Navigation

Skiplink navigation

Estrela suíça do snooker desafia dominância britânica

Alex Ursenbacher (à direita) aperta a mão de Ronnie O'Sullivan antes de sua partida no Aberto do País de Gales em 2019. Ursenbacher causou um tremendo mal-estar ao derrotar indiscutivelmente o maior jogador de sinuca de todos os tempos. Swiss Snooker

Alex Ursenbacher estourou na imprensa especializada ao se tornar o primeiro jogador de língua alemã a qualificar-se para o Campeonato Mundial de Snooker (sinuca). Mas será que o único profissional suíço desse desporto consegue ganhar a vida com o que ainda é um esporte marginal em seu país?

Este conteúdo foi publicado em 24. outubro 2020 - 11:00

"Bem, eu ainda estou vivendo com minha mãe, então acho que isso diz tudo", diz Ursenbacher à swissinfo.ch em uma pausa entre partidas em um torneio de exibição em Berna.

O jovem de 24 anos parece muito mais um simpático "Cockney" do que um natural do vilarejo de Rheinfelden, no norte da Suíça. Isto porque, apesar de ainda morar na Basileia, ele passou muitas horas em clubes de snooker britânicos, lar dos melhores jogadores do mundo - e parceiros de treino.

Ursenbacher diz que ele se sentiu à vontade imediatamente. "Eu gosto da mentalidade. Eu gosto da brincadeira. Não há nada como o humor inglês - é simplesmente hilariante".

Ursenbacher percorreu um longo caminho desde que pegou um taco de sinuca pela primeira vez, aos 11 anos. Ele conta que costumava jogar um pouco de bilhar com seu pai e um dia, tendo visto sinuca na televisão, sugeriu que tentassem esse jogo.

"Jogamos por mais de três horas! Mas eu simplesmente adorei tudo a respeito. Eu não conhecia as regras e não conseguia encaçapar uma bola sequer por não sei quanto tempo. Mas é uma sensação maravilhosa encaçapar uma bola. E eu achei que deve ser uma sensação ainda melhor no snooker [do que no bilhar] porque a mesa é maior".

O snooker, e quem o pratica

O snooker teve origem entre os soldados britânicos estacionados na Índia na década de 1870. Aqui você pode assistir a uma introdução básica às regras.

Apenas três não-britânicos já venceram o Campeonato Mundial, que é realizado desde 1927 (ignorando o torneio boicotado em 1952): Cliff Thorburn (Canadá, 1980), Ken Doherty (Irlanda, 1997) e Neil Robertson (Austrália, 2010).

O Top 30 atual compreende 16 jogadores da Inglaterra, 5 da Escócia, 4 da China e 1 da Tailândia, País de Gales, Austrália, Irlanda do Norte e Noruega (nascido em Londres). Os Top 10 são todos britânicos, com exceção de um australiano.

O snooker concorre, sem sucesso, a uma vaga nos Jogos Olímpicos de 2020. A Federação Mundial de Snooker está agora considerando os Jogos de 2024 em Paris.

End of insertion

As bolas logo começaram a voar - e a motivação não foi um problema, apesar de ter muitas outras coisas em seu prato. "Eu joguei tênis, fiz artes marciais, toquei alguns instrumentos musicais. Futebol. Mas quando entrei no clube de snooker da Basileia, havia apenas algo que me pegou. Foi muito divertido. Eu só queria continuar jogando o tempo todo - e ainda ficava acordado até as 3 da manhã todas as noites assistindo snooker no YouTube", diz ele.

Esta devoção diurna e noturna logo valeu a pena. "Sim, comecei a ganhar alguns torneios de clubes juniores e um ano depois joguei meu primeiro torneio internacional, em Malta", diz ele. "Era o Campeonato Europeu Sub-19. Eu estava no aeroporto com meu taco na mão aos 13 anos de idade e pensei: 'Eu poderia me acostumar com isso'".

Falta de competição

Ursenbacher tornou-se campeão suíço com apenas 15 anos, o que reflete não apenas seu talento óbvio, mas também a falta de competição séria na Suíça.

"Para mim, pessoalmente, não há competição", diz Ursenbacher, soando honesto e nada arrogante. "Comecei a ganhar tudo aqui quando tinha 14 anos". Então isso só mostra o padrão. Quero dizer, não estou dizendo que eu era uma porcaria aos 14 anos, mas certamente não era um profissional".

Franz Stähli, presidente da Swiss Snooker, a associação nacional de sinuca, diz que há cerca de 55 jogadores licenciados na Suíça e cerca de 200 que participam de pequenos torneios. "Portanto, há talvez cerca de 250 pessoas que jogam todas as semanas. Bilhar, por outro lado, é muito mais popular porque é mais fácil, há mais lugares para jogar e há mais mesas".

Snooker versus bilhar

Poucos debates online são tão animados quanto aquele entre os fãs de sinuca e os fãs de bilhar, sobre qual jogo é mais difícil.

Alguns fãs de sinuca argumentam, corretamente na opinião da swissinfo.ch, que os melhores jogadores de sinuca teriam uma chance razoável de vencer os melhores jogadores do mundo em uma partida de bilhar, enquanto os melhores jogadores de bilhar não teriam uma chance se as mesas, por assim dizer, fossem viradas. Além disso, as simples dimensões da mesa (o snooker tem mesas maiores e caçapas menores) já pressupõem uma maior dificuldade no snooker. Será que Ursenbacher se importaria em resolver o assunto?

"Essa é uma questão interessante. Não se pode dizer que o snooker é mais difícil. Você definitivamente precisa de mais técnica no snooker do que no bilhar - isso é um fato, e o contrário não é verdade. Mas eu também jogo bilhar - eu amo jogar bilhar de paixão - e bilhar não é fácil. Você pode basicamente perder uma partida inteira se cometer um erro. Já isso não acontece tanto no snooker: você tem muitas chances de colocar seu oponente em sinuca. Mas no bilhar você pode quebrar [acertar logo na primeira tacada] e a bola branca também entra, por exemplo. Portanto, acho que você não pode realmente comparar o bilhar com o snooker. Mas para todos os jogadores de sinuca que dizem que jogar bilhar é fácil, não é. Você precisa de muita habilidade em ambos os jogos".

Portanto, uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa... até certo ponto. Pois na verdade a disciplina de bilhares mais difícil, além de ser a favorita da swissinfo.ch, é o bilhar de três tabelas, não é mesmo?

"Já joguei bilhar de três tabelas. Só acho que você não precisa de muita habilidade, porque tudo o que você precisa saber são os ângulos. Obviamente, você precisa de um pouco de efeito - você não pode simplesmente chutar a bola branca de qualquer maneira".

Ursenbacher e swissinfo.ch terão de concordar em discordar sobre essa questão...

End of insertion

Stähli, que conhece Ursenbacher desde que era júnior, é dono do Benteli's, o salão de snooker e bilhar nos arredores de Berna, onde Ursenbacher concordou em aparecer por várias horas e jogar contra qualquer um que se dispusesse a tomar uma bela surra. Há cinco mesas de snooker e 11 mesas de bilhar no local.

"Embora as pessoas na Suíça conhecessem o snooker e o jogassem nos anos 70 e 80 - havia algumas mesas privadas nos clubes - o boom na Suíça se deu no início dos anos 90", diz Stähli.

"Agora são em geral as pessoas mais velhas que jogam - as com mais de 30 anos ou as pessoas como eu que começaram nos anos 90. A questão é que Alex não tem ninguém [de sua própria geração] com quem jogar".

Ursenbacher deixou a escola aos 16 anos, mas não iniciou um aprendizado como muitos que deixam a escola na Suíça. "Se você é suíço e termina a escola, pode sempre trabalhar. Você provavelmente não vai ter muitas opções, mas sempre poderá ganhar dinheiro. Então eu pensei: por que não dar uma chance ao snooker?"

Virando profissional

Ele se tornou profissional em 2013 aos 17 anos, tendo ganho um cartão de dois anos no World Snooker Tour. Ele o perdeu em 2015, mas em 2017 ganhou o Campeonato Europeu de Snooker Sub-21 e se qualificou novamente para o torneio principal.

Alex Ursenbacher

Alex Ursenbacher nasceu em abril de 1996 em Rheinfelden, cantão de Aargau (Argóvia). Seu pai é suíço e sua mãe é do arquipélago português da Madeira.

Ele se tornou campeão suíço aos 15 anos e profissional aos 17. No Welsh Open em 2019 ele venceu Ronnie O'Sullivan, sem dúvida o maior jogador de sinuca de todos os tempos. Assista aqui a partida.

Em julho de 2020, ele se tornou o primeiro jogador de língua alemã a se classificar para o Campeonato Mundial.

Ursenbacher joga no Snooker Club Basel.

End of insertion

Desde então, Ursenbacher venceu muitos dos maiores nomes do jogo, incluindo os ex-campeões mundiais Shaun Murphy, Ken Doherty e até Ronnie O'Sullivan, o Roger Federerer do snooker.

E depois, o Crucible (em inglês, a grande prova). O Crucible Theatre em Sheffield, norte da Inglaterra, sedia o Campeonato Mundial desde 1977 e é considerado o lar espiritual do snooker - o Wimbledon do esporte.

No final de julho, Ursenbacher, então classificado em 86º lugar no mundo, manteve seus nervos de aço durante um processo de qualificação cansativo para nocautear vários jogadores de alto escalão e se tornar o primeiro jogador suíço a alcançar o Campeonato Mundial. Algo que muito poucos não-sacerdotes - e nenhum alemão ou austríaco - jamais conseguiram.

"Eu nunca tinha estado no Crucible. Eu disse a mim mesmo: 'Você só vai lá se for para jogar de verdade".

Tendo sido realizado durante a pandemia de Covid-19, não havia público ao vivo - apenas os dois jogadores, dois operadores de câmera e o árbitro. O ambiente não era exatamente inspirador.

"Quando eu entrei, foi bom. Eu estava entusiasmado. Mas quando me sentei, percebi que na verdade era bastante triste". Ele estava nervoso? "Nada. Fiquei surpreso, na verdade. Eu não senti nada. Quando eu estava perdendo por 9-2, foi aí que os nervos começaram a entrar em ação, porque eu percebi que um erro naquela hora me custaria o torneio. Mas antes disso, eu estava tão 'cool' como um pepino".

Apesar de ganhar o primeiro jogo, Ursenbacher acabou perdendo por 10-2 para o experiente ex-finalista Barry Hawkins. "Mas no geral foi definitivamente uma experiência positiva", diz ele.

Neste vídeo ele olha para trás em sua experiência no Crucible e explica o que diferencia os homens dos garotos:

Ganhando o pão

Como perdedor da primeira rodada em Sheffield, Ursenbacher embolsou £20.000 (CHF23.700). O vencedor O'Sullivan saiu com £500.000. Os prêmios no snooker são muito mais atraentes em comparação com o bilhar: o vencedor do US Open 9-Ball dos EUA recebe $60.000 (CHF 54.600). É bom lembrar que essas  somas não são nada comparadas com o cheque de $3 milhões de dólares dado ao vencedor do campeonato de tênis do Aberto dos Estados Unidos.

Ele diz que certamente é possível ganhar uma boa vida com o snooker, mas você provavelmente tem que estar entre os 30 primeiros. "Obviamente, seu objetivo não é ganhar apenas quatro mil por mês porque não há aposentadoria no snooker. Portanto, você precisa ganhar algumas libras a mais antes de se aposentar".

Para isso, Ursenbacher pratica até seis horas por dia, cinco ou seis vezes por semana. "Você não quer ir a um torneio e se sentir enferrujado. Você precisa estar com fome e se esforçar o tempo todo". Ele acrescenta que há muito de psicológico no jogo e que a autoconfiança é vital. "Na minha opinião, mais de 85% [do snooker] está dentro da cabeça".

Os feitos de Ursenbacher em Sheffield não foi surpresa em círculos de aficionados. "Há muito tempo que os especialistas acreditam que ele é capaz disso. É muito impressionante ver tal talento sair da pequena Suíça. Tudo o que ele fez foi de um padrão muito, muito alto. Mesmo tendo perdido no Campeonato Mundial, ainda assim foi uma partida muito impressionante", diz Stähli.

"Mas ele ainda não está em lugar algum. Seu objetivo deve ser se estabelecer entre os 50 primeiros em um período mais longo".

Stähli, de 49 anos, já foi um jogador respeitado, ostentando um recorde top break de 139 (de um possível 147 - o recorde de Ursenbacher é 141). Tendo jogado contra O'Sullivan e a estrela escocesa Stephen Hendry, ele enfatiza a importância de se mudar para a Grã-Bretanha para jovens jogadores ambiciosos.

"Alex ainda passa muito tempo na Suíça. Mas o que ele precisa é de uma mesa de treino perfeita. Ele precisa de competição. Ele precisa de um clube com um alto padrão onde ele sabe que poderia entrar e talvez perder dez vezes em um dia. Isso é o que está faltando aqui".

Plano B?

Enquanto a cena do snooker na Suíça é "pequena, mas saudável", como descreve Stähli, na Ásia ela está em alta, especialmente na China. O snooker é tão popular na China continental que está no currículo esportivo escolar. Cada vez mais jovens jogadores chineses estão entrando no top 100.

"Já estive na China sete ou oito vezes", diz Ursenbacher. "Somos tratados como reis! É realmente bastante confuso às vezes porque ainda não me sinto um grande jogador - eu sei que sou profissional e existem apenas 128 profissionais no mundo e apenas 64 vão à China para cada evento. Mas mesmo assim, eles nos tratam muito bem. O snooker é muito, muito grande na China".

Mas todas as viagens exigidas dos atletas profissionais não são apenas fisicamente, mas também financeiramente exigentes. Há quatro anos atrás, a swissinfo.ch falou com um jovem tenista suíço de 19 anos de idade, classificado em 527 no mundo (ele era então o melhor jogador suíço com menos de 21 anos). Ele disse que, se chegar aos 26 anos e ainda estiver classificado entre os 400, provavelmente desistiria do tênis por causa do dinheiro (ele está atualmente classificado em 549). Será que Ursenbacher, agora classificado em 66° lugar após seu sucesso em Sheffield, tem um alvo similar ou um plano B no caso de o snooker não funcionar?

"Estou apenas tentando fazer o que amo, porque se eu não conseguisse ganhar a vida com o snooker, não sei se me importaria com o que teria que fazer para ganhar dinheiro - se fosse atrás de um bar ou atrás de uma mesa. Eu sou uma pessoa sociável, então provavelmente estaria atrás de um bar em algum  clube", diz ele.

"Mas enquanto eu puder jogar sinuca e ganhar algumas libras, eu vou continuar".

Partilhar este artigo