Painéis solares flutuantes são apresentados nos Alpes

O Lac des Toules fica a 1.810 metros acima do nível do mar no cantão do Valais. Keystone / Valentin Flauraud

Um projeto de painéis solares que poderia abastecer mais de 6.000 residências foi lançado em um lago de montanha no sudoeste da Suíça. 

Este conteúdo foi publicado em 09. outubro 2019 - 16:18
Keystone-SDA/dos

A empresa Romande Energie apresentou a primeira parte do seu projeto solar flutuante em Bourg-Saint-Pierre na quarta-feira, após seis anos de trabalho exploratório. 

A instalação consiste em 2.240 metros quadrados de painéis solares assentados sobre uma estrutura de alumínio e polietileno de 36 partes ancoradas no leito do lago da montanha. A estrutura pode subir e descer em função do nível da água e pode suportar até 50 cm de neve. 

Como o lago - uma represa artificial - fica a 1.810 metros acima do nível do mar, são de esperar condições meteorológicas extremas, incluindo o congelamento do próprio lago. 

No entanto, os raios ultravioleta mais fortes e os reflexos da neve circundante significam que os painéis podem produzir até 50% mais energia do que uma instalação semelhante em terras baixas. 

Na sua fase atual de testes, espera-se que os painéis produzam energia anual suficiente para alimentar 220 lares médios. Se o projeto for considerado viável após um período experimental de dois anos, o parque será ampliado para produzir energia para cerca de 6.100 residências. 

O trabalho no projeto custou até agora CHF 2,35 milhões ($2,36 milhões) e é apoiado pelo Departamento Federal de Energia da Suíça. 

Os painéis solares produzirão energia durante uma fase de teste de dois anos. Keystone / Valentin Flauraud
O projeto vem sendo desenvolvido desde 2013, a um custo de mais de 2 milhões de francos suíços. Keystone / Valentin Flauraud

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo