Navigation

Syngenta recorre contra desapropriação de área no Paraná

Sede mundial da Syngenta em Basiléia, noroeste da Suíça.

A gigante suíça do setor agroquímico Syngenta vai tentar evitar na justiça a desapropriação de uma área de experiência com transgênicos perto do Parque Nacional de Iguaçu, supostamente por atividade ilegal.

Este conteúdo foi publicado em 05. fevereiro 2007 - 16:49

A desapropriação foi decretada pelo governo do Paraná de uma área de 143 hectares em novembro, atendendo ao pedido da Ong Via Campesina. A intenção é criar no local um centro de pesquisa em agricultura agro-ecológica.

A multinacional suíça Syngenta entrou com um mandado de segurança contra a desapropriação da estação de pesquisa em Santa Teresa do Oeste, no Paraná, decretada em novembro pelo governador paranaense Roberto Requião.

A fazenda, situada a 4 kms do Parque Nacional do Iguaçu - tombado pela Unesco como patrimônio mundial da humanidade - era utilizada pela empresa suíça para testes com soja e milho transgênicos.

No mandado de segurança impetrado na justiça do Paraná, o diretor geral da Syngenta Seeds no Brasil, Pedro Rugeroni, alega que a direção da empresa acredita que há lugares mais adequados para implantar esse tipo de projeto no Brasil, referindo-se ao centro de pesquisa em agricultura agro-ecológica que seria criado na área desapropriada.

"Temos argumentos legais para atacar o decreto do governador", afirmou o porta-voz da Syngenta Medard Schoenmaeckers. A empresa garante que está preparada para recorrer em todas as instâncias do sistema judiciário brasileiro.

Em março do ano passado, o Ibama processou por crime ambiental a empresa e outros dezesseis produtores da região por plantio de soja dentro da zona de amortecimento de 10 kms do Parque Iguaçu, estabelecida para evitar eventual contaminação da biodiversidade. A Syngenta foi multada em 1 milhão de reais (600 mil francos suíços).

Desde essa época, cerca de 300 militantes da Ong Via Campesina estão acampados perto da fazenda da Syngenta.

O decreto de expropriação assinado pelo governador paranaense e a decisão de criar no local um centro agro-ecológico atendeu a uma demanda da Via Campesina, que enviou congratuções a Requião através de uma carta.

Nada ilegal

Em Basiléia, sede mundial da companhia, a Syngenta nega terminantemente qualquer atividade ilegal em Santa Tereza do Oeste, afirmando que suas experiências são feitas fora da área de proteção ambiental.

A empresa afirma que obteve todas as autorizações legais da Comissão Técnica Nacional para a Biossegurança para fazer suas experiências e alega ser vítima de uma luta de poder entre a Comissão e o Ibama.

A companhia suíça suspeita que desapropriação é motivada por razões políticas porque a Procuradoria do Paraná havia dado razão à Syngenta. "É fato que o governador paranaese já havia se expressado contra os transgênicos", disse o porta-voz Schoenmaeckers a swissinfo

A multinacional suíça acrecida que a posição do governador não é representativa de toda a sociedade local. "Estamos presentes da região desde 1988 e nunca fomos hostilizados pelos agricultores", acrescentou Schoenmaeckers.

A Syngenta espera nos próximos meses uma decisão favorável da justiça contra a desapropriação.

swissnfo com agências

Fatos

Sediada em Basiléia (noroeste da Suíça) a Syngenta é uma das líderes mundiais no comércio de sementes.
Em 2005, ela teve um lucro bruto 1 milhão de francos suíços (+25%)
O faturamento em 2005 foi de aproximadamente 8,1 bilhões de dólares.
Nos primeiros nove meses de 2006 as vendas cairam 1% (6.61 bilhões de dólares)
A Syngenta emprega mais de 19 mil pessoas em 90 países.

End of insertion

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Em conformidade com os padrões da JTI

Em conformidade com os padrões da JTI

Mostrar mais: Certificação JTI para a SWI swissinfo.ch

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch

Partilhar este artigo

Modificar sua senha

Você quer realmente deletar seu perfil?