Seis coisas a saber sobre a relojoaria suíça

O relógio mecânico (aqui um modelo datando de 1956) caiu no esquecimento antes de voltar a ter uma forte demanda a partir de 2000. Keystone

Relojoaria: o que está por trás dos mitos dessa indústria que tanto simboliza a marca "made in Switzerland"? 

Este conteúdo foi publicado em 22. março 2017 - 11:00

1) Ela detém quase um monopólio mundial no segmento de relógios de alto valor agregado

End of insertion

A Suíça produz anualmente cerca de 30 milhões de relógios, o que corresponde a apenas 2,5% do total de produtos fabricados no mundo. Por outro lado, ela ocupa mais de 50% do mercado relojoeiro de produtos sofisticados. Estima-se que 95% dos relógios que custam mais de mil francos suíços foram produzidos na Suíça.

Conteúdo externo

Os relógios de luxo "swiss made" falsificados são muito apreciados pelos consumidores. Segundo a Federação da Indústria Relojoeira Suíça (FH), mais de 35 milhões de relógios falsificados são produzidos anualmente no mundo, um número que ultrapassa a própria produção oficial. As receitas geradas por essas falsificações seria de aproximadamente um bilhão de francos, o que corresponde a 5% das vendas do setor.

2) A marca mais conhecida é a que tem as melhores vendas

End of insertion

"Se aos cinquenta anos de idade você não tem um Rolex, é por que não deu certo na vida": o famoso bordão do publicitário francês Jacques Séguéla ilustra bem a dimensão simbólica conquistada pela famosa marca de relógio de luxo. Os Rolex são vistos nos pulsos de personalidades famosas como Roger Federer, Brad Pitt ou mesmo Nicolas Sarkozy.

Ela é também a marca suíça com as melhores vendas no mundo. Em 2015, seu faturamento ultrapassou a marca de cinco bilhões de francos suíços, muito à frente de Omega e Cartier (cada uma delas com dois bilhões de francos). Essa é, pelo menos, a estimativa de René Weber, analista do banco Vontobel. Pois se Rolex possui uma reputação incomparável nos mercados internacionais, ela também é uma empresa que mostra total discrição ao tratar dos seus negócios. Controlado pela fundação da família Wilsdorf, fundador da marca, Rolex não está cotada na bolse e seus títulos não são negociáveis. A marca instalada em Genebra tem o controle total sobre a sua comunicação, fora das regras de transparência do mercado.

Ao lado da Rolex, três grandes grupos dominam o mercado relojoeiro suíço:

- Grupo Swatch: número um mundial do setor relojoeiro, cotado na bolsa suíça, mas 40% do capital pertence à família Hayek e seus próximos.

- Richemont: fundada pelo sul-africano Johann Rupert, cotada na bolsa suíça e da África do Sul.

- LVMH: primeiro grupo mundial de luxo, dirigida pelo francês Bernard Arnault, cotada e sediada em Paris 

Conteúdo externo

3) Seu peso na economia suíça é modesto...

End of insertion

"Se aos cinquenta anos de idade você não tem um Rolex, é por que não deu certo na vida": o famoso bordão do publicitário francês Jacques Séguéla ilustra bem a dimensão simbólica conquistada pela famosa marca de relógio de luxo. Os Rolex são vistos nos pulsos de personalidades famosas como Roger Federer, Brad Pitt ou mesmo Nicolas Sarkozy.
A relojoaria suíça responde a cerca de 1,5% do produto interno bruto (PIB). Ela é a terceira indústria de exportação helvética, atrás do setor farmacêutico e de produção de máquinas e ferramentas. Suas empresas estão principalmente instaladas nos cantões de Neuchâtel, Berna, Genebra, Solothurn, Jura e Vaud, onde ela gera mais de 90% do valor agregado do setor.

Nessas regiões, a relojoaria é um empregador de grande importância: 57 mil pessoas trabalham para 500 empresas ativas no setor. Ao adicionar os empregos indiretos ligados ao setor, estima-se que 100 mil empregos dependem da relojoaria suíça.

Conteúdo externo

No entanto, os salários das empresas da indústria relojoeira não fazem mais sonhar como os preços dos relógios produzidos por elas. Em 2016, o salário médio na indústria não passava da marca de cinco mil francos por mês, mil francos a menos do que o salário médio do conjunto de trabalhadores do país.

4) Ela conheceu um passado glorioso, mas também crises

End of insertion

O setor atingiu seu pico de produção no fim dos anos 1960 com 90 mil empregados em 1.500 empresas. No início dos anos 1970, os relógios à quartz asiáticos revolucionaram o mercado e levaram a relojoaria suíça a uma crise profunda. Em meados dos anos 1980, o setor empregava apenas 30 mil funcionários em 500 a 600 empresas que haviam sobrevivido à crise.

A relojoaria suíça voltou então à produção de modelos em massa, particularmente os relógios da marca Swatch. Depois, a partir dos anos 2000, graças ao interesse exponencial em modelos de luxo, especialmente nos países emergentes. Em 2014, a relojoaria ultrapassou a marca de 22 bilhões de francos de exportações - um número que dobrou em 15 anos - e chegou perto da marca de 60 mil empregos. Mas nos últimos dois anos, o setor vive uma nova fase de declínio, explicado pelas dificuldades vividas pelos mercados asiáticos. 

Conteúdo externo

5) Ela ainda depende de trabalhadores estrangeiros

End of insertion

Nos anos 1960, a indústria relojoeira helvética empregou um grande número de trabalhadores estrangeiros nas suas fábricas. Na época, os patrões do setor empregavam principalmente mulheres italianas pouco qualificadas e mal pagas para executar ações repetitivas nas linhas de montagem.

Nos últimos anos a principal massa de trabalhadores estrangeiros vêm da vizinha França, que acompanharam o desenvolvimento da indústria relojoeira. Hoje eles ocupam um de três empregos no setor. Um detalhe histórico interessante: a relojoaria foi introduzida na Suíça em meados do século 16 por refugiados huguenotes (protestantes) franceses.  

6) Ásia - especialmente a China - é considerada o paraíso para os relojoeiros suíços

End of insertion

Desde o início dos anos 2000, o valor das exportações de relógios suíços à China foi multiplicado por 100. Hong-Kong e a China representam hoje, respectivamente, o primeiro e terceiro maior mercado importador de relógios suíços. Adicionando o turismo de compra, estima-se que um relógio em dois no mundo é vendido a um cliente chinês.

No entanto, o paraíso chinês perdeu um pouco do seu brilho. Entre 2015 e 2016, as exporta4ões para a China e Hong-Kong sofreram uma forte queda. Razões: o crescimento mais lento do país e a campanha anticorrupção imposta pelo governo sob a liderança de Xi Jinping. 

Você pode contatar os autores do artigo através do Twitter: @samueljaberg e @duc_qn

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo