Perspectivas suíças em 10 idiomas
grafica startup

Pequenas empresas e grandes inovações: “startups” suíças

Um novo tipo de reator nuclear utilizando tório; uma máquina que fabrica pele humana para enxerto; tecnologias de reciclagem de garrafas PET que consomem menos energia: a criatividade das startups suíças não tem limites. Suas inovações fazem sucesso no mercado internacional.

Há mais de dez anos, a Suíça ocupa o primeiro lugar no Índice de Inovação GlobalLink externo publicado pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual. 

Até agora, os recursos para pesquisa e desenvolvimento de produtos de ponta estavam concentrados em multinacionais – Nestlé, Novartis, Roche, ABB, Givaudan ou Swatch – e em empresas de médio porte que conseguiram ocupar importantes nichos de mercado em escala global.  

Nos últimos anos, porém, a inovação também começou a florescer no setor inicial, com pequenas empresas inovadoras e com alto potencial de crescimento. Cada vez mais jovens empreendedores seguem este caminho para desenvolver e comercializar suas descobertas.

Hoje, são criadas cerca de 300 startups a cada ano, em comparação com apenas algumas dezenas na primeira década deste milênio. O montante de capital investido nelas aumentou quase dez vezes nos últimos dez anos e bateu na marca de quatro bilhões de francos suíços em 2022. 

Conteúdo externo

Apesar do sucesso, as startups suíças ainda recebem pouco apoio dos políticos e sociedade. Uma razão é a aversão ao risco, um sentimento ainda marcante na Suíça como explica a investidora Gina Domanig na entrevista abaixo.

Mostrar mais

Além disso, o lançamento de um startup ainda é, em grande parte, um domínio de homens. Os estereótipos ainda são fortes e as mulheres sofrem mais para conquisatar a confiança dos investidores.

Mostrar mais

Tradição e inovação

Mais da metade das startups surgem nas regiões de Zurique e do Lago de Genebra, onde a presença das Escolas Politécnicas Federais (EPFLLink externo em Lausanne e ETHLink externo, em Zurique) desempenha um papel fundamental na pesquisa e desenvolvimento de aplicações científicas e tecnológicas.

Muitas empresas emergentes se beneficiam dos conhecimentos de ponta adquiridos nos principais setores de inovação, seja na indústria farmacêutica, no setor de microtecnologia ou de serviços financeiros. Ao mesmo tempo, as startups contribuem para a regeneração desses setores tradicionais, oferecendo-lhes saídas para novos mercados, por exemplo ao atuar em áreas como a biotecnologia, medtech ou cleantech. 

Portanto, não é uma surpresa que, ao lado de bancos com cem anos de história, inúmeras startups fintech tenham surgido nos últimos anos. Já as de microtecnologia estão revolucionando a indústria relojoeira tradicional.

Conteúdo externo

Para fundar um start-up, é preciso saber avaliar riscos e ter empreendorismo. Enquanto muitos projetos fracassam ao longo do caminho, Guillaume Pousaz fez a aposta certa e é hoje considerado pela revista Forbes como a pessoa mais rica da Suíça graças graças a sua empresa: Checkout.com, avaliada na bolsa em quase 40 bilhões de dólares.

Mostrar mais

Mostrar mais

Poucos conhecem o empresário mais rico da Suíça

Este conteúdo foi publicado em Fundador do site start-up Checkout.com, Guillaume Pousaz de Genebra tem uma fortuna de 23 bilhões de dólares. Retrato de um homem de negócios tão rico quanto discreto.

ler mais Poucos conhecem o empresário mais rico da Suíça

Mas além dessa história de sucesso, como é o mundo das empresas emergentes na Suíça? Aqui estão as mais recentes reportagens sobre as startups suíças.

Energia e tecnologias limpas: Em Genebra, Transmutex desenvolve um novo tipo de reator nuclear que utiliza tório. Este metal não só é muito menos radioativo do que o urânio, mas também está presente em abundância nas rochas de quase toda a crosta terrestre. Esta inovação poderia facilitar a transição energética para uma sociedade livre de CO2.

Mostrar mais

O empresário Laurent Jospin planeja instalar 47 mil painéis solares em uma estrutura metálica de 1,6 km de comprimento na rodovia A9 no cantão do Valais. O objetivo é produzir eletricidade para doze mil residências a cada ano. Sua empresa, Energypier, já executa um projeto piloto semelhante em 2,5 quilômetros de uma rodovia nas cercanias de Zurique. Seu objetivo é abastecer 20 mil lares.

Mostrar mais

Em Sion, no cantão de Valais, a pesquisadora e empresária canadense Samantha Anderson desenvolveu uma nova técnica de reciclagem de garrafas PET que consome muito menos energia do que os métodos atualmente utilizados. Ela pretende comercializar esta inovação e estendê-la a outros tipos de plástico nos próximos anos.

Mostrar mais

Mostrar mais

Canadense reinventa a reciclagem do plástico

Este conteúdo foi publicado em Jovens empreendedores na Suíça se especializaram na reciclagem de plástico. Uma dessas novas empresas é a DePoly, criada por uma pesquisadora canadense.

ler mais Canadense reinventa a reciclagem do plástico

Tecnologia médica: A Cutiss desenvolveu a primeira máquina capaz de gerar pele em grandes quantidades a partir de uma amostra retirada do próprio paciente. Uma verdadeira esperança para as mais de 11 milhões de pessoas que sofrem queimaduras graves a cada ano no mundo inteiro.

Mostrar mais

Medtech: A startup Aktiia acaba de lançar a primeira pulseira inteligente capaz de medir continuamente a pressão arterial. Uma inovação que nasceu na cidade de Neuchâtel e que coloca a Suíça na vanguarda de um mercado altamente cobiçado pelos gigantes tecnológicos americanos e asiáticos.

Mostrar mais

Mostrar mais

A pulseira suíça que desafia os gigantes da tecnologia

Este conteúdo foi publicado em Uma pequena empresa suíça lança a primeira pulseira inteligente capaz de medir a pressão arterial continuamente, uma inovação que a coloca na vanguarda de um mercado altamente cobiçado.

ler mais A pulseira suíça que desafia os gigantes da tecnologia

Comunicação: depois de desenvolver drones autônomos para realizar estudos científicos e inspeções em lagos e mares, a startup Hydromea criou a primeira rede de cabos submarinos wifi. O modem usa feixes de luz para transmitir dados e rastrear remotamente os robôs, sem fios.

Mostrar mais

Lixo: larvas da mosca-soldado podem reciclar enormes quantidades de resíduos orgânicos para produzir ração animal, biocombustíveis e fertilizantes, sem o uso de matéria-prima. A ideia revolucionária da startup TicInsectLink externo.

Mostrar mais

Energia: a União Europeia conta com uma startup suíça para relançar a produção de painéis solares na Europa, hoje dominada pela China. Insolight desenvolveu uma tecnologia fotovoltaica altamente eficiente, que abre novas perspectivas para o setor.

Mostrar mais

Plásticos: Bloom Biorenewables usa madeira, palha, caroços de cerejas ou casca de nozes para fazer bioplásticos, têxteis, cosméticos e perfumes.

Mostrar mais

Agroalimentos: A empresa New Roots produz iogurte, queijo e até fondue a partir de castanha de caju. A dieta mais saudável e ambientalmente correta já criada pela indústria?

Mostrar mais
vegan food on a table

Mostrar mais

O queijo suíço do futuro é feito de castanhas

Este conteúdo foi publicado em Uma empresa suíça está produzindo iogurte, queijo e fondue à base de castanha de caju. Será que eles se tornarão alimentos básicos para uma dieta saudável e ecologicamente correta?

ler mais O queijo suíço do futuro é feito de castanhas

Habitação: uma startup fundada na Suíça por duas celebridades ajudam a diminuir o problema da falta de moradias no mundo: transformando dejetos plásticos em casas.

Mostrar mais
Modelo computadorizado de casa nos Alpes

Mostrar mais

Garrafas de plástico que se transformam em casas

Este conteúdo foi publicado em O mundo se afoga em plástico. Das 300 milhões de toneladas de dejetos do material produzidos anualmente, dos quais apenas nove porcento cento são reciclados, oito milhões terminam nos oceanos do planeta. Segundo a ONULink externo, a atual tendência continuar, até 2050 haverá mais plástico do que peixes nos sete mares. E o problema chega até a…

ler mais Garrafas de plástico que se transformam em casas

Tecnologia de segurança: ID Quantique, uma jovem empresa de Genebra resolveu o problema ao utilizar os princípios da mecânica quântica de Albert Einstein para criar um sistema de encriptação infalível..

Mostrar mais
Um chip dentro de um recipiente de plástico

Mostrar mais

Quando a física ajuda a criar o celular mais seguro do mundo

Este conteúdo foi publicado em Diariamente a imprensa anuncia invasões de celulares por hackers. Há pouco, especialistas encontraram mais de 400 vulnerabilidadesLink externo nos chips “Snapdragon”, do fabricante americano Qualcomm. Um anúncio que causa medo, pois essas pequenas peças aparelham atualmente mais de um bilhão de celulares em uso com o sistema operacional Android. No Brasil chamou muita atenção a…

ler mais Quando a física ajuda a criar o celular mais seguro do mundo

Finanças: novos bancos digitais estão surgindo na Suíça sem uma única agência ou balcão.  Um deles, o Neon de Zurique, está apostando em fazer mais com menos e já atraiu 30 mil clientes.

Mostrar mais
mulher faz compra no celular

Mostrar mais

Neobancos desafiam o setor financeiro suíço

Este conteúdo foi publicado em Novos bancos digitais estão surgindo na Suíça sem uma única agência ou balcão. Sua aposta é simplesmente fazer mais com menos.

ler mais Neobancos desafiam o setor financeiro suíço

Adaptação: Alexander Thoele

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR