Perspectivas suíças em 10 idiomas

Suíça pode prescrever cocaína para viciados

imagem
O vício em crack está aumentando na Suíça. KEYSTONE

A Suíça está analisando a possibilidade de realizar a distribuição controlada de cocaína para ajudar a tratar dependentes de crack.

Um número cada vez maior de especialistas pediu que se repensasse a política de dependência de drogas desde que um aumento significativo no consumo de crack foi observado em Genebra nos últimos três anos. A Comissão Federal para Dependência e Prevenção de Doenças Não Transmissíveis (EKSN) foi estimulada a entrar em ação.

Mostrar mais
Jovem fumando no escuro

Mostrar mais

Crack inunda cidades suíças

Este conteúdo foi publicado em Crack é cada vez mais consumido nas ruas do país. Os governos locais precisam lidar com essa emergência de saúde pública.

ler mais Crack inunda cidades suíças

“As pessoas que consomem crack várias vezes ao dia ficam presas em um círculo vicioso de aquisição e consumo”, disse o vice-presidente da EKSN, Christian Schneider, à emissora pública suíça SRF.

A análise estratégica da Polícia Cantonal de Zurique mostra a necessidade de locais adicionais e de fácil acesso – pontos de contato e locais de retiro – para viciados que mal dormem, comem, bebem e são negligenciados – ou que dormem exaustos por 24 horas seguidas.

Cidades afetadas

Genebra foi a primeira a ser afetada pela onda de crack, e agora outras cidades, como Lausanne, Basileia, Zurique e Chur, também foram afetadas. Algumas já reagiram e criaram serviços adicionais ou ainda estão planejando fazê-lo. O Departamento Federal de Saúde Pública também convocou mesas redondas com cantões e cidades.

Schneider supõe que a Suíça será afetada por essa situação por um longo tempo. Por isso, a comissão está solicitando investigações controladas sobre como as pessoas afetadas, muitas vezes com gravidade, podem ser melhor tratadas para que não surjam problemas ainda maiores.

Mostrar mais
Linhas de cocaína

Mostrar mais

“A disponibilidade de cocaína não tem precedentes”

Este conteúdo foi publicado em Como o mercado e o status da cocaína mudaram? Perguntamos a Frank Zobel, um dos maiores especialistas na área de dependência e política de drogas na Suíça.

ler mais “A disponibilidade de cocaína não tem precedentes”

“Estamos pelo menos sugerindo como a cocaína poderia ser dada a usuários de crack gravemente viciados para que eles possam quebrar o círculo vicioso e se recuperar”, diz Schneider. Ele está pensando em equipes que poderiam visitar os viciados e oferecer-lhes cuidados médicos ou psicoterápicos. Com base na distribuição bem-sucedida de heroína ou metadona nas últimas décadas, a cocaína deve ser distribuída de forma controlada.

Mas não há quase nenhuma pesquisa sobre isso, e os especialistas estão divididos: “Muito perigoso”, disse André Seidenberg, médico de Zurique e pioneiro das drogas, em uma entrevista ao NZZ em maio.

Mostrar mais

Resultados questionáveis

O especialista em medicina para dependentes químicos Marc Vogel, da Universidade de Clínicas Psiquiátricas da Basileia, faz parte de um grupo de trabalho que compilou abordagens de tratamento para dependência de crack e cocaína para o governo federal. Ele coloca a questão da seguinte forma: “A principal questão é se podemos alcançar a saturação para que as pessoas fiquem satisfeitas. Se isso funcionará com a distribuição de cocaína é, no mínimo, muito questionável”.

Ele ressalta que a cocaína é significativamente mais prejudicial do que os opioides, pois tem um forte efeito sobre o coração e os vasos sanguíneos e pode desencadear psicose: “Surgem muitas dúvidas. Os grandes sucessos obtidos com substitutos para o vício em opioides não podem ser transferidos para a cocaína.”

Mostrar mais

Schneider entende as vozes críticas: “Nós também não sugeriríamos simplesmente distribuir cocaína em grandes quantidades.” No entanto, sem propor um modelo concreto, é importante reunir experiências.

Schneider e Vogel concordam que a distribuição controlada de cocaína ou de um substituto não pode ser implementada rapidamente. É exatamente por isso que a comissão quer discutir o assunto com antecedência: “Quanto mais esperarmos, mais tarde haverá soluções para problemas que podem afetar as cidades novamente nas próximas semanas”, diz Schneider.

(Adaptação: Fernando Hirschy)

Conteúdo externo
Não foi possível salvar sua assinatura. Por favor, tente novamente.
Quase terminado… Nós precisamos confirmar o seu endereço e-mail. Para finalizar o processo de inscrição, clique por favor no link do e-mail enviado por nós há pouco
Notícias diárias

Receba as notícias mais importantes da Suíça em sua caixa postal eletrônica.

Diariamente

A política de privacidade da SRG SSR oferece informações adicionais sobre o processamento de dados. 

Preferidos do leitor

Os mais discutidos

Notícias

aeroporto

Mostrar mais

Aeroporto de Genebra cobrará taxa de atraso em 2025

Este conteúdo foi publicado em O Aeroporto de Genebra pretende lançar um sistema de cotas de poluição sonora no próximo ano. Os voos que partirem após as 22h terão que pagar uma taxa.

ler mais Aeroporto de Genebra cobrará taxa de atraso em 2025
imagem

Mostrar mais

Suíços não se preocupam em perder empregos para a IA

Este conteúdo foi publicado em A inteligência artificial (IA) está influenciando a vida profissional cotidiana. Na Suíça, muitas pessoas já têm experiência com IA, inclusive em seus empregos.

ler mais Suíços não se preocupam em perder empregos para a IA

Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR

SWI swissinfo.ch - sucursal da sociedade suíça de radiodifusão SRG SSR