Teste para o populismo europeu

Uma equação política baseada numa fórmula mágica

A Suíça é governada pelo Conselho Federal, um órgão formado por sete ministros. Porém como esses postos são divididos entre os partidos? A proporção é o que conta (Michele Andina, swissinfo.ch)

A divisão de assentos no governo federal suíço é regida há mais de meio século pela chamada "Fórmula Mágica". 

Quando a Suíça moderna foi fundada em 1848, o governo era constituído exclusivamente por membros do mesmo partido. Foi apenas em 1891 que um segundo partido passou a ser representado no Conselho Federal, o corpo de sete ministros que governa o país. Depois passaram mais cinquenta anos até que dois partidos passassem a integrá-lo. Em 1959, os quatro partidos com mais representatividade decidiram que os sete assentos governamentais deveriam ser atribuídos segundo uma proporção que reflete as forças do Parlamento.

Essa "Fórmula Mágica" compõe a democracia de consenso no modelo suíço. Ela é um paradigma na qual as decisões só são duradouras se apoiadas tanto pelas minorias, como pelas maiorias.

A partilha de assentos no Conselho Federal permaneceu por muito tempo estável. Foi a partir de 2003, quando o Partido Popular Suíço (SVP, na sigla em alemão), o maior partido do país, se viu com apenas um representante que a Fórmula Mágica foi questionada. 

Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo