Imigração à Suíça como um problema para Portugal?

Suíça, terra de imigração europeia

A Suíça é um dos países com a maior proporção de estrangeiros em seu território, a grande maioria deles sendo cidadãos europeus. Se este fenômeno não é novo, a imigração continua no centro do debate político. Veja os 166 anos da imigração na Suíça em gráficos.

Este conteúdo foi publicado em 18. dezembro 2017 - 10:30
swissinfo.ch

Mais de 80% da população estrangeira na Suíça vêm de um país europeu. A emigração da Alemanha, Itália e da França para a Suíça tem raízes históricas profundas, como mostra este gráfico da evolução do número total de residentes estrangeiros na Suíça de 1850 aos dias de hoje.

Conteúdo externo

No final do século XIX, a construção e a intensificação das ferrovias geram a primeira onda de imigração da Suíça moderna. Na época, os imigrantes eram quase exclusivamente dos países vizinhos da Suíça (Itália, França, Alemanha e Áustria).

O boom econômico do pós-guerra também foi acompanhado por uma enorme necessidade de mão de obra. Entre 1951 e 1970 a Suíça passa por uma grande onda migratória. Depois da estagnação nos anos 70 e 80, esse fenômeno tem se acelerado nos últimos trinta anos.

Com a melhora da situação econômica na Itália e na Espanha, os principais fornecedores de mão de obra no final dos anos 70, a Suíça se abre cada vez mais para outros países, principalmente para Portugal e a ex-Iugoslávia, que com a guerra no início dos anos 90, desempenha um papel importante na emigração para a Suíça.

Mais recentemente, a boa saúde econômica do país e a introdução da livre circulação de pessoas atraiu para a Suíça dezenas de milhares de trabalhadores, vindos principalmente dos países da União Europeia (UE).

O perfil dos emigrantes também evoluiu ao longo dos anos. No passado, a emigração estava relacionada a uma mão de obra pouco qualificada. Hoje, a proporção de acadêmicos entre os cidadãos da UE que residem no território suíço é maior do que a de cidadãos suíços.

Quem é considerado estrangeiro na Suíça?

Se o número de estrangeiros na Suíça é particularmente elevado, deve-se notar que, em comparação com outros países, a Suíça tem critérios muito rigorosos para a concessão da cidadania. A nacionalidade suíça não se adquire automaticamente quando se nasce no país. Assim, muitos estrangeiros nascidos na Suíça conservam a nacionalidade de seus pais.

Em 2016, um quinto da população "estrangeira" do país nasceu na Suíça. E entre os estrangeiros nascidos fora do país, quase metade (44%) residem na Suíça há 10 anos ou mais. Em 12 de fevereiro, os suíços vão decidir em um plebiscito se aceitam ou não facilitar o processo de naturalização para a terceira geração de imigrantes.

​​​​​​​

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo