Indústria do turismo deve se adaptar aos novos hábitos de viagem

Sair de férias no próprio país, em grupos menores e às vezes com restrições - esta é a nova realidade à qual a indústria do turismo deve se adaptar, segundo um estudo da Universidade de St Gallen.

Este conteúdo foi publicado em 27. maio 2020 - 10:30
Por enquanto, a Suíça deve se adaptar ao turismo doméstico Keystone

Mobilidade e socialização: ambas são indesejáveis em tempos de Covid-19. A indústria do turismo foi, portanto, a primeira a ser afetada pelo “lockdown” e outras medidas adotadas pelo governo e "será uma das últimas a reabrir", dizem os autores do estudo, Christian Laesser e Thomas Bieger.

Embora as pessoas certamente queiram viajar, elas continuam relutantes em fazê-lo por causa dos riscos à saúde e incertezas econômicas. "Por enquanto, a Suíça deve se adaptar ao turismo doméstico. Isto é difícil de controlar por causa da hesitação dos hóspedes, viagens de curto prazo e estadias curtas". 

Sistemas de preços flexíveis poderiam ajudar a equilibrar os horários de pico e a utilização da capacidade. Além disso, vales válidos local e regionalmente com um valor nominal superior ao preço a ser pago poderiam impulsionar a demanda, de acordo com a Universidade de St Gallen. 

Os autores esperam uma recuperação com grupos menores viajando em família ou amigos e pessoas que não pertencem a grupos de risco. Viagens planejadas a curto prazo de carro, motocicleta ou bicicleta para áreas relativamente remotas e pouco povoadas têm mais probabilidade de serem populares do que viagens mais longas em grupos maiores utilizando transporte público. 

Pressão dos preços 

Os preços dos hotéis urbanos para turistas e empresários devem sofrer uma pressão especial no verão e no outono, prevê o estudo. Ele espera boa demanda e preços estáveis em outras formas de acomodação, bem como em hotéis de férias rurais com uma alta proporção de clientes regulares suíços. 

Embora a recuperação esteja começando na Suíça, é provável que se espalhe para a Europa a partir do terceiro trimestre de 2020. Uma recuperação no turismo de outros continentes não deve se instalar até meados de 2021, acreditam os autores. 

Eles acham que as viagens internacionais não "se recuperariam razoavelmente" por mais três anos.


Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo