Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Nova Friburgo Temporada 2013 recupera vocação turística

Vista do alto da Pedra do Imperador.

No mais concreto sinal de recuperação econômica dado até aqui desde a tragédia de 2011, Nova Friburgo vive na atual temporada de inverno o tão esperado momento de reencontro com os turistas.

Nos últimos dois anos e meio, a população de Nova Friburgo experimentou a sensação de que as enxurradas e deslizamentos de terra que custaram a vida de 451 pessoas e deixaram milhares de desabrigados em janeiro de 2011 haviam arrastado também a vocação turística da cidade. Fundada em 1819 por migrantes suíços na Região Serrana do Rio de Janeiro, cercada por montanhas, bosques e cachoeiras e reconhecida como pólo gastronômico, Nova Friburgo, sob o impacto emocional e econômico da tragédia e diante de um lento processo de reconstrução, viu os turistas fugirem e teve no período uma queda média de 40% na taxa de ocupação de sua rede hoteleira. Mas, para felicidade dos friburguenses, isso já é passado.

 Segundo o Convention & Visitors Bureau de Nova Friburgo (C&VB), a taxa de ocupação na rede de hotéis e pousadas da cidade durante a estação ultrapassou os 90%, chegado a se aproximar dos 100% nas duas últimas semanas de julho, período da alta temporada de férias escolares. Pela primeira vez desde o inverno de 2010, o grande fluxo de turistas fez com que, como no passado, algumas filas se formassem nas portas dos cerca de 200 bares e restaurantes espalhados pela cidade.

Segundo o C&VB, cerca de 50 mil turistas visitaram Nova Friburgo nos meses de junho, julho e agosto e injetaram R$ 8 milhões na economia da cidade. O ponto alto da temporada foi o Festival de Inverno, realizado entre 13 e 28 de julho, que, segundo seus organizadores, teve a presença de 40 mil pessoas em sua programação de música, teatro, cinema, dança, literatura e artes visuais: “A combinação de festivais, festas e feiras foi fundamental para essa retomada”, avalia Flávio Stern, presidente do C&VB.

Evento com forte carga simbólica para a economia de Nova Friburgo, a Feira Brasileira de Moda Íntima, Praia, Fitness e Matéria-Prima (Fevest) trouxe em sua 23ª edição, realizada entre os dias 4 e 6 de agosto, a certeza da recuperação total de um setor que representa 47% da economia da cidade e que, após a tragédia, teve uma perda de faturamento que, em alguns casos, ultrapassou os 80%.

Após terem realizado no ano passado uma feira de resistência para não deixar o pólo de moda íntima de Nova Friburgo morrer, os organizadores da Fevest comemoram este ano um evento que reuniu nove mil pessoas e movimentou R$ 45 milhões. O pólo de moda íntima é responsável por 25% da produção do mercado brasileiro e, segundo o Sindicato da Indústria do Vestuário de Nova Friburgo (Sindvest), abrange 1,5 mil confecções de pequeno, médio e grande porte, gerando cerca de 20 mil empregos (sendo doze ml com carteira assinada).

Festa Suíça

Nos quatro primeiros dias de agosto, foi realizada com grande sucesso a Festa da Suíça, evento organizado pela Casa Suíça, pelo Instituto Fribourg-Nova Friburgo e pela Colônia Suíça de Nova Friburgo. Na manhã de 1º de agosto, quando se comemorou o Dia Nacional da Suíça, aconteceu uma solenidade em uma praça no centro da cidade que incluiu o hasteamento das bandeiras do Brasil e da Suíça. À noite, uma apresentação de dança típica suíça protagonizada por alunos da Escola Municipal Vevey La Jolie foi realizada no Teatro Municipal, seguida por um Cortejo de Lanternas que se dirigiu até a Praça do Suspiro, principal ponto turístico do centro de Nova Friburgo, que foi arrasada pelos deslizamentos de 2011.

Nos dias seguintes, a Casa Suíça promoveu concorridas Oficinas de Chocolate, onde foi ensinada um pouco da técnica suíça para preparar o delicioso alimento, além de apresentações de bandas musicais e grupos de danças típicas suíças, dança do ventre, dança de salão e capoeira. Para completar a festa, a Queijaria Suíça promoveu eventos como a “Noite do Fondue” e a “Noite de Queijos e Vinhos”, que também tiveram grande sucesso de público e celebraram a união entre as cidades de Fribourg e de Nova Friburgo.

Ponto turístico

Um dos momentos que mais simbolizou a retomada da vocação turística de Nova Friburgo na temporada de inverno deste ano foi a reabertura em junho da Capela de Santo Antônio, talvez o principal ponto turístico da cidade.

Construída em 1884, a capela está situada na Praça do Suspiro, devastada por um deslizamento de terra em 2011, e foi reaberta à visitação pública após a reconstrução de seu altar, paredes e teto, que haviam sido parcialmente destruídos pela força da natureza. Segundo a Prefeitura, a reforma da capela custou R$ 750 mil.

Aqui termina o infobox

Desabrigados

Foi também neste inverno de 2013 que finalmente, dois anos e meio após a tragédia, os desabrigados pelas chuvas em Nova Friburgo começaram a receber do poder público suas novas e definitivas moradias. Em agosto, foram entregues a moradores do distrito de Conselheiro Paulino, um dos mais atingidos pelas enxurradas, as primeiras 140 casas populares de um total de 2.230 casas com construção prevista em toda a cidade. Segundo a Secretaria Estadual de Obras, até o fim do ano mais 680 moradias serão entregues, e outras 1.360 ficarão prontas até o fim de 2014.

Após uma série de escândalos envolvendo o desvio dos recursos emergenciais enviados pelos governos federal e estadual logo após a tragédia – e que culminaram no afastamento do prefeito Dermeval Moreira por determinação do Superior Tribunal de Justiça (STJ) – o ritmo lento das obras continua sendo o principal fator de preocupação para os moradores de Nova Friburgo, que temem a repetição da tragédia. Segundo a Prefeitura, as parcerias com outras esferas de governo possibilitaram até aqui a realização de obras de contenção em 28 encostas, além de obras de reconstrução das margens dos rios Bengalas e Córrego D’Antas no valor de R$ 10 milhões.

O governo brasileiro, no entanto, já destinou R$ 264 milhões para a reconstrução de Nova Friburgo, dos quais R$ 210 milhões serão aplicados em obras de dragagem, drenagem, canalização e recuperação de microbacias nos rios Grande, Bengalas e Córrego D’Antas, às margens dos quais está concentrada a maioria das habitações que ainda se encontram em situação de risco na cidade. Segundo a previsão do Governo do Rio de Janeiro, essas obras somente serão concluídas em junho de 2016.

swissinfo.ch


Links

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

×

Destaque