Navigation

Suíça vai acolher mais dois prisioneiros de Guantânamo

Os dois prisioneiros sequer foram indiciados. AFP

Apesar das pressões da China, a Suíça aceitou acolher dois prisioneiros uigures de Guantânamo. Depois de meses de hesitação, o governo federal suíço deu seu aval nesta quarta-feira (3/2).

Este conteúdo foi publicado em 03. fevereiro 2010 - 16:37

Os dois irmãos vão residir no estado (cantão) do Jura, oeste da Suíça.

A decisão do governo federal suíço foi anunciada um dia depois do governo estadual do Jura ter confirmado sua intenção de acolher os dois prisioneiros e irmãos uigures.

O Departamento Federal de Migração recebeu a ordem de emitir as autorizações de estadia para os dois membros de uma etnia minoritária e muçulmana da China.

Eles passaram quatro anos em Guatânamo sem jamais serem indiciados nem julgados e não representam qualquer risco para a segurança, segundo análise de especialistas, disse diante da imprensa, em Berna, a ministra da Justiça Eveline Widmer-Schumpf.

A ministra declarou que "nós, obviamente, fizemos uma avaliação política de interesses. É sabido que a China manisferá seu descontentamento, mas o Conselho Federal (executivo) não decidiu a favor ou contra um Estado e sim pela tradição humanitária."

Ela disse ainda que os dois uigures se comprometeram a aprender francês, língua oficial do estado do Jura, e a se integrarem profissionalmente.

Em janeiro, a Suíça acolheu um outro prisioneiro de Guantânamo, oriundo do Usbequistão, que vive em Genebra.

Reações

A embaixada da China em Berna rejeitou categoricamente a decisão do governo suíço. “Esta é uma decisão contrária aos interesses fundamentais dos dois países”, disse Feng Haiyang, conselheiro da embaixada, à swissinfo.ch.

Em Berna, a ONG Sociedade pelos Povos Ameaçados (SPM) saudou a decisão do governo suíço de acolher os dois detentos de Guantânamo “que poderão assim levar uma vida de liberdade no estado do Jura”.

Em comunicado à imprensa, a SPM se diz “satisfeita que o governo suíço deu mais importância aos direitos humanos do que aos interesses da indústria suíça de exportação”.

O governo estadual do Jura informou que, ao acolher os dois irmãos uigures, a Suíça contribui para o fechamento da prisão norte-americana de Guantânamo.

swissinfo.ch (com agências)

uigures

Os uigures são um povo de origem turcomena que habita principalmente a Ásia Central.

Os uigures são uma das 56 etnias oficialmente reconhecidas pela China, consistindo de aproximadamente 8.68 milhões de pessoas, de acordo com o recenseamento chinês de 2004. Sua língua é o uigur.

Na atualidade, os uigures vivem principalmente na região autônoma chinesa de Xinjiang, no extremo-oeste do país.

Há também grandes comunidades uigures no Paquistão, Cazaquistão, Quirguízia, Mongólia, Uzbequistão e Turquia, além de pequenas comunidades em bairros de grandes metrópoles como Pequim e Xangai, na China, e mesmo Toronto e Vancouver, no Canadá.

Fonte: Wikipédia

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?