Navigation

O véu através da história, ou como a história cobriu a mulher

Concurso para os olhos mais bonitos, realizado em Paris, França, cerca de 1930. (Keystone/Imagno Archive)

No último domingo, 7 de março, quando a Suíça votou pela proibição da burca, boa parte dos comentaristas políticos apressaram-se em dizer que se tratava de uma questão com um valor simbólico muito maior que seu efeito político real. Mas os símbolos relativos às mulheres são importantes na arena política, e o encobrimento de rostos e corpos femininos tem sido uma questão controversa há muito tempo - muito antes do nascimento do Islã.

Este conteúdo foi publicado em 14. março 2021 - 15:00

Nos últimos anos, foram principalmente os países cristãos, especialmente na Europa, que tiveram problemas com as mulheres usando o véu, visto hoje como uma forma de islamismo radicalizado. Historicamente, porém, foram as mulheres cristãs e judias as principais usuárias deste vestuário antes do nascimento do Islã.

Estudo nº 23145, cerca de 1935. O véu transparente sobre uma mulher nua é apresentado como um estudo de forma, luz e sombra. Imagno/schostal Archiv

Na tradição cristã, o véu era um símbolo de dignidade, castidade e virgindade. De modo mais geral, a questão do código de vestimenta feminina - e sua relação com a devoção e a observância dos códigos morais - faz parte do cristianismo e tem sido imposta ao longo dos séculos pelos chefes das Igrejas.  

No Oriente Médio, vários países tentaram regular a vestimenta. Na Turquia, o véu foi banido nas instituições públicas a partir da década de 1930. Por muitos anos, nas áreas urbanas de toda a região, o véu era uma visão rara. Durante os anos 70, porém, a migração em massa das áreas rurais para as cidades trouxe consigo mulheres que usavam o véu, embora mais por razões de tradição do que de religião.

À esquerda: jovem egípcia com um véu ou niqab, no Cairo, por volta de 1930. Embora a necessidade de as mulheres se vestirem de forma modesta seja mencionada no Corão, a área que as mulheres devem cobrir depende da fonte. À direita: 'Noivas de Cristo' - freiras no dia de seu casamento com Deus usam a 'Mantilha' ou véu da capela, Inglaterra, 1965. Scherl/sueddeutsche Zeitung Photo / Eve Arnold / Magnum Photos

Em 2018, o Weltmuseum de Viena (Museu do Mundo) abordou diferentes aspectos do véu com a exposição Veiled, Unveiled! (Velado, Desvelado). A mostra ilustrou muitas facetas deste simples pedaço de pano que continua a dividir opiniões e escolas de pensamento. Seu catálogo cuidadosamente elaborado reuniu exemplos curiosos do véu ao longo dos séculos.

‘Velado, Desvelado! Weltmuseum de Viena

Antes da exposição em Viena, Susanna Burghartz, professora de Renascimento e História Moderna na Universidade de Basileia, já havia abordado o tema através de uma perspectiva histórico-cultural, resultando no ensaio "Covered Women? Veiling in Early Modern Europe" (Mulheres cobertas? O uso do véu no início da Europa Moderna, 2016).

À luz da recente votação na Suíça, a SWI swissinfo.ch pediu a Burghartz que lançasse luz sobre o véu e seu significado. Afinal de contas, o simbolismo inerente aos debates não foi resolvido com o resultado das urnas.  

Mulher espanhola do século XIV, e uma mulher da Biscaia (País Basco) no fim da Idade Média. Florilegius / Alamy Stock Photo


Para começar, Burghartz mostra que a "libertação" das mulheres na questão do vestuário no Ocidente não foi simples, e que o desenvolvimento histórico da "desvelação" das mulheres não foi um processo linear. Esvaziada de seus aspectos religiosos, mesmo no mundo secular, ela diz, "sua sujeição aos caprichos da moda não era de forma alguma um sinal de que o véu havia perdido completamente seu significado".

SWI swissinfo.ch: Como você vê a transformação do véu, das questões morais, religiosas e sexuais até a disputa política que vemos hoje?

 Susanna Burghartz: Vestidos em geral, e especialmente lenços de cabeça e véus para mulheres, foram e ainda são, muitas vezes, carregados com significados culturais de longo alcance que têm sido e continuam a ser usados politicamente. Por exemplo, clérigos em várias culturas declararam os lenços de cabeça e os véus como objetos de moralidade. O lenço de cabeça e o véu têm sido repetidamente estilizados como questões de poder através das quais certos grupos podem medir sua influência (por exemplo, o clero em Basileia por volta de 1700, ou no Irã de hoje). 

Madona Najarian, tenista profissional iraniana, durante a Copa das Federações da Ásia/Oceania, em partida de duplas em Perth, Austrália, 6 de fevereiro de 2009. Keystone / Tony Mcdonough

SWI swissinfo.ch : Isto significa que as pessoas que usam tais cobertas estavam e estão preocupados apenas com as implicações políticas de seu vestuário?

S.B.: De modo algum. As coberturas também podem oferecer proteção, enquanto a revelação pode expor demais. Nos últimos anos, o véu e o lenço de cabeça têm sido cada vez mais usados como um símbolo visível de uma luta feroz entre "o Ocidente secularizado" e "o Islã". Se olharmos para as muitas modas diferentes do véu ao longo da história, no entanto, surge a questão se tal conversa sobre um "choque de civilizações" não restringe realmente as opções de ação das mulheres em vez de expandi-las. Assim, os códigos de vestuário - sejam eles obrigatórios ou proibidos - são problemáticos para uma cultura que depende da liberdade de escolha dos indivíduos.

À esquerda: Uma mulher totalmente velada no Marrocos, África, no início do século 20. À direita: garota japonesa usa um véu de forma prática, como parte de suas roupas quentes de inverno, também no início do século 20. United Archives/carl Simon

SWI swissinfo: Até que ponto as mulheres europeias lutaram contra os códigos de vestimenta de "cobertura corporal"? Existem exemplos de como elas progrediram antes do século 20? 

S.B.: A história da moda e da regulamentação é muito diversa para ser contada em algumas frases. Entretanto, existem certamente exemplos históricos de mulheres não apenas sujeitas a regulamentações de vestuário, mas também desenvolvendo elas mesmas formas e materiais de suas próprias roupas, mudando-as e adaptando-as às suas necessidades.

Cobertura de cabeça de uma mulher a caminho da igreja que não está de luto", (à esquerda). E à direita, mulher de luto. Ambas usam os chamados 'sturz' e 'tüchli'. Ilustração de Johann Jakob Ringle, 'Amictus', século 17. Historische Museum Basel

O exemplo das mulheres patrícias de Nuremberg se tornou famoso. No início do século 16, com a ajuda do Arquiduque Ferdinando, elas conseguiram se livrar de sua tradicional touca - o elaborado e rígido "sturtz" - contra a vontade dos conselheiros da cidade. Na Espanha, por outro lado, as mulheres foram proibidas de usar o véu no final do século 16 porque, aos olhos dos críticos masculinos, usavam o véu corporal conhecido como "tapado" de forma obscena para seduzir os homens.

Mulheres mouriscas vestidas para sair de casa (1530), usando o chamado "tapado". A mulher mourisca à esquerda segura a amalafa (véu branco) para revelar ambos os olhos, e a mulher cristã castelhana à direita, usa o manto para cobrir um olho. Heritagepics / Alamy Stock Photo

SWI swissinfo.ch : Embora o véu tenha sido empunhado como símbolo de devoção e retidão moral, ele não criou também novas formas de códigos sensuais ou sexuais?

S.B.: Já mencionei o "tapado" como uma forma de brincar com o véu. Se olharmos para a longa história das coberturas de cabeça, há muitos exemplos de formas de véus da moda - seja o "huyk" das mulheres cidadãs nos primórdios da Holanda moderna, o uso ambíguo do véu por cortesãs venezianas que queriam atrair seus clientes e se apresentar como mulheres respeitáveis ao mesmo tempo, ou a nova moda no final do século 18, quando as mulheres usavam véus delicados para aumentar sua atratividade.

A ícone do estilo Jacqueline Kennedy assiste ao funeral de seu marido John F. Kennedy, assassinado em 22 de novembro de 1963, ao lado de seus cunhados Robert (esq.) e Edward Kennedy (dir.). Keystone

No Ocidente, também, o véu permaneceu na moda até quase os dias atuais. Os tecidos eram produzidos nas principais regiões têxteis como o norte da Itália, ao redor de Zurique, ou na Silésia, para toda a Europa, como relatado por Krünitz, uma importante enciclopédia do início do século 19. Mulheres famosas como a Princesa de Mônaco, ou viúvas como Jackie Kennedy, usaram tais véus até o século 20. Foi somente nos últimos anos que a compulsão de desvelar se instalou no Ocidente e suplantou quase completamente o uso de cobertas.

Susanna Burghartz

Prof. Dr. Susanna Burghartz europa.unibas.ch

Prof. Dr. Susanna Burghartz, autora de "Covered Women? Veiling in Early Modern Europe" (2016), é professora de História Moderna no Instituto de Estudos Europeus Globais da Universidade da Basileia.

End of insertion

Artigos citados

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.