Navigation

Uma campanha para atrair a classe média à cidade

Casos sociais demais, falta de glamour: a cidade de Bienne, no cantão de Berna, sofre uma má reputação. As autoridades da cidade lançaram uma campanha para incentivar a vinda de novos residentes da classe média.

Este conteúdo foi publicado em 09. janeiro 2018 - 15:48
swissinfo.ch
A cidade de Bienne (ou Biel, em alemão) tem muitas coisas a oferecer: um belo centro antigo, um lago e os picos próximos da cordilheira do Jura willkommeninbiel.ch

A estrutura da população de Bienne é única na Suíça. Por um lado, ela é perfeitamente bilíngue francês-alemão (em alemão a cidade se chama Biel). Por outro lado, a cidade tem o maior número de dependentes de ajuda social do país e um em cada três habitantes é estrangeiro. Ao mesmo tempo, Bienne é o lar de uma indústria altamente especializada, cujos nomes principais são Rolex, Swatch ou Omega. "Foi só em 1850 que Bienne se tornou uma cidade graças à indústria relojoeira", conta o prefeito Erich Fehr. É por isso que não temos uma aristocracia antiga. Bienne sempre foi e ainda é uma cidade industrial.

Mão de obra

Embora usasse pequenas mãos, a indústria agora procura especialistas: engenheiros, programadores e outros especialistas em tecnologia. Nos últimos anos, a indústria de Bienne tem enfrentado dificuldades no preenchimento de posições adequadas. A antiga cidade da classe trabalhadora parece muito pouco atraente do lado de fora. Além disso, muitos funcionários da indústria de Bienne preferem se instalar fora da cidade e se deslocar de casa para o trabalho todos os dias.

Tomar uma cerveja e apresentar sua cidade para os novos moradores: é o que propõe cerca de 200 biennenses no âmbito de uma campanha original lançada pelas autoridades municipais willkommeninbiel.ch

A cidade precisa da classe média

No nível sociodemográfico, Bienne também enfrenta problemas crescentes. A taxa de assistência social está aumentando constantemente e agora é de 12%. Isso significa que mais de uma em cada dez pessoas vive de renda pública, gerando altos custos para a comunidade. Do lado da receita, não é melhor: a contribuição fiscal de pessoas físicas é menor que a da maioria das outras cidades suíças.

As autoridades municipais, portanto, querem atrair mais pessoas de classe média com melhores rendimentos. Uma campanhaLink externo para esse efeito foi lançada recentemente. Mais de 200 pessoas se ofereceram para servir como anfitriões e guias para potenciais novatos na cidade. "É difícil mudar um preconceito. Enquanto a publicidade geralmente procura enfeitar a realidade, fizemos o contrário", diz o publicitário Gabriel Peisker, que elaborou a campanha.

O objetivo é mostrar a autenticidade e o verdadeiro rosto da cidade. Gabriel Peisker aposta em uma fórmula simples. "Nós sabíamos que as pessoas que vivem aqui ou são atraídas por esta cidade estão absolutamente encantadas e felizes em falar sobre isso", observa.

Conteúdo externo

"Tolerância, criatividade e inovação"

A agência de publicidade de Gabriel Peisker explora esse entusiasmo na campanha. Salvador Ataso é uma das mais de 200 pessoas que se disponibilizaram a apresentar sua cidade. "Para mim, Bienne significa abertura para o mundo, a tolerância dos suíços franceses combinada com a cordialidade dos berneses. Bienne é inovação, tecnologia e expertise mecânica. Uma mistura absolutamente única na Suíça", diz.

"Quando você é novo em uma cidade, você geralmente está sozinho e precisa fazer uma nova rede de contatos. Esse problema está agora resolvido para todos em Bienne", garante o publicitário.

Conteúdo externo

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.