Bienal de Vevey se recusa a ser um parque de diversões artístico

Stefano Stoll, diretor do festival Vevey Images. Julien Gremaud

O Festival Images Vevey, a bienal de artes visuais mais importante da Suíça, abriu no último sábado e vai até 27 de setembro, com 50 instalações fotográficas de cerca de 60 artistas suíços e internacionais. Mas não é fácil montar um show destes em tempos de pandemia e distanciamento, como explica seu diretor, Stefano Stoll.

Este conteúdo foi publicado em 09. setembro 2020 - 10:46
Ghania Adamo (texto), Ester Unterfinger (edição de imagens)

Ruas, parques, lagos, interiores inusitados... toda a cidade de Vevey, no cantão de Vaud, torna-se um "museu ao ar livre" durante a bienal. A entrada gratuita torna a edição 2020 ainda mais atraente, que foi intitulada em inglês e francês: "Unexpected. Le hasard des choses" (O inesperado. O acaso das coisas).

Curiosamente, "algumas das obras, que tratam da questão do confinamento ou do cataclisma, são atuais, ainda que tenham sido programadas para este festival muito antes do início da pandemia", admite Stefano Stoll.

swissinfo.ch: "Unexpected. Le hasard des choses". O que há de inesperado em seu festival?

Stefano Stoll: A Covid-19, é claro. Dadas as circunstâncias, o festival já é um milagre. Mas para ser mais preciso, eu diria que o tema do programa, que foi decidido muito antes da crise sanitária, é mais um jogo de palavras.

O que está por trás deste jogo de palavras?

Nossa ideia era dar lugar de destaque ao trabalho de uma estrela da arte contemporânea, o francês Christian Boltanski. Queríamos apresentar em Vevey uma de suas obras monumentais, que ele havia exposto na Bienal de Veneza em 2011 sob o título "A Roda da Fortuna". Para Vevey, nós a renomeamos "Chance" (sorte, acaso). A partir desta instalação, que constitui o coração do festival, fluem as artérias e veias de nosso programa. O trabalho de Boltanski ocupa a Salle del Castillo, o epicentro do evento.

"Chance" representa um filme fotográfico no qual dezenas de cabeças de bebês aparecem em preto e branco. É o acaso do nascimento. Isso condiciona nossas vidas?

Certamente que sim. Deve-se dizer que Boltanski está interessado na questão do destino. A instalação entra em funcionamento e começa a girar.  De repente, uma criança se separa dela e cai sob o olhar da câmera, que projeta sua imagem em uma tela. O bebê não escolheu sua família, mas seu destino já está selado. Como sabemos, nos golpes do acaso há sempre algo feliz e infeliz ao mesmo tempo. Uma parte de nossa vida escapa à nossa vontade e permanece ligada a fatores incontroláveis.

O despovoamento das cidades e a solidão, devido ao confinamento, podem ser lidos em algumas das obras que você expõe. Você chegou a adaptar alguma de suas escolhas à crise?

Algumas, sim, como as instalações que exigem o uso de telas sensíveis ao toque, que tiveram que ser evitadas por razões óbvias de saúde. Mas quanto ao conteúdo das imagens, você não vai acreditar em mim se eu lhe disser que aquelas que refletem o despovoamento ou a solidão, eu as tinha programado muito antes do início da pandemia. Portanto, há aqui um defasamento que eu acho muito interessante.

"Você não vai acreditar se eu lhe disser que as imagens que refletem o despovoamento ou a solidão, eu as programei muito antes do início da pandemia"

End of insertion

Um exemplo: "Quarto de Gregor III" de Teresa Hubbard e Alexander Birchler, uma dupla de artistas suíços. Sua imagem, que cobrirá a fachada da antiga penitenciária de Vevey, é inspirada na "Metamorfose" de Kafka. Ela retrata um recluso em uma sala com uma decoração desconjuntada.

O confinamento, outro nome para a prisão, é de fato uma das condições humanas. Neste trabalho, ele assume um significado eminentemente atual. Aqui também, é o acaso das coisas. Eu não queria absolutamente lidar com o coronavírus de uma forma documental. Outras instituições o fizeram, não havendo, portanto, necessidade de acrescentar nada ao tema.

Uma palavra surge hoje novamente nos debates sobre a pandemia: "sobrevivencialismo". Somos todos sobreviventes?

Sim, somos. Temos inquietações que provocam ansiedade, mas somos capazes de controlá-las por causa de nossa resiliência. A resiliência pode assumir formas surreais. Um exemplo é "O que fazer com um milhão de anos", de Juno Calypso. Esta jovem fotógrafa britânica conseguiu obter as chaves de uma suntuosa residência em Las Vegas, construída inteiramente subterrânea nos anos 70 por um americano muito ansioso e rico que queria se proteger dos riscos da Guerra Fria. Ele realmente viveu neste "bunker" de luxo, com uma decoração muito kitsch. Hoje a residência é propriedade de uma empresa que congela corpos por criogênese.

Juno Calypso

Em "Maldivas Mergulhadoras", uma série de fotos tiradas por um casal de artistas italianos, vemos não uma vida subterrânea, mas uma vida submarina onde a fauna aquática e os seres humanos vivem lado a lado. Será que poderíamos imaginar o fundo do oceano como um refúgio para a humanidade?

Não se trata de um refúgio nesta série, mas de uma catástrofe ecológica que gera angústia, é verdade, exceto que o assunto é tratado de maneira diferente aqui. Como sabemos, as Maldivas são muito populares entre os turistas. Entretanto, de acordo com dados fornecidos pelas Nações Unidas, essas ilhas seriam um dos primeiros países a desaparecer no fundo do mar como resultado da mudança climática.

Os dois fotógrafos, portanto, jogaram com isso para criar uma consciência coletiva. Eles coletaram fotos aquáticas tiradas nas Maldivas pelos turistas mergulhadores e as sobrepuseram em fotos tiradas nas casas dos nativos. Esta sobreposição cria a ilusão de vida humana no fundo dos oceanos.

Você sofreu muito enquanto planejava esta bienal?

Não, eu não sofri em nada. Mas mesmo assim, estou ciente do catastrofismo que a envolve. No entanto, coloco isso em perspectiva. Sabe, o fim do mundo, o apocalipse, são temas muito antigos que refletem uma demagogia política. Admito que esta edição de 2020 é, em suas escolhas, mais séria do que as edições anteriores. Mas fazer um parque de diversões depois de tudo o que passamos nesta primavera teria sido totalmente descabido.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo