Navegação

Menu Skip link

Funcionalidade principal

Peregrinação ecumênica Por que o Papa vem visitar o Conselho Mundial de Igrejas?

Papa

O Papa Francisco (à dir.) com o bispo Angelo De Donatis durante encontro eclesiástico em Roma. Francisco tem se esforçado para estreitar os laços da Igreja Católica com outras denominações cristãs.

(Keystone)

O papa Francisco fará uma rara visita de um dia a Genebra no dia 21 de junho, onde se encontrará com o presidente suíço e realizará uma missa no aeroporto. Mas antes disso ele está indo para o Conselho Mundial de Igrejas (WCC) para conversações. Por que ele está visitando esse órgão religioso pouco conhecido?

A última visita papal à Suíça ocorreu em 2004, quando o papa João Paulo II chegou a Berna um ano antes de sua morte. João Paulo II já havia visitado várias organizações internacionais em Genebra - também conhecido como a Roma Protestante - em 1984, incluindo o CMI. Paulo VI também foi lá em 1969.

A excitação com a visita do Papa está tomando a organização sediada em Genebra, que celebra seu 70º aniversário este ano. A viagem papal do mês que vem, sob o lema "Andando, rezando e trabalhando juntos", é o resultado de cinco anos de esforços dos funcionários do CMI, após a nomeação do Papa Francisco em 2013.

“A visita do Papa Francisco nesta peregrinação ecumênica ao CMI em nosso 70º aniversário é um marco histórico na busca da unidade dos cristãos e da cooperação entre as igrejas para um mundo com paz e justiça”, entusiasma-se Olav Fykse Tveit, secretário-geral do CMI, em conversa com repórteres na terça-feira.

Fundada em 1948, essa discreta organização religiosa reúne as igrejas ortodoxas, anglicanas, metodistas, batistas, luteranas e reformadas do mundo - 350 igrejas-membros no total - mas não a Igreja Católica Romana, com quem sempre teve um relacionamento complicado.

+ Leia mais sobre a visita do Papa a Genebra em 21 de junho

Como as Nações Unidas, o CMI foi criado após a Segunda Guerra Mundial, na esperança de que os cristãos pudessem deixar de lado suas diferenças doutrinárias e ajudar a construir um novo mundo. A organização, que tem cerca de 100 funcionários em Genebra, diz que se concentra no “fortalecimento das relações com igrejas-membros e parceiros ecumênicos, vida espiritual, engajamento dos jovens, diálogo inter-religioso e cooperação e construção de uma comunidade justa de mulheres e homens”.

A Igreja Católica Romana decidiu não se juntar ao CMI quando foi criada, nem mais tarde na década de 1960, quando a questão da unidade cristã foi debatida e os dois corpos se aproximaram.

Andrzej Choromanski, representante do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, disse que a decisão de não ingressar foi tomada por "razões teológicas e práticas" e permanece fora dos padrões.

“A Igreja Católica é uma igreja global universal com 1,2 bilhões de membros, enquanto o WCC representa 500 milhões. Seria preciso repensar sua organização e tomada de decisões se a Igreja Católica aderisse ”, disse ele a repórteres.

Apesar de não ser afiliado, o Vaticano envia cerca de 50 observadores para participar de comitês do CMI que lidam com questões como promoção da paz, migrantes e refugiados, doutrina religiosa e educação.

Altamente significativo

Michel Grandjean, professor de história cristã na Universidade de Genebra, disse que a viagem do Papa a Genebra não é uma celebração de aniversário simbólica, mas uma visita de trabalho altamente significativa. Ele acrescentou que surge em um momento em que as questões ecumênicas precisam de um impulso.

"Acho que há muitas questões a serem discutidas, como a organização dessas federações de igrejas", disse ele à swissinfo.ch. “Além disso, há pontos de entendimento a serem discutidos. A Igreja Católica Romana ainda se refere a si mesma como "a igreja" no singular, como se fosse o único corpo autêntico, enquanto os outros estão cheios de suspeita; eles não são vistos como igrejas, mas simplesmente comunidades eclesiásticas ”.

Apesar das diferenças religiosas, os organizadores dizem que a visita papal a Genebra envia um importante sinal de unidade.

"O Santo Padre investe muito na comunicação com os cristãos e nos diz que devemos promover um modo de pensar juntos", disse Choromanski.

Genebra será a segunda visita européia de Francisco, com um acento ecumênico claro após sua visita a Lund, na Suécia, em outubro de 2016, para marcar os 500 anos da Reforma Protestante, ao lado de líderes da Federação Luterana Mundial.

graphic

graphic



swissinfo.ch/ets

Palavras-chave

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.