Navigation

Quando os suíços combatiam no Mediterrâneo

Nobres guerreiros à sombra de sua antiga civilização: foi assim que o fileleno alemão de formação suíça Karl von Heideck imaginou os revolucionários gregos em sua obra "Pallikares em frente ao Templo de Corinto". Picasa

Há duzentos anos, muitos homens foram combater na Grécia para apoiar a luta contra o Império Otomano, inclusive suíços. Muitos morreram em batalhas, alguns se tornaram figuras heróicas, imortalizadas no mito da libertação nacional.

Este conteúdo foi publicado em 13. abril 2021 - 10:00

A revolta grega contra o domínio otomano começou em 25 de março de 1821, levando ao reconhecimento do Estado grego moderno em 1830. Naquela época, os otomanos governavam uma região da Tunísia ao Iraque, dos Balcãs ao Chifre da África. A "Revolução Grega" foi o primeiro movimento nacional a alcançar a plena independência nos territórios europeus do Império Otomano.

A revolta teve grande apoio, principalmente na Europa Ocidental, graças aos filelenos, os "amigos da Grécia". No final do século XVIII, a antiguidade grega era considerada um modelo estético, especialmente na arte e na literatura. Como a Grécia era vista como o berço da civilização europeia, era uma questão de honra libertá-la do jugo otomano.

Karl von Heideck prestou homenagem aos combatentes voluntários do exterior com sua obra "Acampamento dos Filelenos durante a Guerra da Independência". Akg-images

Mas também havia razões políticas tangíveis: a França, a Grã-Bretanha e a Rússia em particular tinham interesse em enfraquecer o Império Otomano. O apoio material e político aos movimentos separatistas que queriam estabelecer seu próprio Estado pela força das armas foi um meio para este fim.

Entretanto, os gregos também receberam ajuda de voluntários. Centenas de filelenos da Europa e dos Estados Unidos se deslocaram para os territórios independentes para apoiar os cristãos gregos em sua luta contra os opressores muçulmanos. Entre eles estavam figuras como o poeta inglês Lord Byron, que foi celebrado como um herói de guerra. Outros levantaram fundos ou defenderam a causa grega a nível político.

Esses voluntários ainda estão no coração do mito da libertação nacional, seus nomes ornam praças e ruas, e sua memória é comemorada todos os anos no feriado nacional de 25 de março. Entre eles estão muitos suíços que deixaram sua marca não apenas nos campos de batalha, mas também nas instituições do jovem Estado. Aqui está uma pequena seleção.

O banqueiro

Nenhuma guerra pode ser ganha sem dinheiro. As associações de apoio eram, portanto, importantes. Elas coletaram fundos para a luta armada através de doações e campanhas de arrecadação de fundos, mas também coordenaram os movimentos de combatentes voluntários. A primeira "associação grega" foi fundada já em agosto de 1821 em Berna, e outras cidades suíças e países europeus se seguiram. Os membros eram intelectuais, clérigos e oficiais militares, mas muitas vezes também trabalhadores que queriam se engajar em uma causa nobre.

Banqueiro, político e fotógrafo: Jean-Gabriel Eynard foi um dos mais importantes filelenos e introduziu o processo fotográfico daguerreótipo na Suíça. commons.wikimedia

Genebra foi um importante centro de atividade filantrópica na Suíça. Foi aqui que viveu o rico investidor Jean-Gabriel Eynard, que enviou grandes somas de dinheiro de sua fortuna privada para a Grécia. O banqueiro, cuja família pertencia à nobreza de Genebra, havia conhecido Ioannis Kapodistrias, que mais tarde se tornaria o primeiro presidente da Grécia, no Congresso de Viena. Esta amizade despertou o interesse de Jean-Gabriel Eynard pela causa grega, que ele promoveu ativamente na arena diplomática durante as décadas seguintes.

Como defensor dos revolucionários gregos, ele não só os apoiou politicamente, mas também estava consciente da importância das instituições públicas para o jovem Estado. Em 1828, Jean-Gabriel Eynard foi um dos cofundadores da primeira instituição financeira pública da Grécia, que, no entanto, durou apenas alguns anos. Mais tarde, ele ajudou a estabelecer o Banco Nacional da Grécia, que ainda existe hoje e é o maior banco do país.

O desbravador

Tempos extraordinários produzem biografias extraordinárias. Uma das personalidades suíças mais notáveis nas fileiras dos rebeldes gregos foi sem dúvida Johann Jakob Meyer, de Zurique, a quem o autor Alex Capus prestou uma homenagem literária em seu livro "Himmelsstürmer".

Impostor ou herói? Provavelmente ambos: Johann Jakob Meyer é considerado um dos filelenos mais famosos da Suíça. commons.wikimedia

A motivação de Johann Jakob Meyer - como muitos filelenos - permanece incompletamente compreendida até hoje. Suspeitou-se muitas vezes que sua viagem à Grécia foi, de fato, uma fuga da Suíça. Fala-se de problemas de dinheiro, de uma vida errática e de casos de amor não correspondidos. Como surgiu seu apego à causa grega não está documentado. Em todo caso, ele conseguiu se apresentar à Sociedade Filosófica de Berna como médico (o que não era) e ter a viagem à Grécia paga.

Chegou a Mesolongi em 1821, onde rapidamente aprendeu grego, converteu-se à ortodoxia e casou-se com uma grega. Quando a pequena cidade foi sitiada pelas forças otomanas pouco tempo depois, Johann Jakob Meyer assumiu o comando do hospital local. Nos anos seguintes, Mesolongi foi sitiada várias vezes e tornou-se um lugar central de memória da revolução grega. Foi nessa época que Meyer fundou o Crônicas Gregas, o primeiro jornal impresso do país, que se tornou uma importante fonte de informação no exterior e assim ajudou a moldar a imagem da Grécia na Europa.

Johann Jokob Meyer também morreu em Mesolongi, que tem o título de cidade santa. Segundo a lenda, alguns dos habitantes ousaram romper o cerco, enquanto outros, após sangrentas batalhas, explodiram para evitar cair nas mãos do inimigo. A seguinte citação de Meyer resume a auto-imagem dos filelenos suíços: "O pensamento de que o sangue de um suíço, neto de Guilherme Tell, se mistura com o sangue dos heróis da Grécia me deixa orgulhoso".

O guerreiro

A revolta foi combatida de forma extremamente brutal. Depuração étnica, escravidão e outras atrocidades aconteceram. A maior parte da luta ocorreu no Peloponeso, o coração da Grécia. Mais tarde, ela se espalhou para áreas mais misturadas etnicamente, levando a um aumento dos ataques à população civil.

Emmanuel Amenäus Hahn, de Berna, fez sua carreira no exército grego. Karl Reber

O bernês Emanuel Amenäus Hahn foi para a Grécia em 1824 e juntou-se ao Corpo Filelênico, onde outros voluntários estrangeiros como ele foram incorporados. Durante esta década revolucionária, ele esteve envolvido em várias batalhas importantes - incluindo um cerco de seis meses na Acrópole Ateniense, onde ele e outros ficaram presos - e assim ganhou fama militar. O século XIX na Grécia foi marcado pela instabilidade política, pobreza e perigo militar. Hahn, entretanto, permaneceu na Grécia e fez carreira militar até ser finalmente nomeado tenente-general do exército grego.

Nem todos, no entanto, desfrutaram de tal fama. Muitos soldados comuns são conhecidos apenas por seus primeiros nomes; morreram de doenças, enlouqueceram ou acabaram em valas comuns longe de sua pátria, juntamente com seus irmãos de armas gregos.

Os filelenos suíços também existem em muitas outras áreas. No campo da fotografia, por exemplo, as imagens de Fred Boissonnas, de Genebra, foram centrais para a auto-imagem do Estado grego no início do século XX. Leia mais aqui:

Adaptação: Fernando Hirschy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.