Navigation

Ministro da Saúde pede disciplina para temporada de esqui na contramão

"Somos independentes e podemos decidir nós mesmos se deixamos as estações de esqui abertas", disse Alain Berset na quinta-feira. Keystone / Peter Schneider

Os vizinhos França, Itália e Alemanha proibiram a abertura da temporada de esqui para conter a propagação da Covid-19.

Este conteúdo foi publicado em 27. novembro 2020 - 09:10
swissinfo.ch/fh

O governo suíço anunciou que as estações de esqui poderão abrir, desde que cumpram com rigorosas medidas de proteção. Também está confiante de que a vacinação poderá começar no primeiro trimestre de 2021.

"A temporada de esqui é um grande desafio. Ela requer bons planos de proteção e uma implementação rigorosa desses planos", disse o ministro do Interior responsável pela pasta da saúde, Alain Berset, durante uma coletiva de imprensa na quinta-feira. Ele advertiu que os desenvolvimentos nas próximas semanas são cruciais para manter as estações de esqui abertas.

Berset defendeu a decisão de permitir a abertura das estações de esqui suíças, dizendo que é possível imaginar que "existem diferenças entre as medidas de um país para o outro". Ele confirmou que o governo federal está em contato regular com os países vizinhos, mas que os fechamentos do outro lado da fronteira complicam a situação na Suíça.

"Somos independentes e podemos decidir nós mesmos se deixamos as estações de esqui abertas. Mas nós sabemos o que está em jogo. A situação não deve ficar fora de controle", disse Berset.

O governo federal está trabalhando em estreita colaboração com as autoridades cantonais na implementação de medidas de proteção, o que Berset disse ser o maior desafio para manter as estações de esqui abertas durante o inverno. Ele acrescentou que, pelo que disseram os especialistas, as estações de esqui têm bons planos, mas que também é preciso deixar claro o que acontece se eles não funcionarem.

Estratégia suíça

A situação da Covid-19 na Suíça melhorou na última semana, mas as hospitalizações e mortes continuam altas. "Os números vêm caindo há três semanas, e as medidas tomadas pelas autoridades estão produzindo efeito, graças em parte à disciplina da população", disse Berset.

O ministro da saúde caracterizou a estratégia suíça como uma mistura de autodisciplina, responsabilidade pessoal e senso comum. "Podemos continuar a viver - não há toque de recolher [e] nenhum confinamento como em outros países".

No final de outubro, o governo introduziu restrições, incluindo uma exigência de máscara em todo o país em áreas internas, em meio a novas infecções diárias que superaram 10.000.  Na quinta-feira, o país relatou pouco mais de 4.000 novos casos nas 24 horas anteriores. No entanto, a situação varia entre os cantões.

Berset fez um apelo à população suíça para permanecer disciplinada com a chegada do período de compras e festas, especialmente porque temperaturas mais frias significam passar mais tempo em ambientes fechados. A redução do número de casos é fundamental para permitir o rastreamento de contatos.

"Você não pode imaginar que a situação tenha ficado para trás com as festas à nossa frente", disse Berset.

Progresso nas vacinas

O governo espera que seja possível iniciar as vacinações na primeira parte de 2021. A vacina deve ser gratuita para a população, mas Berset confirmou que não haverá vacinação obrigatória.

Virginie Masserey, responsável dos programas de controle de infecções e vacinação do Ministério da Saúde, disse que atualmente não há dados suficientes sobre a imunidade a longo prazo dos candidatos à vacina para dizer qual a proporção da população que precisa ser vacinada. Espera-se que a prioridade sejam os idosos e outros grupos de alto risco.

O governo tem enfrentado críticas sobre o ritmo mais lento que outros países para disponibilizar uma vacina. Berset reiterou que não irá comprometer a segurança.

Uma vez aprovada uma vacina, Berset prevê "o maior desafio logístico na área da saúde de todos os tempos". Os cantões seriam responsáveis por garantir que a população possa ser vacinada o mais rápido possível.

Ele acrescentou que é pouco provável que grandes volumes de uma vacina estejam disponíveis até a primavera.

Até agora, a Suíça finalizou contratos com Moderna e AstraZeneca, se as vacinas dessas empresas se mostrarem eficazes e seguras. O país tinha uma reserva vinculativa com a Pfizer/BioNtech, mas os detalhes finais ainda estão em discussão.

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo