Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Suíça rica Como eles se tornaram milionários

O piloto alemão de Fórmula 1, Michael Schumacher,l vive nessa residência em Gland, às margens do lago de Genebra.

(Keystone)

Segundo a revista econômica "Bilanz", um terço das 300 pessoas mais ricas na Suíça é bilionária. Alguns deles pertencem a famílias conhecidas. A metade não é originária da Suíça e muitos vêm da Alemanha.

Desde os anos 1980 um bom número dos abonados atuava no setor financeiro. Porém a pequena lista que apresentamos aqui mostra que eles podem vir também de outras áreas.  

 Setor farmacêutico 

(youtube)

Herdeiro e filantropo

André Hoffmann é um dos herdeiros do império farmacêutico Hoffmann-La Roche. Desde 1996 faz parte também do conselho de administração da empresa. Graças ao seu pacote de ações, as duas famílias herdeiras Hofmann e Oeri são donas de uma fortuna de aproximadamente 20 bilhões de francos suíços. Em 2004, André Hoffmann se tornou porta-voz das famílias. Assim como seu pai, Lukas, ele também se engaja pelo meio ambiente. Há pouco a mídia noticiou que ele estava apoiando a iniciativa "Economia Verde". Ela prevê que a Suíça irá reduzir o seu consumo em dois terços até 2050. 

Finanças e setor químico 

(Reuters)

De empresário a politico

Christoph Blocher é um dos fundadores do Partido do Povo Suíço (SVP, na sigla em alemão). Em 2003 ele foi eleito para o cargo de ministro no Conselho Federal (o corpo de sete ministros que governa o país). Quatro anos depois não foi reeleito. Segundo a "Bilanz", a família Blocher é dona de uma fortuna avaliada em 7 a 8 bilhões de francos.

Os Blochers conseguiram até aumentar a sua fortuna no ano passado. Segundo notícias da imprensa, a explicação encontra-se nas operações financeiras. Porém a origem da fortuna começou em 1983, quando Christoph Blocher comprou a baixo preço a empresa química EMS dos seus fundadores. O jornal "Neue Zürcher Zeitung" escreveu em 1987: através da especulação na bolsa de valores, a EMS parece mais uma "espécie de fundo de investimentos" do que uma fábrica. Não se sabe até que ponto suas operações contribuíram à riqueza da família. Hoje a empresa é conduzida pela filha de Blocher. Até hoje o grupo é especializado na fabricação de polímeros e produtos químicos especiais.  

Plástico

(SRF)

Ativista político com 17 mil funcionários

Jobst Wagner já foi considerado pela mídia com o "anti-Blocher". Isso, pois ele foi um dos fundadores da associaçao "Vantagem Suíça", cujo principal fim era salvar o caminho das negociações bilaterais com a União Europeia, em contracorrente à política defendida por Blocher. Ele dirige a empresa herdada dos pais, Rehau AG. Sua fortuna é avaliada em 800 milhões de francos. A empresa tem 17 mil funcionários e atua em 50 países.  

Negócios com matérias-primas

(Reuters)

Caçador de oportunidades

Ivan Glasenberg, diretor-presidente e maior acionista da empresa Glencore, começou a atuar na comercialização de matérias-primas na filial da África do Sul do legendário Marc Rich. Mais tarde ela foi rebatizada com o nome "Glencore". Até 2011, ela pertencia a 500 funcionários em posições de liderança. O mais rico deles é Ivan Glasenberg: sua participação é avaliada em 9,3 bilhões de dólares. A função com a empresa Xstrata tornou o grupo um dos mais importantes no setor de comércio de matérias-primas. Ele é muito criticado por ONGs pelas suas estratégias fiscais e alegadas violações dos direitos humanos e danos ambientais. 

Pinturas do avô

(AFP)

Milhões como indenização

Marina Picasso, neta de Pablo Picasso, odiava o avô. Mas com a venda de algumas das suas pinturas, essa mulher de 64 anos entrou para a lista dos mais ricos na Suíça. Dentre outros, ela vendeu a pintura da sua avó, Olga Chochlova. Ela foi a primeira mulher de Pablo Picasso. A pintura "Portrait de femme", de 1923, é avaliada em 60 milhões de francos.

Ela não teve dificuldade de se separar da obra. Única herdeira, ela ainda possui 400 pinturas e 7.000 desenhos. Porém só tem más lembranças do famoso avô. Em 2001 revelou-as em uma biografia. Em sua opinião, era um "monstro egoísta", "incapaz de amar os próximos". Por muitos anos sofreu com a sua tirania.  

Fortuna com imóveis

(Mara Truog / 13 Photo)

Como criança foi pobre. Depois enriqueceu

Robert Heuberger é apenas um dos magnatas da especulação imobiliária na Suíça. Porém dos 300 suíços mais ricos, ele é o mais velho: tem 94 anos. Heuberger seria dono de dois mil imóveis, dentre eles hotéis, shopping-centers e escritórios. A revista Bilanz avalia sua fortuna entre 450 e 500 milhões de francos. 

Corridas de automóvel

(Keystone)

Rapidez para fazer fortuna

Sebastian Vettel tem apenas 29 anos, mas é o mais jovem dos mais ricos da Suíça. O piloto de Fórmula 1 e estrangeiro radicado na Suíça tem uma fortuna avaliada entre 150 e 200 milhões de francos. Quatro vezes campeão mundial, seu salário fixo em 2016 foi de 30 milhões de francos. O dinheiro é investido, dentre outros, em imóveis.

Dinheiro com dados de esportes

(Gerry Nitsch)

Tecnologia e boas ideias

Carsten Koerl é considerado o cartógrafo do esporte de elite. O engenheiro alemão de 51 anos é um dos mais novos integrantes do grupo de mais ricos da Suíça. Antes da queda nas bolsas de valores no período do "Dotcom", ele vendeu sua participação na empresa que ajudou a criar: a Betandwin, de apostas. Assim se tornou multimilionário. Sua fortuna é avaliada entre 150 e 200 milhões de francos. Hoje, como proprietário da empresa Sportradar, continua participando de competições. A empresa fornece dados esportivos para as mídias e indústria de apostas.


Adaptação: Alexander Thoele

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

Suas perguntas se transformam em nossas matérias

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.