Navigation

Será que todo mundo terá acesso aos medicamentos da Novartis?

A Novartis lançou uma nova estratégia na África Subsaariana em 2019. Os vendedores não serão mais incentivados pelas metas de vendas, mas sim pelos pacientes alcançados. Reuters / Baz Ratner

A Novartis disse que quer que todas as pessoas no mundo possam ter acesso a seus produtos, mesmo as terapias genéticas que custam vários milhões de dólares. Será que essa experiência pode funcionar?

Este conteúdo foi publicado em 01. março 2021 - 10:00

Cinco anos atrás, a gigante farmacêutica suíça Novartis fez algo que ninguém mais no setor havia feito. Ela se propôs a avaliar rigorosamente se a venda de uma cesta de medicamentos genéricos e patenteados por 1 dólar por tratamento ajudaria as famílias pobres do Quênia a usá-los e a pagá-los.

Após o primeiro ano do programa, consultoresLink externo da Universidade de Boston descobriram que ele quase não teve impacto. O preço de alguns medicamentos ainda era mais alto do que as alternativas disponíveis e a iniciativa pouco fez para resolver os principais problemas de disponibilidade e acessibilidade econômica para os lares mais pobres.

Veronika Wirtz, farmacêutica que fez parte da equipe da Universidade de Boston que liderou a avaliação no Quênia, acha que este é exatamente o tipo de estudo que as empresas farmacêuticas deveriam estar fazendo. "As empresas pensam que, por terem um programa de acesso, isso é necessariamente bom". Mas isto nem sempre é verdade", disse.

As conclusões foram bastante humildes para a empresa que tem sido constantemente classificada perto do topo no Access to Medicine Foundation IndexLink externo, uma avaliação de quanto as 20 principais empresas farmacêuticas estão fazendo para tornar os produtos de saúde disponíveis e acessíveis através das divisões socioeconômicas.

Enquanto os especialistas concordaram que os resultados poderiam ter sido melhores se a avaliação tivesse sido feita mais tarde, os resultados também refletem como é difícil tornar os medicamentos - alguns dos quais já estão fora do alcance dos pacientes em países ricos - acessíveis em todos os lugares no atual modelo da indústria farmacêutica.

Siga o dinheiro

A maior parte da discussão em torno do acesso a medicamentos até hoje tem sido sobre doenças infecciosas, especialmente aquelas comuns em países mais pobres, como tuberculose, malária e HIV.

Nos últimos anos, a atenção se deslocou para outras regiões e doenças à medida que as evidências cresceram sobre a ameaça de doenças e agravos não transmissíveis (DANT). Enquanto o mundo é dominado pela pandemia de Covid-19, cerca de 70% de todas as mortes globais são causadas por câncer e diabetes, entre outros DANT. Tanto os países pobres quanto os ricos são duramente atingidos por tais doenças. Doenças raras e genéticas como fibrose cística e atrofia muscular espinhal também têm um grande impacto nos sistemas de saúde e nas famílias.

A Novartis também está envolvida em medicamentos para tratar a lepra, a malária, a doença de Chagas e a doença falciforme. Ela estabeleceu uma meta de atingir 50% mais pacientes com programas sobre essas doenças até 2025. Afp / Tony Karumba

O tratamento dessas doenças apresenta enormes oportunidades para empresas como Novartis e Roche, mas também cria novos problemas em torno do acesso a medicamentos.

Ao desenvolver tratamentos, as empresas farmacêuticas costumam se concentrar em mercados ricos como os Estados Unidos para recuperar rapidamente seus investimentos. Depois disso, elas têm pouco incentivo para distribuir os medicamentos em todo o mundo.

O CEO do fabricante de medicamentos Bayer admitiu isso quando sua empresa foi pressionada a disponibilizar um medicamento patenteado contra o câncer na Índia alguns anos atrás. "Não desenvolvemos este produto para o mercado indiano, vamos ser honestos. Quero dizer, você sabe, desenvolvemos este produto para pacientes ocidentais que podem pagar este produto", disse Marijn Dekkers. A confissão deixou o diretor-executivo do grupo alemão em uma situação crítica, revelando um sistema quebrado.

Uma análise feita pela empresa de análise de dados de saúde IQVIA em 2017 apoiou as afirmações dos críticos de que os medicamentos não estão sendo distribuídos uniformemente. A IQVIA constatou que os novos medicamentos chegam a menos de 1-5% dos pacientes em países de baixa e média renda cinco anos após o primeiro lançamento.

Além dos 10%

Isto pode estar mudando lentamente. "Muitas empresas estão dizendo que não faz sentido investir todo esse dinheiro no desenvolvimento de terapias inovadoras que só atingem na melhor das hipóteses 10% do mundo", disse Jayasree Iyer, o diretor executivo da Access to Medicine Foundation.

As empresas agora percebem que há receitas reais a serem feitas em mercados de baixa renda. "A única maneira de fazer isso é comprometer-se com produtos inovadores somente se eles tiverem alcance global", acrescentou Iyer.

Isto é exatamente o que a Novartis diz que quer fazer. Seu CEO Vas Narasimhan anunciou há alguns anos que cada novo medicamento fabricado pela empresa deve considerar o acesso desde o início. Em setembro passado, a empresa estabeleceu uma meta de aumentar em 200% o número de pacientes alcançados em países de baixa e média renda com "medicamentos inovadores" até 2025.

Recentemente, a Novartis apoiou seu compromisso no mercado de ações, lançando o primeiro título do setor de saúde vinculado a metas de acesso. Os detentores desses títulos receberão um pagamento maior se a empresa não atingir as metas.

Jenna Denyes, analista de saúde da GAM Asset Management, diz que a estratégia faz sentido a partir de uma perspectiva de negócios. "Quanto mais medicamentos venderem, mais pacientes tiverem, melhor será para sua empresa". Ela acrescenta que o fundo de inovação em saúde da GAM, que tem participações na Novartis, quer ver as empresas não apenas desenvolvendo soluções para atender às necessidades médicas, mas também pensando em como torná-las acessíveis.

Marca de acesso

A Novartis enfrenta agora a questão de como cumprir sua promessa e levar medicamentos contra o câncer ou imunoterapias sendo vendidos a preços elevados na Suíça a lares pobres na África subsaariana ou na Índia, por exemplo. Uma terapia de 2,1 milhões de dólares poderia ser razoavelmente distribuída a todos os que precisam dela?

Tanto os defensores da saúde pública quanto a Novartis concordam que a resposta não pode ser a doação de medicamentos. Isto não é sustentável de acordo com Wirtz. "As doações são uma solução a curto prazo em situações de emergência, mas não duram".

Lutz Hegemann, que é o Chefe do Grupo de Assuntos Corporativos e Saúde Global da Novartis, acredita que "não há uma abordagem de tamanho único" e que a solução deve ser "uma combinação de abordagens: filantropia, lucro zero e, mais criticamente, modelos de negócios de valor compartilhado, que são sustentáveis".

Uma maneira de proporcionar mais acesso a certos medicamentos envolve o desenvolvimento de uma alternativa orçamentária, que um jornal suíçoLink externo equiparou à linha MBudget do varejista suíço Migros. Essas "marcas de mercados emergentes", como a Novartis as chama, não são genéricos ou biosimilares, mas os mesmos medicamentos com nomes de marcas e preços diferentes para diferentes níveis de renda. Um porta-voz da empresa disse para SWI swissinfo.ch que cerca de 118 marcas de mercados emergentes foram aprovadas para seus medicamentos inovadores em mais de 50 mercados em desenvolvimento.

Uma delas é o omalizumab (Xolair®), um tratamento para a asma. Em paralelo ao lançamento da marca original, a Novartis lançou uma marca de mercado emergente do medicamento por 10% do preço original na Índia. Seu EMB para a terapia do câncer de mama Piqray foi lançado na Índia antes da aprovação europeia.

A empresa está adotando uma abordagem semelhante para sua distribuição do medicamento para enxaqueca Aimovig no México. O Aimovig é um tratamento autoinjetável com um preço de lista americano de $575 (CHF519) por mês. A empresa utilizou uma avaliação socioeconômica dos pacientes para determinar quantos frascos de Aimovig um indivíduo pode pagar durante um ano. A Novartis então paga o restante para cobrir o tratamento completo. Os pacientes também usam um aplicativo para registrar os diários de enxaqueca e ajudar os médicos a monitorar os resultados. A Novartis estima que mais 24 milhões de pessoas poderiam ter acesso usando esta abordagem.

Algumas dessas abordagens não funcionarão para terapias genéticas e imunológicas que têm etiquetas de preço multimilionárias.

Quando a Novartis lançou sua terapia genética Zolgensma para a atrofia muscular espinhal, os pacientes tiveram que pagar o preço de 2,1 milhões de dólares (1,9 milhões de francos suíços). A injeção única pode curar a doença mortal rara, mas algumas companhias de seguros e sistemas de saúde - mesmo em países ricos - estão se recusando a cobrir o custo.

A empresa ofereceu a opção de pagar ao longo do tempo e está oferecendo o tratamento gratuitamente aos pacientes com menos de dois anos de idade que são cidadãos de países onde o tratamento ainda não está disponível. A Novartis reconheceu que esta abordagem não será possível em todos os lugares e disse que está "procurando por uma solução sustentável" que envolve sistemas de saúde inteiros.

Segredo não traz sucesso

Iyer disse que outras empresas farmacêuticas estão observando de perto o experimento da Novartis. Apesar de não ter nenhum negócio com vacinas e envolvimento limitado nas terapias Covid-19, a empresa recentemente ficou em segundo lugar no Índice de Acesso a Medicamentos, graças à forma como está aplicando o acesso em sua carteira e tentando alcançar pessoas nos países mais pobres. Como parte de sua resposta à pandemia, a Novartis também ofereceu um portfólio sem fins lucrativos e interveio para apoiar a produção de vacinas Covid-19 desenvolvidas por outras empresas.

Os defensores da saúde pública argumentam que grande parte disto consiste em relações públicas e ajustes em torno dos limites que não abordam os problemas subjacentes de acesso deficiente. Yannis Natsis da Aliança Europeia de Saúde Pública disse para SWI swissinfo.ch que os problemas de preços excessivos não irão embora até que haja transparência em torno de quanto custa produzir esses medicamentos e os preços combinados com os governos.

"A indústria farmacêutica é parte da solução, mas o sigilo só prejudica a influência do governo", disse Natsis apontando como os negócios secretos de vacinas durante a crise da Covid-19 têm mantido o poder nas mãos das grandes empresas. Isto dificultou que os governos tornassem as vacinas acessíveis para os mais ameaçados.

Vicki Pinkney Atkinson, enfermeira que trabalha para a Aliança NCD na África do Sul, confirmou estes pontos de vista. Ela sofre de diabetes tipo 2 e outras doenças crônicas para as quais existem tratamentos mas que não estão disponíveis através do setor público, onde a maioria das pessoas compra seus remédios. Ela gasta metade de sua pensão todos os meses apenas com medicamentos. "Não há transparência em torno de quanto o governo está pagando por esses remédios e é difícil saber como mudar as coisas", disse.

Na reunião do Conselho Executivo da Organização Mundial da Saúde há algumas semanas, muitos governos, incluindo Áustria, Bangladesh e Filipinas, lamentaram os altos preços das novas tecnologias de saúde, apelando por mais transparência nos preços e custos de P&D.

A Novartis disse que não pode divulgar informações específicas sobre preços de seus produtos por razões concorrenciais. A indústria farmacêutica recuou nos pedidos por mais transparência, dizendo que os preços devem ser determinados pelo seu valor e não pelo custo de produção dos mesmos.

O que preocupa Wirtz em todos estes esforços de acesso é que eles não estão sendo avaliados rigorosamente para saber se estão fazendo algum bem, ou mesmo fazendo mal. A Novartis não está mais trabalhando com a equipe de Wirtz na avaliação do programa do Quênia. Ela disse à swissinfo.ch que tomou várias medidas para "melhorar" o programa no Quênia, inclusive afastando-se da abordagem da cesta, que era atraente comercialmente, mas criou obstáculos para a aquisição local de medicamentos. Por enquanto, o principal indicador que ele está usando para avaliar o progresso é o número de pacientes alcançados.

"O objetivo das avaliações não é mostrar resultados esplêndidos. A partir de resultados esplêndidos, às vezes podemos aprender muito pouco", disse Wirtz. "Podemos aprender com os resultados, bons ou ruins". Precisamos considerá-los em nossas avaliações baseadas em evidências e construir melhores programas no futuro".

Adaptação: Fernando Hirschy

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.