Navigation

Opositores iranianos são vigiados na Suíça

Manifestante na Suíça ia atear fogo na roupa como ocorreu em Paris. Keystone

Militantes do movimento "Moudjahidine do Povo" manifestaram-se em Berna, depois da prisão da operação massiça da polícia francesa, em Paris.

Este conteúdo foi publicado em 19. junho 2003 - 14:07

Na Suíça, os "moudhahidine" são poucos mas, mesmo assim, são constatemente vigiados.

Um militante do "Moudjahidine do Povo" foi salvo a tempo tempo quarta-feira, em Berna, quando ia atear fogo em sua roupa em frente à embaixada da França.

As roupas já estavam embebidas de gasolina quando a polícia interveio. Em seguida, o grupo de manifestantes iranianos abandonou calmamente o local, atendendo as ordens da polícia.

Centenas de simpatisantes

Mas a vigilância estreita do movimento na Suíça continua. "Estamos muito atentos para que a Suíça não se torne uma base de operações dessa organização", declarou um alto funcionário do Departamento Federal de Polícia (OFP).

Ele acrescentou que se outros países como a Alemanha, por exemplo, começarem a reprimir o movimento, é possível que alguns dirigentes tentem se instalar na Suíça. "Por isso, a Suíça vai continuar sua estreita vigilância", justificou.

No entanto, ao contrário dos Estados Unidos e da União Européia, a Suíça não classifica os "moudjahidine" como organização terrorista mas como "extremistas calmos", também conhecidos como Conselho Nacional da Resistência iraniana.

Dos 4 mil iranianos que vivem na Suíça, os militantes dessa organização seriam algumas centenas, segundo a polícia suíça, e relativamente discretos.

Assassinato em 1990

A última vez que haviam se manifestado na Suíça foi em 2000, no Fórum Econômico de Davos, quando lançaram sacos de tinta sobre representantes do governo iraniano. O movimento também organizou vários protestos diante da sede européia da ONU, em Genebra.

A Justiça suíça ainda não arquivou o processo sobre o assassinato contra um dos líderes do movimento, em 1990, perto de Genebra, supostamente por membros do serviço secreto iraniano.

swissinfo

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?