Máquinas suíças podem fazer 30 milhões de testes de anticorpos por ano

Cada máquina de testes de anticorpos da Quotient pode realizar até 3.000 testes por dia. Quotient

Uma empresa suíça de diagnóstico médico afirmou estar pronta para entregar ainda este ano máquinas de alta capacidade capazes de realizar mais de 30 milhões de testes clinicamente precisos de anticorpos coronavírus.

Sam Jones, Financial Times

A Quotient, sediada em Eysins, afirmou que os seus testes estavam prontos para utilização imediata graças a anos de trabalho no desenvolvimento de uma nova máquina de rastreio serológico, que tencionava lançar este verão. Os testes estarão agora disponíveis a partir da próxima semana.

Durante o mês passado, a Quotient adaptou as máquinas para testar os anticorpos coronavírus. Cada máquina pode realizar até 3.000 testes por dia. 

Os peritos dizem que os testes de anticorpos serão uma parte essencial para aliviar os lockdowns em todo o mundo, à medida que os países procuram relançar as economias devastadas pela pandemia.

O rastreio dos anticorpos identifica quem já foi exposto ao vírus e desenvolveu imunidade - um grupo susceptível de incluir milhões de indivíduos assintomáticos e de pessoas que sofreram sintomas leves de Covid-19. 

Enorme demanda

Franz Walt, CEO da Quotient, alertou que o mundo enfrenta uma grande escassez dos componentes críticos necessários para a realização dos testes, em meio a uma ruptura generalizada da cadeia de abastecimento e a armazenamentos governamentais. 

"A demanda por testes de anticorpos será absolutamente enorme nos próximos dois meses", declarou Walt.

"Penso que somos pioneiros nisso, mas espero sinceramente que haja mais de nós avançando nessa área, porque não temos capacidade para satisfazer essa procura".

"Há uma verdadeira escassez de oferta de reagentes secundários, biomarcadores, peças sobressalentes especializadas [para máquinas de testes] e respectivos componentes provenientes da China . . . as cadeias de abastecimento estão seriamente danificadas". 

Mesmo as empresas com bons recursos vão demorar meses para intensificar os testes de anticorpos, acrescentou. 

Walt foi diretor-geral do laboratório Roche, sediado em Singapura, que desenvolveu o primeiro diagnóstico para a SARS, em 2003: "Eu esperava nunca mais ver um vírus semelhante na minha vida, mas aqui estamos nós."

Concorrência

Duas empresas americanas afirmaram também ter desenvolvido testes de anticorpos para o coronavírus, mas não indicaram uma data firme para quando estarão disponíveis para utilização.

A empresa de tecnologia médica BD, com sede em Nova Jersey, afirmou que disponibilizará um milhão de testes de anticorpos nos próximos meses.

Muitos governos tinham advertido nos últimos dias que testes de anticorpos precisos poderiam levar semanas a desenvolver, depois de vários kits experimentais de testes de anticorpos adquiridos em enormes quantidades nas fases iniciais da pandemia terem sido considerados inúteis do ponto de vista diagnóstico.

Na segunda-feira, o governo do Reino Unido descartou 17,5 milhões de testes defeituosos para os anticorpos Sars-CoV-2 que havia adquirido em março. 

Walt disse estar em discussões com as autoridades sanitárias dos EUA, do Reino Unido, da Espanha e da Suíça.

A Quotient vai vender as suas máquinas de testes, chamadas MosaiQ, ao preço de custo, a partir da próxima semana. Cada teste para o novo coronavírus custará entre 15 e 25 dólares. As máquinas são principalmente concebidas para realizar vários testes simultâneos, disse Walt. Cada uma pode rastrear até 120 patógenos ou condições diferentes simultaneamente, usando células especiais embebidas com dezenas de micro-doses de reagentes selecionados.

Walt acrescentou que, com base na capacidade da Quotient para fabricar as máquinas, poderia realizar mais de 30 milhões de testes este ano.

As regras de marketing médico proíbem a Quotient de divulgar os seus dados sobre o resultado dos diagnósticos do seu teste Sars-CoV-2, mas Walt apontou os recentes resultados dos testes de campo públicos de sífilis e HIV - que diagnosticaram 100% das infecções e deram um falso positivo em apenas 0,3% dos casos - como prova da confiabilidade do sistema.

Copyright The Financial Times Limited 2020



Este artigo foi automaticamente importado do nosso antigo site para o novo. Se há problemas com sua visualização, pedimos desculpas pelo inconveniente. Por favor, relate o problema ao seguinte endereço: community-feedback@swissinfo.ch

Partilhar este artigo