Navigation

ONG pede boicote de marca suíça

A marca suíça de roupas íntimas femininas tem produção descentralizada swissinfo.ch

"Sustentar os seios e não a ditadura militar". A "Burma Compaign" acusa a marca suíça Triumph de apoiar o regime militar da Birmânia.

Este conteúdo foi publicado em 29. novembro 2001 - 16:58

A "Burma Campaign" - organização não governamental de defesa do povo da Birmânia, sediada em Londres - já havia lançado uma campanha contra a Triumph, em março de 2000. Da primeira vez, a ONG denunciava as más condições de trabalho na fábrica da Tiumph, na Birmânia.

Duas denúncias

Desta vez, o apelo da ONG ao boicote da marca suíça é claramente político. Segundo ela, mantendo-se na Birmânia, onde está instalada desde 1997, a Triumph ajuda a sustentar o o regime militar, no poder desde 1998.

A ONG dá dois exemplos para justificar a campanha, afirmando que a zona industrial onde a fábrica suíça está instalada é controlada diretamente pelos militares, que embolsariam inclusive o aluguel do parque industrial.

O regime também teria explorado mão de obra infantil na construção desse bairro industrial, segundo reportagem da televisão britânica BBC.

Permanecer na Birmânia

Em segundo lugar, como a produção é essencialmente destinada à exportação, os militares também cobrariam 5% de taxa de exportação, que também não iriam para o caixa do Estado.

Na Suíça, porta-voz da Triumph afirma que a empresa tomou nota do apelo ao boicote, mas que trata-se de um ato "isolado". Ela confirma também que não pretende sair da Birmânia.

swissinfo/Gaetan Vannay

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?