Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Arte no cinema Wim Wenders dá vida às figuras solitárias de Edward Hopper

mulher à janela

Edward Hopper, Cape Cod Morning (Manhã no Cape Cod), 1950

(Smithsonian American Art Museum)

Por ocasião de uma grande mostra das paisagens de Edward Hopper, o diretor Wim Wenders encontrou inspiração nos enigmáticos retratos do artista - e os trouxe à vida em um filme em 3D.

As imagens de Hopper, retratando pessoas comuns congeladas em histórias inacabadas, ganham vida na homenagem de Wenders a um dos pintores americanos mais importantes do século passado. O filme de 14 minutos - em exibição na Fundação Beyeler em Riehen-Basel - testemunha o amor de Hopper pelos filmes, bem como sua influência no trabalho de Wenders.

A Fresh Look at LandscapesLink externo (Um novo olhar sobre as paisagens), título da exposição na Beyeler, se concentra em um aspecto menos conhecido do trabalho de Hopper - certamente menos hipnótico que seus retratos de almas perdidas. Mas essas paisagens são a chave para entender o artista secreto e remoto.

Farol num morro

Edward Hopper, Lighthouse Hill (Morro do farol), 1927

(Dallas Museum Of Art)

A impressionante coleção de pinturas dos campos dourados da América, a beleza de suas margens e estradas, a luz cortante do início ou do fim do dia revelam a proximidade de Hopper à natureza.

"Meu objetivo na pintura sempre foi a transcrição mais exata possível das minhas impressões mais íntimas da natureza", escreveu Hopper em Notes on Painting, em 1933.

Edward Hopper (1882-1967) abandonou uma carreira de sucesso como ilustrador gráfico para se tornar um pintor que produziu relativamente poucas obras. Enquanto seu contemporâneo Picasso (1881-1973) produziu quase 2.000 pinturas, Hopper fez menos de 400.

Hopper também amava as casas e faróis da Nova Inglaterra, na costa nordeste dos EUA onde morava, muitas das quais entraram em suas paisagens, algumas delas curiosamente desproporcionais, como se estivessem descendo uma colina. E em nenhuma das telas Hopper terminou janelas ou portas, observou o curador do programa, Ulf Küster. Em seu lado mais sombrio, ele também compara as grossas faixas de floresta ou vegetação opaca que bloqueiam o fundo de muitas das pinturas de Hopper, como em "Gas" ou em "Manhã em Cape Cod", à personalidade hermética de Hopper.

Posto de gasolina

Edward Hopper, Gas, 1940

(© Moma, New York/scala, Florence, 2019 )

A esposa de Hopper, Jo, que ele conheceu e se casou quando ambos tinham passado dos 40 anos, disse certa vez, comentando a introversão de seu marido, que "às vezes conversar com ele era como jogar uma pedra em um poço, exceto que você não a ouvia bater na água".

O diretor da Fundação Beyeler, Samuel Keller, que conhece bem os EUA, vê em Hopper a melancolia do sonho americano, que, segundo ele, é muito importante para a identidade dos americanos. Keller fundou a Art Basel Miami quando ainda era chefe da Art Basel antes de se mudar para a Fundação Beyeler há 12 anos.

"Mas também acho que Hopper influenciou enormemente a maneira como os europeus veem a América, especialmente através dos olhos dos muitos grandes cineastas que ele inspirou", disse Keller à swissinfo.ch na abertura da exposição na semana passada.

Encruzilhada

Edward Hopper, Portrait of Orleans (Retrato de Orleans), 1950

(Fine Arts Museums of San Francisco)

Wim Wenders 

Um desses cineastas é o alemão Wim Wenders, a quem a Fundação Beyeler convidou para contribuir para a exposição Hopper. Wenders, autor dos filmes cult "Paris, Texas" e "Asas do Desejo", optou por usar imagens que não estão no programa (exceto Gas, veja acima) como storyboards de um curta pessoal que ele intitulou "Duas ou Três Coisas que Sei sobre Edward Hopper".

"Eu nem sabia quem era Hopper quando me deparei com seu trabalho no museu Whitney, em Nova York, no início dos anos 1970", admite Wenders. "Foi uma das descobertas mais surpreendentes de um artista visual que eu já fiz."

Wenders estava em Basileia para estrear o filme que circula no centro da exposição Hopper e que adiciona narrativas misteriosas, silenciosas e inquietantes às tramas suspensas de algumas das principais pinturas de Hopper. O filme é silencioso, exceto pela música poderosa do compositor francês Laurent Petitgand.

"O maior mistério é como Hopper consegue nos fazer pensar no que está acontecendo e no que vai acontecer a seguir", explicou Wenders. "Seus personagens estão sempre em um estado de expectativa."

Wenders faz exatamente a mesma coisa em seu filme com base em várias pinturas conhecidas de Hopper, exceto que ele adiciona um elemento de ameaça e pressentimento. A loira de biquíni rosa em Morning Sun (1952) é brutalmente arrancada do cigarro por seu namorado - ou ele é o dono de um bordel? O homem sentado na beira da cama em Excursion into Philosophy (1959), pode ter provado os prazeres da carne e está ansioso pelo café da manhã. Ou ele estrangulou a mulher ao seu lado?

Vid clip

lonely-seeming people

"É notável que Hopper nunca explicou seu trabalho; ele nos deixou para concluir as cenas com nossa própria imaginação", entusiasmou-se Wenders, acrescentando que as pinturas de Hopper são como um filme que está prestes a começar: "Até a câmera está na posição correta! "

Muitas das vinhetas de Wenders começam por reproduzir uma famosa cena de Hopper, mas de repente as figuras saem de cena como se recuperassem suas vidas.

Para capturar o tempo da América de Hopper, Wenders retornou a Butte, Montana, uma cidade fantasma desde o fechamento das minas, e onde ele já havia rodado o filme "Don't Come Knocking" com Sam Shepard em 2005. As amplas avenidas desertas e janelas sem vidro eram puro Hopper - e muito mais fácil de filmar sem as vidraças, disse o diretor, apontando para outras imagens bem ao estilo de Hopper: as figuras de uma jovem mulher em um vestido de verão e o rosto sinistro de cicatriz que a observa silenciosamente.

Tallulah Jones interpreta a jovem mulher em Summer Evening (1947) no filme de Wenders. "Há uma certa responsabilidade em dar vida à imagem", disse ela à swissinfo.ch na abertura, depois de ver o filme pela primeira vez. As longas discussões com Wenders sobre o que acabara de acontecer, ou estava prestes a acontecer em uma imagem de Hopper, eram a melhor parte da jornada, lembrou. Ela ressaltou que a música, como em todos os filmes de Wenders, é o que mantém as cenas juntas.

Second Story Sunlight 1960

Second Story Sunlight (Luz do sol no segundo andar), 1960

(© Whitney Museum Of American Art/scala, Florence, 2019)

"Duas ou três coisas que eu sei sobre Edward Hopper" (Two or Three Things I Know about Edward Hopper) foi realizado em 3D para ser exibido em um ambiente de museu, porque Wenders quer que os espectadores vivenciem o filme de maneira imersiva como se fosse uma pintura.

“É sempre uma experiência única quando você está na frente do original e não da sua reprodução: os tecidos conjuntivos do nosso cérebro são acionados de maneira diferente. É um sonho para mim mostrar esta instalação de filme no centro desta maravilhosa exibição ”, disse ele.

Edward Hopper, A Fresh Look at Landscapes, fica em cartaz até 17 de maio de 2020.

Noite de cinema: conversa com os diretores Wim Wenders e Wes Anderson em Zurique

Em 22 e 23 de março de 2020, a Fundação Beyeler exibirá o curta-metragem 3D de Wim Wenders, Duas ou três coisas que eu sei sobre Edward Hopper (2020), além de um curta-metragem de Wes Anderson que ainda é surpresa. No dia 23, os dois diretores engatam uma conversa após a exibição de seus filmes, moderada por Christian Jungen, diretor artístico do Festival de Cinema de Zurique.

Aqui termina o infobox


swissinfo.ch/ets, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.