Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Chineses querem "reconstruir" St. Moritz

A versão chinesa da St. Moritz também aposta no luxo.

(St. Moritz Gardens)

A exclusiva estação de esqui de luxo St. Moritz, ao leste da Suíça, revelou detalhes do acordo de licenciamento realizado para a construção de um empreendimento imobiliário em Shenzhen, China, e que terá o mesmo nome do vilarejo suíço.

Os "Jardins de St. Moritz" não serão apenas um dos locais mais caros para viver nessa cidade de 10 milhões de habitantes em plena expansão econômica, mas também um cartaz publicitário único e gratuito para o vilarejo suíço.

A nova área residencial de Shenzhen está localizada no chamado "distrito do Lago de Mel" e deve servir de moradia para mais de cinco mil pessoas, quando sua construção for concluída em dois anos.

Cercado por montanhas cobertas de florestas, o empreendimento terá um clube, duas piscinas, um centro de saúde, um "spa", cinema e sua própria escola de balé e conservatório de música. E uma área de 300 metros quadrados denominado "Pavilhão Suíça" servirá para os residentes terem mais apetite de conhecer o original.

A parceria com o vilarejo suíço começou em 2004, quando os empreendedores estavam procurando um nome para a nova área residencial. Eles entraram em contato com a direção da Suíça Turismo em Hong Kong, a representação do órgão oficial de turismo do país dos Alpes, que lhes vendeu então a idéia de batizar o condomínio de "St. Moritz".

"A maioria dos chineses nunca ouviu falar de St. Moritz. A maior parte que viaja ao país vai preferencialmente a cidades como Zurique, Genebra, Interlaken ou Montreux", explica Casey Liu, diretor da Suíça Turismo para Hong Kong e sul da China.

Mas ela conta também que os empreendedores chineses estavam procurando um nome mais exclusivo, como por exemplo Interlaken. Porém, depois que uma delegação de chineses esteve em St. Moritz e suíços de St. Moritz em Shenzhen, o contrato foi assinado permitindo utilizar o nome do chique resort de férias de inverno suíço como marca do condomínio chinês.

O acordo vem em bom tempo para a Suíça Turismo, que já investe há um bom tempo em campanhas promocionais na China. Também o futuro de locais como St. Moritz e outras regiões turísticas do país depende de como eles são conhecidos em novos mercados internacionais.

Em St. Moritz, por exemplo, apenas 30% da ocupação dos hotéis é realizada através de turistas suíços. No resto do país, a ocupação é de 50% de turistas internos.

Jet set

St. Moritz sempre viveu da sua reputação de vilarejo exclusivo para o jet set internacional – o príncipe Charles da Grã-Bretanha e sua família são freqüentadores assíduos – mas ganhou uma má fama na imprensa nacional devido à explosão de diversos projetos imobiliários de residências de férias e chalés. Para os críticos, eles estão destruindo a paisagem da região.

Ironicamente, é a demanda de residências de luxo na China que pode assegurar o futuro de St. Moritz.

O diretor de turismo do local, Hans Peter Danuser, que liderou a iniciativa de registrar o nome do resort há vinte anos, está convencido que o projeto Jardins de St. Moritz será uma grande ajuda para gerar mais de 20 mil pernoites através da vinda de turistas chineses nos próximos anos.

"Esse é o mais caro, mais exclusivo e extravagante desenvolvimento na área", declara Danuser à swissinfo. "Essa região na China tem um clima subtropical e pode ser bem quente no verão. Eu posso imaginar seus moradores sonhando com as geleiras suíças e reservando uma passagem no Glacier Express, o trem que corta as geleiras e faz uma parada em St. Moritz".

Danuser afirma que o registro de um nome como uma marca só faz sentido financeiro se ela é promovida comercialmente. Por isso o resort suíço vendeu os direitos para outras companhias, permitindo-as de utilizar o nome "St. Moritz" nos produtos mais variados como relógios, champanhe e outros.

Os Jardins de St. Moritz não precisaram pagar pelo uso da marca, porém o contrato feito com os empreendedores chineses estipula que certos critérios de qualidade devem ser respeitados.

Placas nas auto-estradas chinesas mostrando o caminho para "St. Moritz" tornarão o resort suíço mais conhecido ao público na província de Guangdong. E se e quando os turistas da China começarem a chegar em St. Moritz, eles serão recebidos no seu próprio idioma.

"O nosso material publicitário mais importante já está impresso em mandarim", declara Danuser. "E as placas indicativas para alguns dos nossos passeios estão escritas em inglês, japonês e...agora também em mandarim".

swissinfo, Dale Bechtel

Breves

- A Suíça foi qualificada pelo governo chinês com o "Status Aprovado de Destino" (Approved Destination Status - ADS) em setembro de 2004.

- A medida diminui grande parte das barreiras burocráticas para turistas chineses que desejam conhecer os chamados países ADS.

- O número de turistas chineses visitando a Suíça cresceu rapidamente desde então. Nos primeiros nove meses de 2006 ocorreu um crescimento de 17,6%, enquanto o número de turistas estrangeiros vindos de outros continentes cresceu apenas 6,2%.

- Suíça Turismo prevê que o número de pernoites de turistas chineses em hotéis helvéticos irá passar de 180 mil em 2006 para 300 no ano que vem, colocando-os na segunda posição de importância atrás apenas dos japoneses.

Aqui termina o infobox

Neuer Inhalt

Horizontal Line


Teaser Instagram

Siga-nos no Instagram

Siga-nos no Instagram

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.