-se a acolher mais 800 vítimas do conflito sírio: 617 já chegaram e 183 devem chegar até o início de 2020. 

Aqui termina o infobox


swissinfo.ch/ets

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.