Navigation

Apesar do apoio, não é fácil viver da produção de histórias em quadrinho

Thomas Ott em seu ateliê em Zurique. Thomas Kern/swissinfo.ch

Em abril de 2020, um novo instrumento de financiamento foi lançado, que aborda diretamente a cena vibrante e bem conectada dos quadrinhos suíços. Foram concedidas dez bolsas de 20.000 francos cada para criadores. Um reconhecimento tardio da nona arte.

Este conteúdo foi publicado em 25. abril 2021 - 12:03

Para Claudio Barandun, este prêmio é um sinal da “crescente consciência de que os quadrinhos são de fato um meio por si só”. Desde o ano passado, ele é codiretor da EditionLink externo ModerneLink externo, uma editora da cena independente de quadrinhos em língua alemã. Ele fala, principalmente como um fã e fica encantado com todo apoio que surge para este setor.

Por anos, essa forma de arte esteve um pouco esquecida, oscilando entre gêneros artísticos em editais de financiamento. “No passado, os projetos às vezes eram financiados por Fundos de Incentivo à Literatura, mas contar histórias em imagens requer um conjunto muito diferente de habilidades e treinamento. E a história em quadrinhos nunca se integrou realmente ao campo das artes visuais, porque mesmo sendo caracterizada por imagens, os desenhos muitas vezes são muito narrativos e distantes do meio artístico usual”, explica Claudio Barandun.

No entanto, a perspectiva dos quadrinhos mudou. E mesmo que até agora esta arte se apresente principalmente em forma de charges nos jornais, para a maioria das pessoas o “mundo dos quadrinhos pára em Asterix e Lucky Luke”, observa Claudio Barandun.

No passado, a Fundação Cultural Suíça Pro Helvetia apoiou a cena dos quadrinhos por meio de contribuições para festivais, tours de livros, traduções e publicações. Com as novas contribuições para a criaçãoLink externo, o dinheiro agora vai direto para os artistas e, assim, abastecerá seus projetos. O swissinfo.ch conversou com Fanny VaucherLink externo e Thomas OttLink externo, dois dos dez vencedores das bolsas.

“Participar de editais de financiamento é um pouco como jogar na loteria. Quem está no júri? Quem são os concorrentes? E se eu não ganhar nenhum prêmio, isso significa que meu trabalho é ruim? ”, comenta Thomas Ott, que trabalha no gênero desde que se formou na Escola de Design de Zurique em 1987, o que o torna um dos mais famosos representantes da cena de quadrinhos suíça.

Thomas Ott está procurando apoio financeiro para um novo projeto há um bom tempo. “Eu trabalho em uma obra grande; estão previstas cerca de 300 páginas”, revela. O autor gosta de brincar com o gênero de terror e histórias que acabam mal. “No entanto, com a idade, minhas histórias certamente se tornaram mais sutis e mais psicológicas. Em última análise, meu último livro é sobre o tema da autodescoberta”.

Antes de receber o apoio financeiro da Pro Helvetia, Thomas Ott buscou fundos por dois anos sem sucesso. “É possível que isso tenha a ver com a natureza e a qualidade do meu projeto, mas também é possível que a razão esteja na minha idade e na minha posição bastante consolidada neste palco. Muita gente pode pensar: Ott fez um livro para a Louis Vuitton, ele tem uma galeria e pode vender ilustrações para colecionadores, ele não precisa do dinheiro”, explica.

Ele acha importante falar sobre dinheiro: “Pelo trabalho de comissionamento da Louis Vuitton, por exemplo, recebi 40.000 francos adiantados. É muito incomum. Se eu tivesse entregue meu livro em sete meses, conforme planejado, teria ganho uma soma de verdade pela primeira vez. Mas a verdade é que o projeto levou dois anos para chegar onde eu queria”.

Além de desenhar quadrinhos, Thomas Ott lecionou por dez anos na Universidade de Artes de Zurique (ZHdK) e contribuiu para a educação de seus filhos. “Foi incrível. Foi bom para a família e também me deu alguma segurança. Mas agora que estou mais livre desde que os filhos cresceram, decidi desistir desse trabalho”, diz ele. Um pouco antes da primeira onda da pandemia, não foi realmente o melhor momento para tomar tal decisão, ele admite. Mas o artista aguenta sua dor com paciência. “Você se acostuma com o dinheiro que entra regularmente, o que pode ser contraproducente em termos de criatividade. Você também tem que ficar um pouco sob pressão como artista, do contrário você vai adormecer e ficar confortável; em qualquer caso, é o que sinto.”

Os frutos do trabalho dos últimos anos se amontoam no ateliê de Thomas Ott. Thomas Kern/swissinfo.ch

A Pro Helvetia já o havia apoiado antes, especificamente com bolsas de viagem. “Se eu for convidado para um festival de quadrinhos na Argentina, por exemplo, os organizadores entram em contato com a Pro Helvetia para cobrir minhas despesas de viagem. Um festival em Buenos Aires não pode cobrir esses custos sozinho. Posso, portanto, viajar e sou de certa forma um diplomata cultural da Suíça”.

Foco na liberdade

Fanny Vaucher desenha de forma clássica com caneta e nanquim, depois seus desenhos são coloridos com aquarela. Comparado ao de Thomas Ott, seu estilo é leve e brilhante. Thomas Ott risca suas imagens na superfície preta de um papelão, enquanto Fanny Vaucher começa seus desenhos em um papel branco.

Fanny Vaucher fotografada durante o festival de HQs de Delémont. Daniel Caccin pour Delémont’ BD 2019

Fanny Vaucher obteve o título de mestre em literatura na Universidade de Lausanne, depois mudou-se para Genebra para estudar quadrinhos e ilustração no Centro de Treinamento Profissional em Artes Aplicadas. A mudança era óbvia para a artista, que era apaixonada tanto pelo desenho quanto pela escrita e, portanto, pelo poder narrativo dos quadrinhos.

Há pouco mais de dois anos, ela desenhou Le Siècle d'Emma, a vida de uma família suíça no século 20, a partir de um roteiro do jornalista Éric Burnand. Esta história em quadrinhos conta a história de acontecimentos políticos e sociais na Suíça “através dos olhos de Emma, ​​que nasceu em 1900”. A obra recebeu o título de "melhor história em quadrinhos suíça" no Delémont Comic Strip Festival em 2020.

Há três anos, Fanny Vaucher desistiu de seu emprego de meio período e vive de seus quadrinhos e ilustrações desde então. Além dos pagamentos que obtém com trabalhos comissionados, parte significativa de sua receita vem de recursos que recebe por meio de bolsas de estudo e fundações. No entanto, ela se recusa a fazer trabalhos comerciais para grandes empresas: trabalha principalmente para instituições como museus, bibliotecas, mídia e eventos públicos.

“Se meus livros estão vendendo bem, como é atualmente o caso com Le Siècle d'Emma, isso me traz a alguns milhares de francos por ano. Mas isso não é realmente se você considerar que eu tenho trabalhado nele por quase dois anos", diz ela.

A renda média mensal de Fanny Vaucher é de pouco mais de 2.000 francos, incluindo doações. Envolve um estilo de vida modesto. “Eu preferia a liberdade ao conforto”, diz ela. Mas, o momento é difícil: "a minha forma de trabalhar e funcionar obviamente não corresponde à ajuda pública proposta, e não me foi concedido o subsídio por perda de rendimentos ligada à pandemia."

Fanny Vaucher não vai ficar rica, mesmo com a contribuição da Pro Helvetia. “Esse dinheiro vai cobrir minhas despesas diárias”, explica ela. Se considerarmos que apenas metade, ou seja, 10.000 francos, é paga agora e que a outra só será paga quando a obra for concluída e entregue a um editor, não é uma grande soma para um projeto que me exigirá quase um ano de trabalho ”. Fanny Vaucher vê, portanto, esta contribuição para a criação mais como “um incentivo e apoio, do que uma forma de cobrir os custos de produção”.

Ela também considera os quadrinhos parte da herança cultural da Suíça. “A publicação também deve ser incentivada, assim como coleções e exposições devem ser apoiadas. Não faz sentido afirmar que os quadrinhos foram inventados neste país por Wolfgang-Adam Töpffer em Genebra e fazer tão pouco por isso", diz.

Adaptação: Clarissa Levy

Os comentários do artigo foram desativados. Veja aqui uma visão geral dos debates em curso com os nossos jornalistas. Junte-se a nós!

Se quiser iniciar uma conversa sobre um tema abordado neste artigo ou se quiser comunicar erros factuais, envie-nos um e-mail para portuguese@swissinfo.ch.

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.