Especialistas exigem uma cadeia alimentar suíça mais saudável e ecológica

A Suíça pode estar chegando ao fim de uma era na sua alimentação. Keystone / A3542/_karl-josef Hildenbrand

Menos embalagens, menos carne, cadeias de produção mais sustentáveis: um estudo de seis anos sobre como alimentar a Suíça durante as próximas décadas apresentou seus resultados.

Este conteúdo foi publicado em 26. junho 2020 - 08:00
swissinfo.ch/fh

O programa nacional de pesquisa "Alimentos saudáveis e produção de alimentos sustentável" envolveu 26 projetos entre 2013 e 2019. Suas conclusões, apresentadas em Berna na quinta-feira, definem um esboço de como os hábitos alimentares devem mudar entre agora e 2050.

Os pesquisadores reuniram suas recomendações em torno de quatro temas principais.

Em primeiro lugar, o desperdício precisa ser reduzido. Isso implicaria em deixar as embalagens projetadas em torno de objetivos estéticos e não sustentáveis, bem como desenvolver novas formas de "embalagens inteligentes" que poderiam dar uma indicação do estado dos alimentos.

Mas como metade dos alimentos da Suíça vem de fora de suas fronteiras, onde os padrões de embalagem são diferentes, os pesquisadores dizem que a melhor maneira ainda é evitar o desperdício.

Convencer a população

Em segundo lugar, o consumo de carne deve ser diminuído e o setor agrícola deve ser reformado. Menos carne pode melhorar tanto a saúde do consumidor quanto o meio ambiente, dizem os pesquisadores. Mas isso também causaria problemas para muitos agricultores. Eles precisam ser ajudados - principalmente com subsídios - na transição para uma agricultura mais focada em frutas, vegetais e castanhas.

Em terceiro lugar, os consumidores deveriam estar mais implicados. Sem a adesão deles, essa transição não é possível, dizem os pesquisadores. Portanto, um papel maior para as associações de consumidores seria bom - incluindo mais possibilidades de lançar ações coletivas.

Finalmente, o quarto ponto trata da saúde e da alimentação saudável, que os pesquisadores dizem que deveria ser promovida em todas as etapas da cadeia de abastecimento. Assim, eles propõem recomendações sobre poluição, melhores práticas em cantinas e conselhos individuais sobre doenças e controle de peso.

O resultado do projeto será incorporado à formulação de políticas federais nos próximos anos, mas pode ter mais problemas para convencer a população: em 2017, duas propostas para mais soberania alimentar e "alimentos mais justos" foram rejeitadas pelos eleitores suíços.

Partilhar este artigo