Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Trabalho pesado Portugueses são os que mais sofrem acidentes de trabalho na Suíça

Os portugueses que vivem na Suíça estão amplamente representados em áreas onde as condições de trabalho são difíceis: construção, restauração, limpeza e agricultura. Eles estão, portanto, mais expostos ao risco de acidentes do que outros imigrantes.

Des ouvriers habillés en orange

Expostos ao vento e ao clima rigoroso, em condições duras e perigosas: para muitos portugueses na Suíça, essa é a rotina de seu trabalho

(© KEYSTONE / URS FLUEELER)

Em busca de emprego, João Lopez deixou seu país natal, Portugal, em 1989, para acompanhar seu irmão mais velho à Suíça, na região de montanha do cantão de Berna. Ele trabalhou pela primeira vez na gastronomia e depois na indústria de alimentos. Desde 2002, ele tem sido ativo no campo da construção e sofreu dois acidentes de trabalho.

O primeiro de menor gravidade: um pedaço de concreto caiu em seu pé e quebrou seu dedão do pé. Mas o segundo foi muito mais sério: enquanto ele cortava madeira, seu polegar passava por baixo da lâmina da serra, cortando sua pele, tendões e ossos. Os cirurgiões conseguiram salvar o polegar. Hoje, João Lopez pode voltar a trabalhar quase como antes. Sua mão dói apenas quando está frio.

João Lopez é um dos milhares de portugueses que sofreram um acidente de trabalho na Suíça. Eles estão expostos a um risco maior do que outros imigrantes. Olhando para as estatística de acidentes de trabalhoLink externo (em alemão), vemos que com 18.300 acidentes reconhecidos em 2016, os portugueses estão muito à frente dos italianos (14.800) e dos alemães (13.000). Embora a proporção na Suíça de indivíduos de Portugal seja de apenas 13% (268.000), atrás da Itália (15,5%, 320.000) e Alemanha (14,9%, 306.000).

Graphique Portugais

Graphique sur les accidents de travail

Trabalho manual

Os portugueses obviamente não estão predispostos a sofrer mais lesões do que outros imigrantes. Fatores como idade, sexo, taxa de ocupação e trabalho perigoso são cruciais. Os portugueses estão super-representados em ocupações que envolvem alto risco de acidentes.

No setor da construção, onde ocorrem anualmente cerca de 28.500 acidentes, 20% das vítimas são trabalhadores portugueses. Em segundo lugar estão os italianos com uma taxa de 8%. De acordo com o Fundo Nacional Suíço de Seguro contra Acidentes (SUVA), a proporção de portugueses na construção excede agora a dos italianos.

"Os trabalhadores portugueses neste setor realizam principalmente tarefas que não exigem qualificações especiais, trabalho manual que apresenta maiores riscos", afirma a especialista em migração Isabel BartalLink externo, que explica esta tendência pelo fato dos "empregadores suíços procurarem pessoas em Portugal que estejam prontas a trabalhar em condições difíceis".

As estatísticas salariais confirmam a avaliação feita por Isabel Bartal. "Na classe de renda mais baixa (trabalhador não qualificado sem nenhuma experiência particular), a proporção de portugueses é de 44%, claramente o grupo maior, revela Serge Gnos, do sindicato Unia. “A Suíça importa pessoal pouco qualificado para trabalhar na construção porque esta força de trabalho obviamente não está disponível localmente. E ela encontra esses trabalhadores principalmente em Portugal".

Serge Gnos acrescenta: "Quando falamos com os trabalhadores nos canteiros de obras, descobrimos que muitos deles já se conheciam antes de virem para a Suíça. Ao recrutar, as empresas procuram trabalhadores com quem tiveram boa experiência. Também é mais fácil gerenciar um grupo que fala a mesma língua".

Sem queixas

O fato dos portugueses colocarem suas vidas e a saúde em perigo não é um tema de grande debate na diáspora portuguesa, observa Isabel Bartal, que tem dupla nacionalidade suíça e portuguesa. Nem os sindicatos nem a Sociedade Suíça de Empreendedores receberam reclamações ou pedidos de maior segurança no local de trabalho.

"Ao conversar com meus compatriotas, o assunto muitas vezes se refere a acidentes concretos: um machucou o ombro, o outro teve dor nas costas, o terceiro recebeu um objeto em sua cabeça enquanto trabalhava, diz a especialista em migração. Mas quando falamos sobre as causas dessa alta taxa de acidentes, eles consideram isso uma reprovação”.

No entanto, nas estatísticas de acidentes recreativos, os portugueses ocupam um dos últimos lugares. A razão é que alguém com um trabalho perigoso tende a correr menos risco em seu tempo livre, como mostram os dados do SUVA.

Nova forma de status sazonal

Os portugueses também se distinguem nas estatísticas de desemprego. Durante o verão, eles estão facilmente abaixo da média de outras populações estrangeiras, enquanto no inverno sua taxa de desemprego costuma atingir 10%.

Estas discrepâncias estão relacionadas com o fato dos portugueses serem geralmente empregados em áreas com flutuações sazonais significativas. A maioria de seus empregadores terminam contratos de trabalho no final do ano e contratam novamente na primavera. Durante o período de desemprego, muitos portugueses voltam para casa, onde recebem legalmente o dinheiro do seguro-desemprego suíço.

Esta prática baseia-se num regulamento elaborado no âmbito do acordo sobre a livre circulação de pessoas entre a União Europeia (UE) e a Suíça. As prestações de desemprego são pagas pelas autoridades competentes do país de origem e faturadas à Suíça. Esta disposição também se aplica aos cidadãos suíços que têm direito a prestações de desemprego de um Estado-Membro da UE.

O sindicalista Serge Gnos descreve esta convenção como uma nova forma de status sazonal, que regula as autorizações de curta duração. Esse status permitiu que as empresas suíças contratassem trabalhadores estrangeiros por alguns meses. Ele foi abandonado em 2002, após críticas da esquerda e de organizações não governamentais denunciando a criação de uma categoria de trabalho privada de seus direitos.

Este regulamento sobre estadias curtas também levanta questões, considera Isabel Bartal: "Ao contrário do status sazonal, os trabalhadores agora têm o direito de levar sua família com eles. Mas ainda precisamos nos preocupar com a educação das crianças quando elas faltam três meses de aulas na Suíça. Os portugueses nada fazem para melhorar a situação, porque para eles a Suíça é essencialmente um local de trabalho e não um lugar para viver”, diz a especialista em migração.

"Além do aspecto econômico, eles não têm motivos para sair de Portugal. É um país lindo onde a vida é boa, não há guerra, pouca corrupção e crime. O único problema é que muitas pessoas não conseguem encontrar emprego. É por isso que elas vêm para a Suíça: não para integrar, apenas para trabalhar".


Muitos trabalhadores estrangeiros podem reivindicar as alocações de desemprego em seus países de origem durante as pausas de inverno. Para cumprir a regulamentação sobre a livre circulação de pessoas, a Suíça é obrigada a cobrir esses custos. (SRF/swissinfo.ch) No ano passado, a Suíça pagou subsídios de desemprego para 27 mil pessoas que vivem no exterior. O montante foi de quase 200 milhões de francos. A maior parte do dinheiro vai para as pessoas que vivem perto da fronteira com a Suíça, na França, Itália ou Alemanha, que perderam seus empregos na Suíça ou se demitiram. Os trabalhadores estrangeiros estão se beneficiando com um regulamento da União Europeia relacionado à livre circulação de pessoas, que obriga a Suíça a contribuir com dinheiro para os países membros da UE. A Secretaria de Estado da Economia (SECO) da Suíça subestimou totalmente os custos desse sistema. A taxa de desemprego na Suíça aumentou para 5,1% - o pior resultado em seis anos - como consequência da alta do franco. Existem hoje cerca de 249 mil pessoas sem trabalho na Suíça, de acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT). São 37 mil desempregados a mais do que no mesmo período do ano passado. Os últimos números da OIT mostram um aumento mais acentuado nas taxas de desemprego de estrangeiros e jovens de 15 a 24 anos.


Adaptação: Fernando Hirschy, swissinfo.ch

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.